“Sou trans”. Jovem português agredido em Inglaterra por ser transexual

Ruan Filipe / Instagram

Ruan Filipe, jovem português que foi agredido por ser transexual, em Inglaterra

“Sou trans”. Foi o que bastou Ruan, um jovem português de 21 anos, dizer para ser agredido perto de casa, em Inglaterra.

De acordo com o Público, Ruan Filipe, natural de Santa Maria da Feira, terá sido agredido na noite da passada sexta-feira (18 de junho), perto de sua casa, em Bournemouth, Inglaterra.

O jovem português contou, em declarações ao P3, que estava a fumar um cigarro, quando foi abordado por um grupo de homens que lhe pediram isqueiro e o convidaram a entrar no carro. Depois de recusar, perguntaram-lhe como tinha barba na cara e “uma voz feminina”.

“Porque sou trans”, disse Ruan, antes do grupo o começar a agredir. “Puxaram-me para o chão, tinham facas e soqueiras com lâminas. Foi assim que me fizeram os cortes na cara, na barriga e nas pernas”, contou.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by ruan_nunes (@ruan_filipe21)

Além disso, e de acordo com Ruan, colocaram-lhe “qualquer coisa na boca”, provavelmente um pano, para que não pudesse gritar, e só pararam de o agredir quando, perante a tentativa de lhe arrancarem as calças, o jovem mordeu um dos agressores.

“Comecei a correr e escondi-me atrás de um supermercado. Só voltei a casa passado uma hora”, relata, explicando que não existe nenhuma testemunha.

Esta não foi a primeira vez que Ruan foi vítima de um ataque de transfobia — já o tinha sido em Portugal e em Inglaterra. Desta vez, dirigiu-se à polícia, mas acabou por não apresentar queixa.

“A polícia disse que não havia ponto [por onde pegar]. Aqui não há câmaras, ninguém viu, ninguém ouviu porque me enfiaram aquilo na boca. Ou seja, é um caso perdido”, lamenta.

O desencorajamento feito pela polícia em relação à apresentação de queixa “acontece muitas vezes”, refere Marta Ramos, da Ilga (Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual e Transgénero).

“Por um lado, porque há uma falta de perceção da importância e da gravidade destas questões. Mas também porque é importante gerir as expectativas das próprias pessoas. Há muitos casos em que se não há informação nenhuma sobre os agressores, não há contexto específico, o mais natural é que não haja forma de encontrar as pessoas agressoras”, explica, ao Público.

“O papel da autoridade é fazer cumprir a lei. Se a pessoa foi vítima de um crime, o passo natural seguinte é apresentar queixa. Caso contrário, estamos a colocar o ónus e a responsabilidade em cima da vítima”, conclui.

ZAP //

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Os agressores fazem isto porque têm medo. Medo do que é diferente e não compreendem. É por serem medrosos que atacam em grupo. Sozinhos são incapazes. Basicamente, são covardes.

RESPONDER

Vídeo mostra salmões feridos devido ao sobreaquecimento das águas

O vídeo foi gravado por um grupo de conservação ambiental depois de uma onda de calor no Noroeste Pacífico que fez as temperaturas da água atingirem os 21 graus Celsius. De acordo com o jornal The …

Uma prenda de aniversário. Israelita doou um dos seus rins a um menino palestiniano

Uma israelita quis doar um rim a um estranho. Estranho esse que acabou por ser uma criança, de apenas três anos, que vive na Faixa de Gaza, na Palestina. De acordo com a agência Associated Press, …

Novo método permite eliminar a bioincrustação marinha eficazmente

Um projeto inovador demonstrou como os revestimentos de superfície eletricamente carregados podem eliminar a bioincrustação marinha ou o crescimento de organismos marinhos, melhorando a operação e manutenção de embarcações navais. A bioincrustação marinha é um fenómeno …

Aglomerado de safiras estrela encontrado no Sri Lanka pode ser o maior do mundo

Um aglomerado de safiras estrela do mundo foi encontrado num quintal no Sri Lanka. A pedra é azul, pesa 510 quilos e estima-se que valha cerca de 84 milhões de euros. A pedra foi encontrada …

Médico sírio acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade

Um médico sírio foi acusado na Alemanha de crimes contra a humanidade por supostamente torturar e matar pessoas em hospitais militares no seu país de origem, informaram os promotores na quarta-feira. O Ministério Público Federal de …

Justiça climática. Vamos todos sofrer com as alterações climáticas, mas não de forma igual

A recente onda de calor na América do Norte é mais um exemplo de que apesar de ser um problema global, as alterações climáticas não vão afectar todos igualmente e podem exacerbar injustiças sociais e …

Os exemplos que Portugal deve seguir (e evitar) nas últimas etapas da pandemia

No plano apresentado pela equipa de Raquel Duarte comparam-se as estratégias opostas adotadas por Israel e Reino Unido, com a segunda a merecer nota negativa por parte dos investigadores. Os dados foram lançados na reunião que …

Jogos da Taça da Liga de sábado adiados para domingo para poderem ter público

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) anunciou, esta quinta-feira, que os jogos da Taça da Liga agendados para sábado vão ser adiados para domingo, para que possam ter público nas bancadas. "A Liga, …

Dinamarca enfrenta acção legal por querer repatriar refugiados sírios

O governo dinamarquês quer repatriar sírios naturais de Damasco depois de um relatório mostrar que há zonas da Síria onde a segurança melhorou. A decisão está a ser criticada por activistas e o caso pode …

Pela primeira vez, foi observada luz por detrás de um buraco negro

Um estudo divulgado esta quarta-feira revelou a primeira observação direta da luz por detrás de um buraco negro, através da deteção de pequenos sinais luminosos de raios-X, confirmando a Teoria da Relatividade Geral, de Einstein. Segundo …