Serviço Militar Obrigatório: Uma década depois tema ainda não é consensual na sociedade

U.S. Marine Corps / Wikimedia

-

O Serviço Militar Obrigatório (SMO), 10 anos após a extinção, continua a ser um tema sem consenso, com defensores do fim “inevitável”, mas com os que acham também que o melhor era voltar atrás.

O fim do SMO “era inevitável e dez anos depois a minha posição é a mesma”, diz um especialista ouvido pela Agência Lusa, enquanto outro contrapõe: “devíamos reintroduzir o SMO” porque lamentavelmente não houve um debate sobre o assunto há 10 anos.

Formalmente o SMO terminou a 19 de novembro de 2004 mas na prática terminou a 19 de setembro desse ano, data a partir da qual os três ramos das Forças Armadas (FA) passaram a contar apenas com voluntários contratados.

Antes dessa data já vinha acontecendo “um processo de mudança”, com cada vez menos jovens incorporados, num movimento de “quebra de legitimidade do serviço militar, que vinha sendo contestado em Portugal e noutros países”, diz a socióloga Helena Carreiras, do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL), especialista em assuntos militares.

As FA tinham também sofrido alterações e o desenvolvimento tecnológico levou à necessidade de mais especialistas e menos “militares em massa”, tudo contribuindo para que fosse “quase inevitável” o fim do SMO. “Tinha de acontecer e olhando para o lado percebíamos que foi acontecendo em vagas na Europa. No fim da Guerra Fria só quatro países tinham um sistema totalmente voluntário e hoje quase nenhum tem SMO”, diz Helena Carreiras.

Viriato Soromenho Marques, professor catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, exemplifica: até a Alemanha acabou com o SMO. Mas não concorda com o fim de uma instituição “inserida na história da democracia representativa no Ocidente”.

O SMO acompanha a mudança das sociedades antigas, quando os exércitos eram de mercenários e profissionais (o soldado lutava pelo soldo), para um novo regime surgido com a revolução francesa, que introduz a ideia do SMO, “muito ligado ao conceito de dever de cidadão, uma espécie de contributo que cada um dá à sociedade”, explica o professor.

E acrescenta logo de seguida: “parece-me lamentável que uma instituição tivesse sido abolida sem qualquer discussão política. Merecia claramente um referendo. O fim do SMO foi em grande parte resultado não de uma estratégia mas de um consenso entre as juventudes partidárias. O fim do SMO não foi a racionalidade mas sim o hedonismo.

Helena Carreiras está “do outro lado da barricada”. “Não defendo o SMO, não aumentaria a qualidade das FA se voltasse”, diz a professora. Até admite que funcionou em tempos como “motor de integração social, de uma sociedade rural que não ia à escola”, mas acrescenta que hoje “tudo mudou” e que é a escola que tem essa função.

Com o fim do SMO as FA ficaram mais dependentes da sociedade, com menos riscos de isolarem, e têm “cumprido as missões que lhes são confiadas” e feito “um bom trabalho” no estrangeiro, aponta Helena Carreiras, para quem apenas é desejável “um reforço do reconhecimento e da visibilidade da instituição FA” a nível nacional.

Soromenho Marques não fala da função “integração social” mas considera que o SMO podia ser “uma escola de proteção civil, de apoio a autarquias, de ajudar no ordenamento florestal”, e acrescenta que o atual sistema é mais caro do que um exército de conscritos.

“A eventual fragilidade das FA por via do fim do SMO está tapada porque até agora as missões foram muito reduzidas, mas se Portugal tivesse de mobilizar uma ou duas brigadas iria ser difícil”, diz o professor, que defende um SMO não necessariamente para todos os jovens mas para “uma pool de pessoas que pudessem ser mobilizadas consoante as necessidades”.

O sociologo diz saber que reintroduzir o SMO seria “traumático” mas defende-o. Sem certezas sugere entre sete a nove meses de tropa. E é com Helena Carreiras um exemplo de que uma década depois o fim do SMO não é consensual.

/Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. As teorias são bonitas, normalmente o problema surge quando aparece a prática. Quer isto dizer, quando houver alguma aflição é que vai ser bonito e engraçado de observar. Depois espero que se lembrem de convocar esta drª historiadora e mais os juventudes partidárias, sócrates, passos, etc
    Nos moldes em que estava o SMO estava obsoleto, funcionava mais para manutenção do statuo quo.
    Agora 9 meses parece um tempo razoável para a instrução e para a prática

  2. Adoro a forma como este artigo basicamente está a fomentar o lobby para que o serviço obrigatório seja implementado de novo para benece das “elites” boémias deste país..
    só nos resta agradecer aos lobistas Helena Carreira (verificar ligações http://ipps.iscte-iul.pt/index.php/pt/formacao/docentes-2/14-artigos/157-maria-helena-chaves-carreiras ) e ao senhor Viriato Soromenho Marques (verficar ligações http://www.viriatosoromenho-marques.com/bio.html ). O “estalo” está aí e ninguem realiza o que esta corja reserva para este povo..

RESPONDER

"Evento raro". Nasceu uma baleia-branca no maior aquário do mundo (e o momento foi gravado)

Whisper, uma baleia-branca de 20 anos, deu à luz uma cria saudável em 17 de maio após uma gravidez de 15 meses, marcando a chegada do mais novo cetáceo do Georgia Aquarium, numa altura em …

Telemóveis são uma ferramenta poderosa contra a desigualdade de género em África

Ao dar às mulheres acesso a informação que, de outra forma, era quase impossível de obter, os telemóveis estão a salvar e a transformar vidas. De acordo com o site IFLScience, o estudo responsável por esta …

Desde março, morreram mais de 100 elefantes no Botsuana. Ninguém sabe porquê

As autoridades do Botsuana estão a investigar a morte de 110 elefantes na região do Delta do Okavango desde março, anunciou esta semana o Ministério do Meio Ambiente, Conservação de Recursos Naturais e Turismo daquele …

Um robô aprendeu a fazer uma omelete. E ficou melhor do que o esperado

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, treinou um robô a preparar uma omelete. Para os investigadores, avaliar se um robô cozinhou uma refeição com sucesso é uma fonte interessante de …

Covid-19 já matou mais no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães da II Guerra

A pandemia de covid-19 já matou mais pessoas no Reino Unido do que os bombardeamentos alemães durante a II Guerra Mundial. O novo coronavírus oriundo da China já matou cerca de 50.000 pessoas em território …

Estudo mostra que os cães querem mesmo resgatar os seus donos do perigo

Um novo estudo mostra que os nossos amigos de quatro patas querem realmente salvar-nos em momentos de aflição, mas desde que saibam como o fazer. De acordo com o site Science Alert, os investigadores reuniram 60 cães …

Derek Chauvin foi detido, mas os precedentes mostram que o polícia pode sair impune

Derek Chauvin, o polícia responsável pela morte de George Floyd, foi detido e aguarda a sua primeira audiência. No entanto, há precedentes que sugerem que o agente pode sair impune. Derek Chauvin tem a sua primeira …

Cientistas encontram dois fragmentos do meteorito de Barcelona

Cientistas espanhóis encontraram dois pequenos fragmentos do chamado meteorito de Barcelona, que caiu, há mais de 300 anos, no dia de Natal. No dia 25 de dezembro de 1704, um meteorito rasgou os céus e caiu …

"Pressionaram-me para o denunciar". Higuita recorda amizade com Escobar

A relação de amizade entre René Higuita e Pablo Escobar levou a que o ex-futebolista fosse seguido pelas autoridades. A polícia chegou a pressioná-lo para denunciar Escobar. O antigo internacional colombiano René Higuita é provavelmente uma …

George Floyd. Portugal junta-se às manifestações mundiais contra o racismo

Cinco cidades portuguesas juntam-se hoje à campanha de solidariedade mundial contra o racismo, associando-se à luta pela dignidade humana na sequência da morte, a 25 de maio, do afro-americano George Floyd, sob custódia da polícia …