“Solução Milagrosa” também é vendida em Portugal para tratar covid-19. Infarmed avisa que é “uma lixívia”

A Solução Mineral Milagrosa, ou MMS, está também a ser vendida em Portugal como tratamento para a covid-19, tal como tem acontecido noutros países. Mas o Infarmed alerta que este produto é, basicamente, “uma lixívia” composta por dióxido de cloro.

Este “kit” milagroso denominado Miracle Mineral Solution (MMS) ou Solução Mineral Milagrosa, em Português, é vendido há vários anos como um tratamento contra doenças como cancro, SIDA, malária e até o autismo.

Agora, com o aparecimento da pandemia de covid-19, está a ser anunciado também como uma “cura” contra esta infecção.

O MMS “continua a ser receitado por escolas que dão formação em medicinas complementares”, avança o jornal i, dando o exemplo da Biosymbiosis – Instituto de Medicina Natural, no Porto, uma entidade de formação certificada.

Este produto não está certificado pelo Infarmed porque não é considerado um medicamento.

O dióxido de cloro, o principal composto do MMS, é habitualmente usado a nível industrial, nomeadamente no tratamento de águas.

A Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária também não aprovou o composto como biocida.

Contudo, a venda do produto não é proibida.

O Infarmed explica ao i que se trata de “uma lixívia” e que não deve ser usado como tratamento para nenhuma doença. Todavia, atesta que não tem competências para proibir a sua comercialização, já que não se trata de um medicamento.

Em Espanha, o produto já foi associado a, pelo menos, 26 casos de intoxicação.

A venda de MMS foi proibida em países como EUA e Canadá. Mas na Bolívia, pelo contrário, foi aprovado, face à falta de soluções no combate à pandemia.

Já em 2010, a Direcção Geral de Saúde (DGS) alertava para os perigos para a saúde humana do uso deste produto.

Num comunicado, a DGS sublinhava que é perigoso para a saúde, nomeadamente se dois dos seus compostos (clorito de sódio e dióxido de cloro) estiverem em contacto com os olhos e a pele.

Os efeitos tóxicos do produto, após ingestão oral, variam segundo a quantidade, mas passam por vómitos, febre, dores epigástricas, torácicas e, algumas vezes, podem provocar mesmo queimaduras graves das mucosas do esófago e do estômago, frisava ainda a DGS.

Com o medicamento a voltar a ser notícia devido à pandemia de covid-19, a autoridade do medicamento norte-americana, a Food and Drug Administration (FDA), já veio fazer um alerta, apontando que ingerir MMS é, basicamente, como “beber lixívia”.

“Alguns distribuidores estão a fazer falsas e perigosas alegações de que um Suplemento Miraculoso Mineral misturado com ácido crítico é um líquido anti-microbiano, anti-viral e anti-bacteriano que é um remédio para o autismo, o cancro, o VIH/SIDA, a hepatite, a gripe e outras condições”, aponta a FDA, sublinhando que não conhece “nenhuma investigação que mostre que estes produtos são seguros ou efectivos para tratar qualquer doença”.

Assim, não devem ser usados porque “não foram feitos para serem engolidos por pessoas”, conclui a entidade.

ZAP //

PARTILHAR

20 COMENTÁRIOS

  1. Lixívia? O Dióxido de Cloro?
    Não meus caros. Informem-se bem
    Lixívia – hipoclorito de sódio NaClO
    Dióxido de Cloro – ClO2
    Bebemo-lo misturado na água que consumimos e utilizam-no para desinfectar o sangue das transfusões.
    Agora, que as farmacêuticas estão preocupadas, não há dúvidas.

        • E?
          Qual é mesmo a tua dúvida??
          Será que leste a notícia antes de comentar?!
          Duvido… mas, se não sabes sequer interpretar um texto tão simples, recomendo o Ensino Básico…

          • Eu li o texto! E o texto insinua que BEBER MMS (aliás, completamente ultrapassado e causa efeitos indesejados, o que se usa actualmente é o CDS) é o mesmo que “beber lixívia”! Se for ingerido SEM DILUIR, claro que é grave! Mas também é grave tomar 100 doses de ASPIRINA de uma única vez! Ganhe juízo! Este texto é uma aberração.

            • A notícia é de Setembro e, continuo sem perceber qual o problema do texto!!
              O texto não insinua; afirma – e está correcto!! O MMS é tipo lixívia (lixívia diluída, obviamente).
              Serve de alerta para os crentes apalermados que acreditam nestes “Calcitrins” milagrosos – só o nome já diz tudo: Miracle Mineral Solution (MMS)!!
              É uma vigarice como muitos outros suplementos/complementos que os profetas das medicinas naturais/alternativas vendem aos mais limitados!…
              O CDS é outra banha da cobra…
              .
              Mal por mal, mais vale seguir a receita do Mingos da Pousa:https://www.youtube.com/watch?v=T0-ah6h-kAo

    • Correctíssimo.Uso frequentemente quando sinto sintomas de constipação e fico imediatamente bom. Não tem efeitos secundários. Já uso há mais de dois anos e nunca tive qualquer sintoma adverso. Confundir o MMS com lexicia é demagógico. O problema é que é um produto barato e põe em causa o negócio dos grupos farmacêuticos, que estão interessados em prolongar as doenças e os sintomas para garantirem o consumo de fármacos que nada curam.

  2. Meu caro, se reparar o termo lixívia no texto está entre parênteses, ou seja não é no sentido literal, quanto a ser utilizado para desinfectar sangue nas transfusões, seria bom não se basear apenas em “conhecimento facebookeano” e pesquisar um pouco mais além, sites de referencia, artigos científicos, etc, se bem que teorias da conspiração são sempre muito tentadoras.

    • Não são teorias de conspiração (esse é o argumento fácil que agora está em voga). Há décadas que os hospitais o usam.
      Um dos problema do mms é o próprio nome, que é de uma ingenuidade atroz. O John Humble podia ter trabalhado um pouco mais na escolha. A versão CDS (já é pouca sorte com os nomes) está mais bem documentada pelo Andreas Kalcker.

  3. Lixivia é o hipoclorito de sódio, NaClO que mais ou menos diluído, se utiliza em limpezas e desinfecções em graus diferentes de diluição consoante a aplicação.

  4. O que há é um desconhecimento e uma grande confusão entre estas duas substâncias. Hipoclorito que após adicionado uma % de água=Lexivia. O Clorito de sódio depois de adicionado % de ácido citrico (sintético) ou % de ácido cloridico=Dioxido de Cloro. São coisas completamente diferentes. Porém quando à cerca de 8 anos eu me dirigi à farmácia e pedi Clorito de sódio, o farmaceitico ri e diz; “Aqui não vendemos lexivia, vá a uma drogaria que eles vendem em garrafões de 5L” ao que respondi “Mas eu não lhe pedi Hipoclorito, pedi Clorito de sódio que se vende em pó frascos de 100gramas” Perante a minha insistência o farmaceitico ligou para o laboratório fornecedor e perguntou se existia tal produto e o preço, com uma expressão de surpresa volta-se o farmaceito para mim e pergunta! “você tem noção quanto custam 100gramas?” “Tenho! (respondi eu) o equivalente a 50 litros de lexivia” Fiz o pré-pagamento de 48,90euros e no dia seguinte lá estava o frasquinho de clorito desconhecido de alguém que “estudou” quimica. Eu uso à 8 anos sem quaquer problema, mas antes estudei, investiguei e experienciei antes de ingerir. As dosagens tem que ser exactas caso contrario os efeitos podem ser contrários ao desejado, aliás como qualquer medicamento cujas dosagem se não forem respeitadas pode fazer mal. Eu tomo apenas por prevenção, se alguém já tem uma doença confirmada o melhor é consultar o seu médico.

    • Eu diria que o Rui anda a dar forte na lixívia ou será no clorito de sódio?!
      “Porém quando à cerca de 8 anos eu me dirigi à farmácia e pedi Clorito de sódio, o farmaceitico ri e diz; “Aqui não vendemos lexivia…”
      e que tal “há cerca” e “lixívia”?
      E não é farmaceitico mas sim farmacêutico!
      E, já agora, química leva cento
      E depois volta ao mesmo “à 8 anos”… devia ser “há 8 anos”.
      Já para não falar nos acentos.
      Recomendo-lhe que reduza a dose do que anda a tomar.

      • Até eu me ri quando revi o texto depois de publicado, Quando se escreve num smartfone com os dedos é o que acontece, mas se quiseres dou-te uma lição de português, não pode ser é num smartfone

  5. Finalmente um medicamento contra a Covid19.
    O Trump tinha razão, bebam lixívia e ficam curados, provavelmente, da vida.
    E que tal beber muita água da rede e das piscinas, ambas têm lixívia, tem é que se consumir grandes quantidades (Brincadeira).
    O MMS não deve ser muito perigoso, até porque as autoridades não o proibiram, mas eu não desejo consumi-lo.

Alphabet diz adeus ao Loon, projeto que queria espalhar Internet através de balões

O projeto da Alphabet que tinha como objetivo levar Internet às partes mais remotas do mundo "perdeu o fôlego" e os seus responsáveis decidiram pôr-lhe um ponto final. Num comunicado divulgado na última sexta-feira, Alastair Westgarth, …

Estudo identifica cidades europeias com maior mortalidade devido à poluição do ar

Madrid, Antuérpia e Torino (em Espanha, Bélgica e Itália, respetivamente) lideram o ranking de mortes associadas à poluição por dióxido de azoto (NO2). Já a maior mortalidade atribuível a partículas finas é encontrada em cidades …

Fim do Flash Player colapsou sistema de estação ferroviária chinesa

O sistema ferroviário na cidade de Dalian, no nordeste da China, ficou paralisado por causa da desativação do programa Flash Player da Adobe. A Adobe encerrou o suporte técnico do seu player de multimédia Flash Player …

Eis o que o mundo pode aprender com o confinamento da China

O confinamento na China tem apresentado resultados excecionais no controlo da pandemia, à custa da perda de liberdade das pessoas. Ainda assim, há muito que se pode aprender com o exemplo chinês. Colocar o autoritarismo contra …

Descoberto fármaco "100 vezes mais potente" contra a covid-19 (e "nasceu" das seringas-do-mar)

Uma equipa internacional de investigadores descobriu um medicamento antiviral que é "100 vezes mais potente" do que o remdesivir no tratamento da covid-19. Trata-se de um fármaco usado para tratar um cancro sanguíneo, que só foi …

Covid-19. Fortuna das dez pessoas mais ricas pagaria vacina para toda a população mundial

A riqueza combinada dos dez homens mais ricos do mundo subiu em cerca de 540 mil milhões de dólares (445 mil milhões de euros) durante a pandemia, de acordo com um relatório da organização internacional …

Farmacêuticas pouco preparadas para próxima pandemia, alerta relatório

As maiores empresas farmacêuticas do mundo estão pouco preparadas para a próxima pandemia, apesar da crescente resposta à covid-19, alertou um relatório da Access to Medicine Foundation, divulgado esta terça-feira. Neste relatório, Jayasree K Iyer, diretora executiva …

Um em cada três infetados com covid-19 é assintomático

Investigadores sugerem, com base numa revisão de 61 estudos, que uma em cada três pessoas infetadas com o novo coronavírus é assintomática. Uma em cada três pessoas infetadas com covid-19 não sabe que tem o novo …

"Vizinho Amigo tem muitos voluntários, fiquem em casa e peçam ajuda"

Martim Ferreira conta como surgiu, como está e como acha que estará o Vizinho Amigo - um projeto que reúne milhares de voluntários em Portugal, que ajudam pessoas de grupos de risco desde que o …

El Dorado português está para durar. Nem pandemia, nem taxa de 10% afastam reformados estrangeiros

Apesar da pandemia e de uma nova taxa fiscal de 10%, Portugal continua a ser um destino desejado por reformados estrangeiros, nomeadamente pelos franceses que estão de olho na descida nos preços das casas e …