Submarino japonês, afundado na Segunda Guerra Mundial, está pronto para realidade virtual

Deborah Bloom / AFP

Uma nova experiência de realidade virtual dá vida ao naufrágio de um submarino japonês da Segunda Guerra Mundial, que foi afundado em 1942 e bombardeado com explosivos 30 anos mais tarde.

O naufrágio do submarino I-124, que se encontra no fundo do mar a cerca de 50 milhas náuticas (90 quilómetros) a noroeste da cidade australiana de Darwin, está protegido como uma sepultura de guerra — cerca de 80 tripulantes estavam a bordo quando foi afundado pelas forças Aliadas em 1942.

Esta designação significa que a maioria dos mergulhadores está proibida de visitar o local, sendo esse acesso estritamente controlado. Ou seja, a nova experiência de realidade virtual é uma rara oportunidade para as pessoas verem como está o navio, disse John McCarthy, arqueólogo marítimo da Universidade de Flinders, em Adelaide, Austrália, num comunicado.

As versões do novo vídeo estão disponíveis no YouTube em inglês e japonês, uma vez que o interesse histórico pelo naufrágio é especialmente forte na Austrália e no Japão. Além disso, ambas as gravações podem ser vistas com óculos de realidade virtual ou como “vídeo imersivo” em dispositivos de ecrã plano, tais como monitores de computador e smartphones, escreve a Live Science.

“Com base nos nossos dados, planos e fotografias históricas do navio, criámos uma experiência de mergulho virtual na qual o vídeo leva o espectador através do processo de recolha de dados e, depois, às profundezas, para experimentar o naufrágio na primeira pessoa”, explica McCarthy.

O I-124 foi construído no final da década de 1920 para a Marinha Imperial Japonesa e era uma das novas classes de submarinos baseados num submarino do tipo alemão UB III que tinha sido dado ao Japão como parte de reparações após a Primeira Guerra Mundial.

Durante a II Guerra Mundial, o I-124 esteve ativo ao largo da costa de Darwin, colocando minas e atacando navios inimigos. Mas os disjuntores Aliados intercetaram os seus sinais de rádio de volta ao Japão, levando os navios de guerra australianos a localizá-lo em 20 de janeiro de 1942 — há quase exatamente 80 anos.

Seguiu-se uma feroz batalha, incluindo uma quase derrota de um varredor de minas australiano, o navio australiano de Sua Majestade (HMAS) Deloraine, por um dos torpedos do submarino. Mas o I-124 foi gravemente danificado por cargas de profundidade dos navios de guerra e por uma bomba aérea de um avião de guerra australiano. O submarino afundou-se, então, com toda a sua tripulação a bordo.

Mas a história não acaba aí. De acordo com um relatório histórico de 1990, no Western Australian Maritime Museum, os salvadores das Novas Hébridas (agora Vanuatu) descobriram o naufrágio do I-124 em 1972 após uma busca de seis semanas.

Embora o governo japonês considerasse o naufrágio uma sepultura de guerra, os salvadores esperavam vender tudo o que recuperassem dos destroços, alegadamente por até 2,5 milhões de dólares australianos — cerca de 10 milhões de dólares.

Em 1977, depois de se ter tornado claro que o Japão não queria os destroços, um dos salvadores bombardeou-os com explosivos numa tentativa de forçar uma negociação, danificando gravemente a estrutura, revela o relatório.

Mais tarde nesse ano, o local do naufrágio foi protegido pela Marinha Australiana como uma sepultura de guerra — o primeiro naufrágio assim designado.

Os arqueólogos marítimos têm monitorizado o naufrágio desde então e os novos vídeos de realidade virtual baseiam-se num levantamento por sonar remoto realizado no local em outubro de 2021 por uma equipa que inclui McCarthy, outros cientistas e a tripulação do navio de investigação do Instituto Australiano de Ciências Marinhas Solander.

“O levantamento arqueológico mostra que os destroços estão em bom estado, mas com alguns sinais de degradação do casco exterior que requerem investigação adicional”, disse McCarthy.

O navio encontra-se no fundo do mar, numa área com pouca visibilidade e marés fortes, a uma profundidade de cerca de 150 pés (45 metros), pelo que os mergulhadores que utilizam gases respiratórios regulares podem lá permanecer apenas durante alguns minutos de cada vez.

Como resultado, o ramo Heritage do governo regional do Território do Norte da Austrália está a planear um mergulho técnico ao naufrágio, utilizando gases respiratórios avançados para deixar os mergulhadores permanecerem lá por muito mais tempo, a fim de realizar um levantamento visual e fotográfico aprofundado.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE