Serviço Militar Obrigatório: Uma década depois tema ainda não é consensual na sociedade

U.S. Marine Corps / Wikimedia

-

O Serviço Militar Obrigatório (SMO), 10 anos após a extinção, continua a ser um tema sem consenso, com defensores do fim “inevitável”, mas com os que acham também que o melhor era voltar atrás.

O fim do SMO “era inevitável e dez anos depois a minha posição é a mesma”, diz um especialista ouvido pela Agência Lusa, enquanto outro contrapõe: “devíamos reintroduzir o SMO” porque lamentavelmente não houve um debate sobre o assunto há 10 anos.

Formalmente o SMO terminou a 19 de novembro de 2004 mas na prática terminou a 19 de setembro desse ano, data a partir da qual os três ramos das Forças Armadas (FA) passaram a contar apenas com voluntários contratados.

Antes dessa data já vinha acontecendo “um processo de mudança”, com cada vez menos jovens incorporados, num movimento de “quebra de legitimidade do serviço militar, que vinha sendo contestado em Portugal e noutros países”, diz a socióloga Helena Carreiras, do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), especialista em assuntos militares.

As FA tinham também sofrido alterações e o desenvolvimento tecnológico levou à necessidade de mais especialistas e menos “militares em massa”, tudo contribuindo para que fosse “quase inevitável” o fim do SMO. “Tinha de acontecer e olhando para o lado percebíamos que foi acontecendo em vagas na Europa. No fim da Guerra Fria só quatro países tinham um sistema totalmente voluntário e hoje quase nenhum tem SMO”, diz Helena Carreiras.

Viriato Soromenho Marques, professor catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, exemplifica: até a Alemanha acabou com o SMO. Mas não concorda com o fim de uma instituição “inserida na história da democracia representativa no Ocidente”.

O SMO acompanha a mudança das sociedades antigas, quando os exércitos eram de mercenários e profissionais (o soldado lutava pelo soldo), para um novo regime surgido com a revolução francesa, que introduz a ideia do SMO, “muito ligado ao conceito de dever de cidadão, uma espécie de contributo que cada um dá à sociedade”, explica o professor.

E acrescenta logo de seguida: “parece-me lamentável que uma instituição tivesse sido abolida sem qualquer discussão política. Merecia claramente um referendo. O fim do SMO foi em grande parte resultado não de uma estratégia mas de um consenso entre as juventudes partidárias. O fim do SMO não foi a racionalidade mas sim o hedonismo.

Helena Carreiras está “do outro lado da barricada”. “Não defendo o SMO, não aumentaria a qualidade das FA se voltasse”, diz a professora. Até admite que funcionou em tempos como “motor de integração social, de uma sociedade rural que não ia à escola”, mas acrescenta que hoje “tudo mudou” e que é a escola que tem essa função.

Com o fim do SMO as FA ficaram mais dependentes da sociedade, com menos riscos de isolarem, e têm “cumprido as missões que lhes são confiadas” e feito “um bom trabalho” no estrangeiro, aponta Helena Carreiras, para quem apenas é desejável “um reforço do reconhecimento e da visibilidade da instituição FA” a nível nacional.

Soromenho Marques não fala da função “integração social” mas considera que o SMO podia ser “uma escola de proteção civil, de apoio a autarquias, de ajudar no ordenamento florestal”, e acrescenta que o atual sistema é mais caro do que um exército de conscritos.

“A eventual fragilidade das FA por via do fim do SMO está tapada porque até agora as missões foram muito reduzidas, mas se Portugal tivesse de mobilizar uma ou duas brigadas iria ser difícil”, diz o professor, que defende um SMO não necessariamente para todos os jovens mas para “uma pool de pessoas que pudessem ser mobilizadas consoante as necessidades”.

O sociologo diz saber que reintroduzir o SMO seria “traumático” mas defende-o. Sem certezas sugere entre sete a nove meses de tropa. E é com Helena Carreiras um exemplo de que uma década depois o fim do SMO não é consensual.

/Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. As teorias são bonitas, normalmente o problema surge quando aparece a prática. Quer isto dizer, quando houver alguma aflição é que vai ser bonito e engraçado de observar. Depois espero que se lembrem de convocar esta drª historiadora e mais os juventudes partidárias, sócrates, passos, etc
    Nos moldes em que estava o SMO estava obsoleto, funcionava mais para manutenção do statuo quo.
    Agora 9 meses parece um tempo razoável para a instrução e para a prática

  2. Adoro a forma como este artigo basicamente está a fomentar o lobby para que o serviço obrigatório seja implementado de novo para benece das “elites” boémias deste país..
    só nos resta agradecer aos lobistas Helena Carreira (verificar ligações http://ipps.iscte-iul.pt/index.php/pt/formacao/docentes-2/14-artigos/157-maria-helena-chaves-carreiras ) e ao senhor Viriato Soromenho Marques (verficar ligações http://www.viriatosoromenho-marques.com/bio.html ). O “estalo” está aí e ninguem realiza o que esta corja reserva para este povo..

RESPONDER

EUA ponderam bloquear o TikTok e outras redes sociais chinesas

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, admitiu esta semana que os Estados Unidos estudam a possibilidade de bloquear a rede social de vídeos TikTok, bem como outras plataformas do género chinesas. Em entrevista à emissora …

Salgado acusa Banco de Portugal de "deslealdade" e "desonestidade"

Na contestação à coima aplicada pelo supervisor por violação de normas de prevenção de branqueamento de capitais, a defesa de Ricardo Salgado acusou o Banco de Portugal de ter sido “desleal e desonesto” na forma …

No Reino Unido, só 22% das pessoas que testaram positivo relataram ter sintomas

Um novo estudo acaba de revelar que, no Reino Unido, apenas 22% dos casos positivos tinha sintomas da covid-19 no dia em que fizeram o teste. Um estudo do Office for National Statistics (ONS) britânico, divulgado …

Administração Trump notifica formalmente o Congresso sobre saída da OMS

O Governo norte-americano informou esta terça-feira o Congresso sobre a sua saída forma da Organização Mundial da Saúde (OMS). A Administração Trump já notificou formalmente o Congresso norte-americano de que os Estados Unidos vão sair da …

“Não vou ser infetado e propagar a covid-19”. Burundi anuncia triagem maciça da população

O Governo do Burundi começou esta segunda-feira uma campanha de triagem maciça da covid-19, decisão que demonstra uma alteração das políticas implementadas pelo novo Presidente do país no sentido de combater mais assertivamente a propagação …

Despedida de Centeno e estreia de Leão. Eurogrupo elege presidente na quinta-feira

A eleição para a presidência do Eurogrupo, na quinta-feira, será a última reunião presidida por Mário Centeno e a estreia europeia de João Leão como ministro das Finanças. A eleição para a presidência do Eurogrupo é …

Governo está a preparar um programa específico de apoio ao Algarve

O Algarve terá um programa específico de apoio, que já está a ser preparado pelo Governo, avançou o ministro da Economia esta terça-feira. O ministro da Economia disse, esta terça-feira, que o Governo está a preparar …

OMS admite transmissão pelo ar e pede que se evitem espaços fechados

Depois do alerta de 239 especialistas, a Organização Mundial de Saúde diz que há novas provas de que o novo coronavírus se transmite pelo ar. A Organização Mundial de Saúde (OMS) admitiu, esta terça-feira, haver novas …

Lufthansa vai cortar mil empregos administrativos (e reduzir novas aeronaves a metade)

Esta terça-feira, a Lufthansa anunciou novas medidas do seu plano de reestruturação que incluem uma redução de mil postos de trabalho nos serviços administrativos. A companhia aérea alemã Lufthansa anunciou, esta terça-feira, que irá reduzir o …

Bloco deixa recado ao PS: voto do Suplementar não estará garantido para o OE2021

Depois de o PCP ter rompido o espírito de acordos à esquerda, foi a vez de o Bloco de Esquerda deixar avisos para 2021. Em entrevista ao portal esquerda.net, divulgada esta terça-feira, Mariana Mortágua deixa claro …