A supererupção do vulcão Yellowstone, há 2 milhões de anos, durou décadas

Iorcel / Canva

Grand Prismatic Spring no Yellowstone National Park, EUA

Uma equipa de cientistas descobriu que uma supererupção no vulcão Yellowstone, há 2,1 milhões de anos, não foi um evento explosivo que durou algumas horas ou dias, mas sim décadas.

A perceção geral é que as grandes erupções vulcânicas podem durar apenas algumas horas ou dias. No entanto, uma equipa de investigadores conseguiu determinar que, há mais de dois milhões de anos, uma supererupção do vulcão Yellowstone se prolongou por décadas.

O vulcanologista Colin Wilson, da Victoria University of Wellington, na Nova Zelândia, analisou depósitos de uma antiga supererupção em Yellowstone para entender de que forma o magma e as cinzas foram ejetados do vulcão. O artigo científico foi publicado na Caldera Chronicles do Observatório do Vulcão de Yellowstone.



Segundo o Newsweek, a equipa analisou os depósitos vulcânicos de Huckleberry Ridge, que se formaram com o material incandescente da maior erupção ocorrida em Yellowstone nos últimos 2,1 milhões de anos.

A supererupção lançou colunas de cinzas de dezenas de quilómetros, com fluxos piroclásticos, gases e fragmentos de lava muito quentes e de rápido movimento, que se estenderam por 100 quilómetros. Com o tempo, estes restos formaram depósitos grossos de material vulcânico, conhecido como ignimbrito.

https://twitter.com/USGSVolcanoes/status/1325816250950426627

“Foi expulso tanto magma que a superfície do solo, à volta das aberturas da erupção, colapsou para formar uma caldeira de 100 por 50 quilómetros, que está entre a maiores da Terra”, sublinhou Colin Wilson.

Com base nos restos vulcânicos, os cientistas conseguiram reconstruir uma linha do tempo dos eventos. Os resultados mostraram que houve intervalos de tempo entre os eventos eruptivos. Aliás, numa camada, passou tempo suficiente para que a neve caísse e os sistemas climáticos recolhessem as cinzas e as voltassem a depositar.

Os cientistas também concluíram que o vulcão entrou em erupção, parou, arrefeceu e voltou a explodir novamente. O tempo entre os primeiros eventos foi provavelmente de vários meses, disse Wilson.

Levou anos, senão décadas, até que o próximo evento eruptivo ocorresse, com os depósitos a indicar que houve um período muito mais longo de arrefecimento antes de a próxima unidade de ignimbrito ter sido formada.

“Estas descobertas mudam o que pensamos sobre as explosões supermassivas de Yellowstone: em vez de grandes eventos individuais, podem ser compostos por múltiplos eventos menores”, rematou Colin Wilson. Os investigadores esperam usar estas informações para entender o impacto das supererupções no vulcão Yellowstone e avançar na previsão de desastres.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Parlamento aprova "direito ao esquecimento" para quem superou doenças graves

O Parlamento aprovou esta sexta-feira, na generalidade, o projeto-lei do PS que pretende consagrar o “direito ao esquecimento” para acabar com a discriminação de pessoas que tiveram cancro. O Parlamento aprovou, na generalidade, o projeto-lei do …

No seu último discurso, presidente do Supremo atira críticas aos megaprocessos

António Piçarra, presidente do Supremo Tribunal de Justiça, centrou o seu último discurso na falta de eficácia do sistema judicial em tratar os processos especialmente complexos de corrupção. Para o presidente do Supremo Tribunal de Justiça, …

Viagens não essenciais de e para o Reino Unido permitidas a partir de segunda-feira

Cristóvão Norte, deputado do PSD, criticou a indefinição em torno das viagens do Reino Unido para Portugal, em entrevista à BBC. Entretanto, esta manhã, fonte governamental revelou que as viagens não essenciais de e para …

PPP na saúde levou Estado a "poupar" mais de 200 milhões

As Parceiras Público-Privadas (PPP) dos hospitais de Braga, Vila Franca de Xira, Loures e Cascais trouxeram ao Estado uma "poupança" de 203 milhões de euros, menos de um terço do que se esperava no arranque …

Praias podem receber mais banhistas este verão

Apesar de o semáforo de lotação das praias se manter nesta época balnear, a percentagem de ocupação sobe para os 90%. Quem não respeitar as regras estará sujeito a coimas. As limitações à lotação, introduzidas no …

Ritmo de vacinação da UE ultrapassa o dos EUA e China. Grécia reabre turismo

Atualmente, o ritmo de vacinação da União Europeia ultrapassa o registado nos Estados Unidos da América e na China, de acordo com os dados da plataforma Our World in Data. Os dados recolhidos pelo Público …

"Síndrome de Havana" tem sido cada vez mais reportada por militares dos EUA

Diplomatas norte-americanos, espiões e funcionários da Defesa nacional dos EUA sofreram mais de 130 casos de lesões cerebrais, conhecidos como síndrome de Havana. Segundo o jornal The New York Times, três agentes da CIA revelaram ter …

Caso Maddie. Polícia alemã tem novas provas contra Brueckner

A polícia alemã tem novas provas contra Christian Brueckner, o principal suspeito do rapto de Madeleine McCann, que desapareceu do empreendimento turístico Ocean Club, no Algarve, há 14 anos. De acordo com o procurador Hans Christian …

PSP propôs festa dos adeptos dentro de Alvalade, mas "não foi aceite"

A PSP avança que sugeriu, na reunião de preparação da festa do título, que os festejos ocorressem dentro do Estádio de Alvalade, mas que a proposta não foi aceite. Esta quinta-feira, o presidente da Câmara de …

Nuno Tavares e Rui Patrício podem juntar-se a Mourinho em Roma

Treinador português José Mourinho vai liderar a Roma e poderá contar com dois compatriotas na sua nova equipa. Mais de uma década depois, José Mourinho vai voltar ao campeonato italiano. O futuro treinador da Roma pode, …