Sparrow-Hawk, o último navio peregrino norte-americano, pode ter sido encontrado

Josiah Johnson Hawes / Pilgrim Hall Museum

O que sobrou do Sparrow-Hawk.

Investigadores acreditam que os destroços de uma embarcação encontrados em 1863 pertencem ao Sparrow-Hawk, o último navio de transporte de peregrinos para a Nova Inglaterra.

Em 1626, uma pequena embarcação trouxe 25 passageiros e seus pertences da Europa para a América. O barco, conhecido como Sparrow-Hawk, não aguentou a viagem tempestuosa de seis semanas e naufragou.

Embora todos os passageiros tenham sobrevivido, a embarcação foi considerada irreparável. Com o tempo, areias movediças enterraram os restos do navio, e nenhuma tentativa foi feita para desenterrá-los.

A 6 de maio de 1863, os destroços de uma embarcação foram encontrados depois de uma tempestade em Cape Cod, Massachusetts. Acreditava-se ser o “Santo Graal” dos artefactos da era dos peregrinos: o Sparrow-Hawk.

Mais de um século e meio depois, escreve o The Washington Post, ainda não sabemos se este era de facto o mítico navio de peregrinos. No entanto, um novo estudo indica que o naufrágio pode mesmo ser o lendário navio.

A confirmar-se, será o único navio sobrevivente que cruzou o Oceano Atlântico como parte da migração puritana para a Nova Inglaterra.

Através de técnicas que podem datar com precisão a madeira e rastreá-la até ao seu local de origem, a equipa de cientistas associou os pedaços de madeira encontrados em Cape Cod à indústria de construção naval do final do século XVI e início do século XVII, em Inglaterra.

Como não há outros naufrágios conhecidos na região que correspondam às características desta embarcação, acredita-se que seja o Sparrow-Hawk. Este navio, segundo o Pilgrim Hall Museum, tinha mais de 32 toneladas e 12 metros de comprimento.

Aliás, ninguém sabe o nome verdadeiro do navio. Sparrow-Hawk foi o nome dado pelos investigadores que encontraram os destroços em 1863.

“Estas madeiras são ossos de dinossauro retorcidos que contêm pistas”, disse Donna Curtin, diretora executiva do Pilgrim Hall Museum.

Os pedaços de madeira do navio foram “desmontados, medidos, desenhados e exibidos muitas vezes”, disse Curtin ao Boston Globe. “Mas eles nunca foram totalmente examinados forense ou arqueologicamente até agora”.

“Não podemos dizer com 100% de certeza que este é o Sparrow-Hawk”, disse Curtin. “Mas podemos dizer com muito mais confiança do que nunca que o que temos é compatível com a história no diário do governador Bradford”.

Foi precisamente Bradford quem enviou uma equipa de homens para resgatar os passageiros do Sparrow-Hawk. Os registos escritos do governador também ajudaram a manter viva a memória do navio.

  Daniel Costa, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.