Sindicato vai processar Ryanair por assédio laboral e discriminação

O Sindicato Nacional de Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) vai processar a Ryanair por assédio laboral e discriminação, exigindo a restituição de créditos laborais, após a resolução de contratos por justa causa, disse esta quarta-feira à agência Lusa um dirigente sindical.

“Um dos processos com que vamos avançar já no imediato será um processo contra a empresa Ryanair, de assédio e discriminação”, disse à Lusa Diogo Dias, vogal do SNPVAC, referindo-se a um processo relacionado com os trabalhadores que não aceitaram os cortes impostos pela empresa.

A Ryanair desregulou o regime de escalas habitual à “pequena minoria” de trabalhadores que recusou os cortes da empresa na sequência da pandemia de covid-19, retirando-lhes qualquer direito a bónus, segundo documentos a que a Lusa teve acesso.

Segundo o dirigente, os trabalhadores “a sofrer uma discriminação gravíssima, onde lhes retiraram o padrão do ‘roster’ [escala]”, estando “a voar menos de 10 horas, quando o normal seria entre 70 a 80”, não acontecendo o mesmo com quem assinou os cortes.

Segundo o responsável, “imediatamente a seguir” será interposta uma ação em tribunal pelos trabalhadores que recusaram assinar contratos com remuneração base inferior ao salário mínimo, e que a empresa obrigava a transferir para bases no estrangeiro.

Mais de 30 trabalhadores da Crewlink, que tripulam os aviões da Ryanair, estão a ser convidados para os quadros da companhia com remunerações base abaixo do salário mínimo, tendo como alternativa a relocalização no estrangeiro já em setembro.

O contrato proposto possui adicionalmente uma cláusula em que o trabalhador declara “não ter quaisquer reclamações/créditos contra a empresa” a 1 de setembro de 2020.

O dirigente do SNPVAC disse à Lusa que “todos os tripulantes” que recusaram a proposta “estão a resolver com justa causa o contrato, depois desta transferência que lhes está a ser oferecida”, adiantando que irão avançar “com um processo coletivo contra a empresa não só para a reintegração na empresa Ryanair”, como também serão pedidos “os créditos laborais, como por exemplo o subsídio de Natal e o subsídio de férias”.

“A Ryanair e a Crewlink, desde que estão em Portugal, nunca pagaram subsídios de Natal e subsídios de férias”, disse Diogo Dias, acrescentando que o Governo e os grupos parlamentares já foram alertados para a situação, mas que “a única solução é realmente a via judicial, não há outra maneira”.

O sindicalista denunciou ainda que os valores pagos por hora de voo não são uniformizados, “ou seja, há o tripulante que ganha X, outro que ganha Y”, algo cujo diferencial salarial também será reivindicado pelos trabalhadores.

“Crewlink é uma empresa fachada da Ryanair”

Questionado por que motivo o processo será movido sempre contra a Ryanair e não contra a Crewlink, o dirigente do SNPVAC detalhou que, “no entender dos advogados do sindicato, a Crewlink é uma empresa fachada da Ryanair”, por se tratar de “uma empresa de trabalho temporário onde o seu único cliente é a Ryanair”, além de não ser “bem trabalho temporário”.

Nós deveríamos trabalhar dois anos para a empresa Crewlink – trabalho temporário – e após esses dois anos seríamos Ryanair. Se um trabalhador está há 10 anos na empresa, se quiser reclamar créditos laborais, os primeiros dois anos serão à empresa Crewlink, os oito anos seguintes já serão à empresa Ryanair”, referiu Diogo Dias.

A Lusa questionou ainda o sindicalista acerca do não pagamento dos salários de março deste ano, e o dirigente do SNPVAC referiu que esse montante “vai entrar como crédito laboral” no segundo processo judicial.

A Crewlink, empresa de tripulantes de voo cujo único cliente é a Ryanair, aderiu ao regime de ‘lay-off’ simplificado em abril, mas ainda não pagou os salários de março, segundo documentação a que a Lusa teve acesso.

“O que a empresa fez com a pandemia foi um aproveitamento brutal para não só legalizar os contratos daqui para a frente, como para fazer cortes salariais brutais”, disse à Lusa o dirigente, falando em cortes de quase 50% para os trabalhadores da Crewlink.

O sindicalista disse que perante a probabilidade de perder processos, a Ryanair tem estado a “chegar a acordo com os trabalhadores para não ter uma sentença final” contra si, usando depois o argumento de que “nunca perdeu uma ação”, porque “chega sempre a acordo com o trabalhador e paga sempre acima do que o trabalhador está a pedir”.

“Isto é uma prática recorrente, sempre foi assim. Já aconteceu no ano passado com os despedimentos na base de Faro, foi um despedimento coletivo, também, foi a primeira base onde fecharam os Crewlinks, e ainda não perderam nenhum caso em tribunal porque têm chegado sempre a acordo com os tripulantes”, referiu Diogo Dias.

O sindicalista referiu ainda que “há muitos tripulantes portugueses espalhados pela Europa” com vontade de regressar, a quem a Ryanair está a oferecer o contrato com remuneração base abaixo do salário mínimo, mas que, por estarem “cansados de estar no estrangeiro também a ganhar precariamente”, acabam por voltar nessas condições.

// Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Tite tem os dias contados na canarinha. "Com esta forma de jogar, o Brasil vai ser atropelado"

O ex-internacional brasileiro Romário teceu duras críticas a Tite, sugerindo que o treinador deveria abandonar o comando técnico da seleção 'canarinha'. O antigo jogador do Barcelona disse que, a continuar a jogar assim, o Brasil será …

Para responder às acusações de eleitoralismo, Costa puxou do calendário. "Nada disto é novidade"

Proximidade do anúncio do fim das restrições para conter o avanço da pandemia às eleições autárquicas foi vista pelos partidos da oposição como uma manobra eleitoral para capitalizar os votos nos candidatos do PS. Após o …

Quem vai orientar o Barcelona contra o Benfica?

Nova exibição decepcionante do Barcelona e novo empate no campeonato. Situação de Koeman é realmente frágil. Não dá para mais. A frase de Piqué - "Somos o que somos agora, é o que temos" - está …

A sexualidade dos dinossauros continua um mistério - mas as respostas podem estar nos pássaros

A reprodução dos dinossauros continua um mistério, mas a plumagem ornamental do Confuciusornis, uma espécie parecida com os pássaros, é uma das grandes pistas. Tal como os outros animais, os dinossauros tinham relações sexuais para se …

Bannon e outros três ex-conselheiros de Trump chamados a depor sobre a invasão ao Capitólio

Mark Meadows, Dan Scavino, Kash Patel e Steve Bannon são os ex-conselheiros de Trump que a comité da Câmara dos Representantes quer ouvir. O comité da Câmara dos Representantes que está a investigar a insurreição de …

TAP cobrou 657 milhões de euros de voos ainda por fazer

A TAP tem 657,5 milhões de euros já cobrados em voos que ainda não realizou. A companhia aérea também enfrenta sérios atrasos no call center. Por causa das restrições impostas por alguns países devido à pandemia …

Bem-vindo à última fase do desconfinamento: fim do certificado em restaurantes, máscara em transportes e lares

"Estamos em condições para avançar para a terceira fase de desconfinamento." Foi com esta frase que António Costa deu início à conferência de imprensa após o Conselho de Ministros desta quinta-feira. Portugal vai avançar para a …

A muralha de Game of Thrones na vida real? Vídeo recria glaciar gigante que existiu na Escócia

Dois investigadores juntaram-se para criar uma reconstituição visual de uma enorme muralha de gelo que existiu na Escócia e que parece saída da série de fantasia Game of Thrones. Quase que dá para ver os homens …

Rui Costa, Benfica

Benfica: duas "baixas" para Rui Costa, em poucas horas (a terceira está proxima)

Varandas Fernandes e Eduardo Moniz não vão fazer parte da lista de Rui Costa nas eleições.  Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato às próximas eleições no Benfica. Dois dias depois, foram anunciadas as saídas …

CNE arquivou queixas contra Costa por causa do PRR. Factos não podem merecer "censura, mesmo que verdadeiros"

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) arquivou as queixas que foram apresentadas contra o primeiro-ministro, António Costa, que, como secretário-geral do PS, tem insistido em falar do PRR, a bazuca europeia, na campanha eleitoral. As queixas …