Sporting 0 – 0 Vitória FC | Duelo pobre termina com um nulo

José Sena Goulão

O duelo entre Sporting e Vitória Futebol Clube terminou com um empate a zero, partida relativa à 33ª jornada da Liga NOS, que decorreu nesta terça-feira. O jogo foi parco em ocasiões e pobre no que concerne à “nota artística”.

Os duelos demonstraram inúmeras lacunas em gizar lances flagrantes de golo, por seu turno os forasteiros pouco fizeram para incomodar a baliza adversária. A equipa de Rúben Amorim ainda não fechou as contas no que ao terceiro lugar diz respeito.

Já o emblema sadino – que contabilizou o 15º jogo consecutivo sem triunfar, com nove desaires e seis empates – depende apenas do resultado que fizer na última ronda ante o Belenenses para assegurar a manutenção.

O jogo explicado em números

  • Do lado leonino, Rúben Amorim fez três alterações relativamente à derrota no Dragão. Saíram Borja, Jovane e Sporar e entraram Marcos Acuña, Francisco Geraldes e Tiago Tomás. Olhando para a equipa que perdeu diante do Famalicão (1-2), Lito Vidigal “riscou” Bruno Pirri, André Sousa e Guedes e lançou Artur Jorge, Sílvio e Leandrinho.
  • A última vitória dos sadinos na prova foi na 18ª jornada, a 26 de Janeiro, quando a equipa venceu o Tondela por 3-0. Desde então são 14 jogos consecutivos sem vitórias: nove desaires e cinco empates.
  • Aos 39 segundos, o jovem Tiago Tomás, isolado, falhou as medidas do chapéu, desperdiçando soberana ocasião para inaugurar o marcador no primeiro ataque do encontro. Aos 11 minutos, o dianteiro voltou à carga, mas desta feita o lance foi anulado por fora-de-jogo.
  • À meia-hora, e sem estar a ser brilhante e muito previsível nas suas acções, o Sporting dominava por completo as incidências com 75% da posse de bola, uma eficácia de passe de 89%, três remates e três cantos. Por sua vez, os visitantes contabilizavam um remate, 26% da posse de bola – eficácia de 64% nas entregas – e nenhum canto para amostra. Aliás, o conjunto setubalense não conseguiu gizar qualquer lance no interior da área contrária…
  • Intervalo Os primeiros 45 minutos deste encontro não deixaram saudades. Foram escassas as ocasiões de golo e as poucas que existiram penderam todas para o lado leonino. A lutar pela sobrevivência, o Vitória Futebol Clube, distribuído num 5x4x1, com o médio Éber Bessa como elemento mais avançado no terreno, preparou-se para abdicar da posse de bola – apenas 22% -, que o Sporting não soube gerir. Com a largura condicionada, houve pouco critério dos “leões” em encontrar outras alternativas para ultrapassar o “autocarro” que veio do Bonfim. O melhor em campo nesta fase foi Acuña, com um GoalPoint Rating de 6.0. Os números demonstravam que o polivalente argentino tinha na sua ficha um remate, uma ocasião flagrante criada, oito passes progressivos certos e quatro recuperações da posse.
  • A matriz prosseguiu, com o Sporting com mais posse de bola (77%), mas sem arte nem engenho para ludibriar a muralha que se ergueu à frente da baliza de Makaridze. Apenas aos 65 minutos registou-se o primeiro remate enquadrado da partida, com um tiro fraco e à figura de Vietto, que regressou à competição após longa ausência por lesão, substituindo ao intervalo o desinspirado Ristovski. Instantes depois, o guardião georgiano brilhou e travou uma “bomba” lançada por Acuña, que ainda resvalou em Jubal. Foi a primeira ocasião clara de golo. 
  • Mesmo tendo feito mais remates nesta etapa final – sete contra um dos vitorianos, que aconteceu em período de descontos -, o Sporting não conseguiu encontrar o caminho do golo, demonstrando inúmeras dificuldades em aliar rapidez, criatividade e imprevisibilidade nas suas acções ofensivas. Por sua vez, os comandados de Lito Vidigal foram segurando as pontas e defendendo um precioso ponto na luta pela sobrevivência no escalão máximo do futebol nacional.

O melhor em campo GoalPoint

No fraco espectáculo de Alvalade, Acuña foi o melhor elemento nas quatro linhas, com um GoalPoint Rating de 7.1. O internacional argentino, que voltou a actuar como um dos três homens mais recuados da linha de três defesas, tentou galvanizar a equipa da casa e terminou o jogo com dois remates, um dos quais talvez o mais perigoso da tarde/noite, dois passes para finalização, 138 acções com a bola – o máximo do duelo -, 11 recuperações de posse e duas intercepções.

Jogadores em foco

  • Wendel 6.3 – Foi um dos primeiros jogadores do Sporting a assumir as rédeas. Tentou de tudo para inspirar a equipa a contornar as marcações sadinas, rematou por duas ocasiões, fez um passe para finalização, contribuiu com seis passes progressivos certos, não falhou nenhum dos sete dribles tentados e registou, ainda, 125 acções com a bola.
  • Francisco Geraldes 6.3 – Surpresa no “onze”, mereceu a oportunidade e exibiu-se a um bom nível. Recuperou por cinco vezes a posse, criou dois passes para finalização e pecou apenas nas hesitações que teve sempre que era o momento de rematar à baliza contrária.
  • Carlinhos 6.1 – Foi o autor de um dos dois remates do Vitória que veio de Setúbal, além disso acabou por aparecer mais pelas intervenções defensivas – sete recuperações, quatro desarmes e duas intercepções.
  • Gonzalo Plata 6.1 – Foi o jogador que mais cruzamentos fez – oito –, realizando ainda três passes progressivos correctos, dois passes para finalização e ganhou quatro duelos aéreos defensivos.
  • Luciano Vietto 6.0 – Entrou apenas na etapa final, mas conseguiu dar outro critério às ofensivas “verdes-e-brancas”, sendo inteligente a ocupar os espaços entre-linhas.
  • Nuno Mendes 5.8 – Dois remates, quatro cruzamentos, 43 passes certos em 51 tentativas (75% de eficácia). Em termos defensivos registou quatro desarmes e ganhou cinco de sete duelos aéreos defensivos.
  • Sílvio 5.8 – Experiente, foi um dos esteios da equipa de Lito Vidigal e alcançou três desarmes, duas intercepções, três alívios e 32 acções com a bola.

Resumo

(dr) GoalPoint

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Pelo que mostraram hoje nem o Sporting merece o 3º lugar nem o Vitória a 1ª divisão. Foi uma demonstração clamorosa de falta de qualidade. POBRE SPORTING!

RESPONDER

O Bosão de Higgs foi apanhado a fazer algo inesperado

Uma equipa de cientistas do Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN) observou o Bosão de Higgs, a fazer algo inesperado: à medida que caía, esta parecia decompor-se numa combinação inesperada de partículas. De acordo com …

Feitos de estrelas. Os nossos ossos são compostos por estrelas que explodiram

Uma nova investigação concluiu que metade do cálcio do nosso Universo é oriundo de uma supernova rica em cálcio, que explodiu há milhões de anos. O novo estudo, cujos resultados foram esta semana publicados na revista …

"Monarquia criminosa". Parlamento declara Catalunha republicana e não reconhece o rei

O Parlamento catalão aprovou esta sexta-feira uma resolução na qual declara que “a Catalunha é republicana e, portanto, não reconhece nem quer ter um rei”, rotulando a monarquia de “criminosa”. A resolução foi aprovada em sessão …

Novo método deteta metais tóxicos em alimentos e água em apenas algumas horas

Uma equipa de cientistas da Universidade de Joanesburgo, na África do Sul, desenvolveu um método sensível para detetar níveis perigosos de metais pesados em alguns alimentos e água. Os vestígios de metais como chumbo (Pb), arsénico …

Meghan Markle vence primeira batalha judicial contra jornal britânico

A Duquesa de Sussex conseguiu que o Tribunal Superior de Londres optasse por manter anónima a identidade das suas cinco amigas, como parte da ação legal que está a ser levada a cabo. O 39º aniversário …

Cientistas obrigados a rebatizar dezenas de genes humanos. A culpa é do Excel

Só no ano passado, os cientistas viram-se obrigados a mudar os nomes de 27 genes humanos por causa de um erro de leitura do Microsoft Excel. Tal como explica o portal The Verge, que avança …

"Vai continuar a queimar". Covid-19 é mais parecida com um fogo florestal do que com ondas e picos

Com o surgimento do novo coronavírus no mundo, vários especialistas previam que este iria surgir em ondas e picos. Agora a visão de futuro é outra e os especialistas dizem que a pandemia se compara …

Mudanças climáticas podem vir a causar mais mortes do que a covid-19, alerta Bill Gates

  As mudanças climáticas podem custar muito mais vidas nas próximas décadas do que a pandemia do novo coronavírus (covid-19). O alerta é do co-fundador da Microsoft, Bill Gates, que, através de uma reflexão no seu …

Descoberta a primeira disrupção gigante nas nuvens de Vénus

Uma equipa internacional de cientistas, que incluiu um investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), descobriu a "primeira disrupção gigante" nas nuvens de Vénus que tem fustigado as zonas profundas da atmosfera …

TVI aposta em estúdio a Norte. Nuno Santos quer Informação mais ao estilo da SIC Notícias do que da CMTV

O diretor-geral da TVI, Nuno Santos, afirmou, em entrevista ao jornal Público, que a estação de Queluz de Baixo vai apostar num estúdio no Norte, revelando ainda que pretende mudar a Informação do canal mais …