Subida do preço dos alimentos é causada por dinheiro dado aos pobres no Brasil, diz vice-presidente

Palácio do Planalto / Flickr

O vice-Presidente do Brasil, Hamilton Mourão

O vice-Presidente do Brasil, Hamilton Mourão, defende que a subida no preço dos alimentos registada no país nos últimos meses foi causada pelo dinheiro destinado pelo Governo aos pobres, afetados pela pandemia de covid-19.

“Uma porção [grande quantidade] de gente comprando porque o dinheiro que o Governo injetou na economia foi muito acima do que as pessoas estavam acostumadas, tanto que está havendo grande compra de alimentos e de material de construção”, afirmou Mourão ao ser questionado sobre o assunto por jornalistas em Brasilia na quarta-feira.

O vice-Presidente brasileiro salientou, citado pela agência Lusa, que esta subida no preço dos alimentos “é uma questão da lei da oferta e da procura”.

Desde abril, o Brasil distribui um auxílio em dinheiro à população que foi duramente afetada pela pandemia, nomeadamente trabalhadores independentes e sem contrato formal de trabalho. O dinheiro foi divido em cinco parcelas de 600 reais (96,11 euros). Na última semana, foi confirmada mais uma prorrogação desta ajuda, dessa vez por mais quatro parcelas, mas o valor caiu para 300 reais (48,05 euros).

No entanto, vários especialistas têm uma explicação diferente para a subida dos preços, considerando que estes dispararam pressionados pelo forte aumento da procura no mercado externo graças à subida do dólar face à moeda brasileira, o real.

O preço do arroz e do feijão, dois dos principais alimentos da dieta brasileira, saltou mais de 20% neste ano. Esta subida foi responsável por 80% da inflação acumulada no ano no Brasil, que chegou a 0,70%, segundo dados divulgados na quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A desvalorização de cerca de 40% da moeda brasileira atraiu compradores, incentivando os produtores rurais a apostar nas exportações em detrimento das vendas no mercado interno, o que fez os preços subirem dentro do país.

“A alta do dólar fez com que os exportadores de arroz, soja, carnes, café, açúcar passassem a ter uma vantagem muito grande no exterior em termos de preços e passassem a cobrar um preço mais alto internamente, reduzindo a oferta”, explicou Mauro Rochlin, economista do Centro de Estudos da Fundação Getulio Vargas (FGV) à Efe.

Em comunicado, a Associação Paulista de Supermercados (APAS) também frisou que as sucessivas subidas nos preços dos alimentos “são provenientes de variáveis do mercado como maior exportação, câmbio e quebra de produção”.

O posicionamento da APAS foi uma resposta dada ao Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, que na semana passada pediu aos comerciantes e redes de supermercados que ajam com “patriotismo” para evitar a subida do valor dos alimentos.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, com mais de 4,1 milhões de casos e 127.464 óbitos provocados pela covid-19.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Países do Golfo continuarão dependentes do petróleo por mais uma década

Um estudo da agência de notação financeira Moody's revelou que os países exportadores de petróleo do Golfo vão continuar dependentes da produção de hidrocarbonetos pelo menos na próxima década. Segundo o estudo, citado pela agência Reuters, …

PSP do Porto reforça policiamento no São João e apela ao cumprimento das regras

A PSP do Porto garantiu, esta terça-feira, que vai reforçar o policiamento na noite de São João, de quarta para quinta-feira, e apela ao cumprimento das regras atendendo ao contexto atual da pandemia de covid-19. “Solicita-se …

UE garante compra de mais 150 milhões de doses da vacina da Moderna

A Comissão Europeia aprovou esta terça-feira a alteração ao segundo contrato com a farmacêutica Moderna para a ativação, em nome de todos os Estados-membros da União Europeia (UE), de 150 milhões de doses adicionais em …

Lisboa sobe mais de 20 lugares no ranking. É a 83.ª cidade mais cara do mundo

Lisboa é a 83.ª cidade mais cara do mundo em termos de custo de vida, subindo 23 posições no ranking em relação ao ano passado, num estudo da Mercer divulgado esta terça-feira, que é liderado …

Governo espanhol aprova indultos a nove líderes independentistas catalães na prisão

O governo espanhol aprovou esta terça-feira a concessão de indultos a nove líderes independentistas catalães a cumprir penas de prisão pelo seu envolvimento na tentativa de autodeterminação daquela região espanhola em 2017, anunciou o primeiro-ministro …

Direitos humanos. Confronto entre China e Canadá na ONU

O Canadá denunciou esta terça-feira na ONU, em nome de cerca de 40 países, a situação dos direitos humanos na província chinesa de Xinjiang e em Hong Kong, pedindo a Pequim uma investigação às violações …

Ministra da Saúde afasta limitação de visitas. Mas Associação de lares defende regresso da proibição

A ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou esta terça-feira que não há necessidade de voltar a limitar as visitas a lares de idosos, advogando que as pessoas vacinadas contagiadas com o novo coronavírus desenvolvem “uma …

Tripulantes da TAP queixam-se de "extrema violência psicológica" e escrevem carta ao ministro

Um grupo de tripulantes de cabine da TAP escreveu uma carta a Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas, na qual dizem temer que o processo de despedimento coletivo avance em julho e que já saíram …

Marcelo considera que legislativas de 2023 devem servir para julgar uso dos fundos europeus

O Presidente da República defendeu esta terça-feira que Portugal tem de dar "o salto" com os fundos europeus e considerou que as eleições legislativas de 2023 devem servir para os portugueses julgarem a sua utilização. "Cabe …

Portugal regista mais 1.020 casos e seis mortes. Internamentos continuam a aumentar

Portugal registou esta terça-feira 1.020 novos casos de infeção por covid-19 e mais seis mortes, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde. De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), nas …