Sim, há aves incendiárias à solta na Austrália

A Austrália é o lar de inúmeras espécies perigosas. Três espécies de aves de rapina, aparentemente inofensivas, acabam de ser acrescentadas à lista.

São verdadeiras aves incendiárias. Um novo estudo, publicado recentemente no Journal of Ethnobiology, detalha o comportamento destas aves que espalham intencionalmente, com as garras e o bico, galhos em chama por áreas em que os fogos florestais ainda não se alastraram.

Segundo Bob Gosford, ornitologista do Central Land Council e coautor do estudo, as aves são o Milhafre-preto (Milvus migrans), o milhafre-assobio (Haliastur sphenurus) e o falcão castanho (Falco berigora).

O objetivo é aumentar deliberadamente as áreas dos incêndios florestais, de modo a forçar os animais que moram na floresta a fugir das chamas para, assim, conseguirem caçá-los com mais facilidade. Os investigadores pensam até que as aves podem ter aprendido a controlar e a usar o fogo antes dos humanos.

“Não estamos a descobrir nada”, disse à National Geographic o geógrafo Mark Bonta. A crença de que estas aves são capazes de “espalhar chamas” é de longa data, tendo sido inclusivamente celebrada em danças cerimoniais de culturas indígenas por todo o país.

No entanto, quando Gosford publicou o resultado das suas observações iniciais, em 2016, muitos especialistas acharam insólito e chegaram até a duvidar da sua veracidade. Agora, com  20 novos depoimentos, o ornitologista conseguiu finalmente convencer os cientistas que chegaram a colocar em causa as suas observações.

Segundo a BBC, estas aves recorrem a esta técnica quando o incêndio atingiu o seu limite de expansão ou quando o incêndio ameaça apagar-se. Nesse momento, as “aves incendiárias” começam a espalhar galhos em chamas, para que o fogo continue e possam, assim, afugentar os animais da floresta.

Não se sabe o quão comum é este comportamento nestas aves nem tampouco se esta técnica é exclusiva destas espécies. Os cientistas não pensam ficar por aqui e estão a planear a realização de mais experiências em condições controladas.

Alex Kacelnik, especialista da Universidade de Oxford, no Reino Unido, afirma ser possível que as aves de rapina tenham aprendido a controlar incêndios muito antes do que os humanos.

A evidência mais antiga do uso do fogo por humanos é de há 400 mil anos. No entanto, quando aprendemos a usar o fogo, as aves de rapina já cá estavam, há milhões de anos.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

RESPONDER

TAP atrasa inquérito às mortes na praia de São João da Caparica

A Polícia Judiciária enviou dois ofícios à TAP a solicitar informação sobre o antigo piloto, mas a companhia aérea ainda não respondeu a nenhum ofício. Segundo o Correio da Manhã, a investigação às duas mortes devido …

PGR abre inquérito ao Supernanny para averiguar desobediência

Na sequência da exibição do primeiro episódio do programa "Supernanny", a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Loures enviou a 17 de janeiro um oficio à estação de televisão SIC, a solicitar que …

Segurança Social vai pagar creche dos filhos de trabalhadores da Autoeuropa ao sábado

Ao sábado, as creches dos filhos dos trabalhadores da Autoeuropa passarão a ser pagas pela Segurança Social, num compromisso assumido pelo Governo. O novo horário de trabalho arranca já no final do mês. A Segurança Social …

Animal de três sexos desafia a genética de uma forma nunca antes vista

Cientistas da Faculdade de Wililam e Mary, nos EUA estão a estudar um animal muito curioso – o verme Auanema rhodensis que, além de possuir três sexos, desafia a genética de outras formas ainda mais …

Geólogos encontraram um pedaço da América do Norte colado à Austrália

Geólogos australianos encontraram provas que demonstram que uma parte da Austrália já esteve ligada à América do Norte há 1,7 mil milhões de anos, antes de o super-continente Nuna se desfazer. Estes dados surpreendentes foram apurados …

Identificada proteína que mantém "adormecidas" metástases do cancro da mama

Cientistas identificaram uma proteína que mantém "adormecidas" as células metastizadas do cancro da mama, uma descoberta que permitirá no futuro identificar mais cedo doentes com risco de sofrerem recaídas. A proteína MSK1 funciona como um regulador …

Através do movimento de Mercúrio, a NASA vai estudar o Sol

As órbitas dos planetas no nosso Sistema Solar estão a alargar. Isto acontece porque o aperto gravitacional do Sol vai gradualmente enfraquecendo à medida que envelhece e perde massa. Agora, uma equipa de cientistas da NASA …

Descoberto o mais antigo "oásis de oxigénio" da Terra

Geoquímicos descobriram indícios que apontam que a produção de oxigénio na Terra começou há 2,97 mil milhões de anos na Bacia de Pongola, na África do Sul. Há milhares de anos, existiam apenas vestígios de oxigénio …

Foram finalmente decifrados os misteriosos Manuscritos do Mar Morto

Uma das últimas partes dos chamados Manuscritos do Mar Morto, que ainda permanecia por traduzir, foi finalmente decifrada por investigadores da Universidade de Haifa, em Israel. Eshbal Ratson e Jonathan Ben-Dov, do Departamento de Estudos Bíblicos …

Revelada finalmente a identidade do homem que trabalhou 18 meses em 15 anos

Foi revelada a identidade do auxiliar médico que, entre baixas e férias, só trabalhou 18 meses em 15 anos. Chama-se Juan Carlos, tem 60 anos e fez culturismo. Na semana passada, a imprensa espanhola contou a …