Criadores de tecnologias e apps de Silicon Valley afastam os filhos de tablets e telemóveis

Os criadores de tecnologias e apps que dominam o nosso dia-a-dia parecem determinados em manter os seus filhos longe dos ecrãs de telemóveis e tablets. Mas porque é que isto está a acontecer?

Entre a geração de empreendedores de Silicon Valley que criaram as maiores empresas de tecnologia do mundo, muitos estão a tornar-se pais. E alguns deles estão a restringir o acesso dos filhos a ferramentas de que muitos de nós abusamos.

O criador da Apple, Steve Jobs, admitiu em 2011 que ele e a esposa, Laurene Powell, limitavam o acesso dos filhos à tecnologia dentro de casa.

Também o fundador da Microsoft, Bill Gates, é conhecido por restringir o tempo em frente aos ecrãs e por banir telemóveis à mesa de jantar.

E Mark Zuckerberg, o CEO do Facebook, escreveu uma carta à filha recém-nascida, em 2017, a pedir que “saísse de casa e brincasse”.

Mas porque é que estes pais que lideram o mundo da tecnologia estão a afastar os filhos de algumas das ferramentas que asseguram o sucesso da sua actividade profissional?

Por uma infância sem tecnologia

Pierre Lauren é um executivo do sector da tecnologia em Silicon Valley e director de uma escola Waldorf na região – trata-se de uma escola privada, muito popular na zona, que evita o uso de tecnologia até que os alunos atinjam os 10 anos.

Laurent, cujos três filhos frequentam a escola, conta à BBC que três em cada quatro pais com filhos na Waldorf trabalham com tecnologia. A escola recomenda que se preste atenção aos efeitos nocivos da tecnologia no processo de aprendizagem das crianças.

“Quando se é criança, não se pode aprender a partir de um pequeno pedaço de vidro”, é preciso “estimular os seus sentidos” e “alimentar o cérebro com tudo”, afirma Laurent.

Foi esta aparente contradição em Silicon Valley que colocou a escola nos holofotes. Isto porque, justamente no principal centro nervoso do sector da tecnologia no mundo, há uma escola que defende o que chama de “educação holística para o coração e a mente“.

O currículo escolar da Waldorf é focado em “habilidades do Século XXI”, como a confiança e a auto-disciplina, o pensamento independente, o trabalho em equipa e a expressão artística.

“Estas capacidades humanas não se desenvolvem em frente a um ecrã”, explica Laurent, salientando que para as aprender é preciso estar empenhado em “fazer” e em “construir coisas” por si próprio.

Tecnologia na sala de aula

Apesar dessa mensagem ter cada vez mais espaço na nova geração de pais de Silicon Valley, muitos outros acreditam que a tecnologia é, sim, necessária para o século XXI – tanto para a aprendizagem dentro da sala de aula quanto para uma pessoa se tornar bem-sucedida no mercado.

Merve Lapus é director sénior da Common Sense Media, uma organização que aconselha famílias sobre tecnologia e entretenimento digital. Ele passou quase uma década a analisar e a dar conselhos a pais sobre os potenciais benefícios e riscos do uso da tecnologia na sala de aula.

“Sim, a tecnologia pode tornar-se uma distracção, então o que podemos fazer contra isso? Porque há muita oportunidade (para as crianças usarem tecnologia), mas também (há o facto de que precisamos) de prepará-las para o mundo real, que vai exigir o uso de muitas dessas ferramentas”, constata Lapus na BBC.

Ponto de equilíbrio

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou, recentemente, novas recomendações diminuindo o tempo indicado para as crianças passarem em frente as ecrãs.

Crianças até 2 anos não devem ser deixadas passivamente em frente à televisão ou a outros ecrãs, recomenda a OMS. Já o limite para crianças entre 2 e 4 anos é uma hora por dia ou menos.

Mas Lapus pondera que não se deve julgar o tempo passado em frente a ecrãs da mesma forma. E cita os próprios desafios que enfrenta para criar os seus dois filhos, de 6 e 8 anos.

“Eles não deveriam ficar em frente a ecrãs tão cedo”, admite. “Mas a realidade é que eu tenho de cozinhar o jantar. E a Vila Sésamo era uma óptima forma de ficarem concentrados. Eu podia colocar a comida na mesa. E eles podiam assistir à Vila Sésamo. E, como pai, eu assumia a tarefa de perguntar o que tinham aprendido (no que tinham visto)”, relata Lapus.

Enquanto o tempo que as crianças passam em frente  a ecrãs continua a ser um assunto em aberto, Laurent acredita que limitar o uso de tecnologia não significa restringir o acesso por completo. “Não quer dizer que precisamos afastar (a tecnologia) totalmente e dizer que nunca vamos usar um computador nas nossas vidas”, nota.

“Significa entender quando é uma boa ideia (usar a tecnologia) e qual é a idade em que a criança tem capacidade de lidar com isso”, explica Lapus.

ZAP ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Taiwan vende vacinas da AstraZeneca a 17 euros para evitar que expirem

Com lotes da vacina da AstraZeneca em risco de expirarem, devido a resistência à sua toma entre grupos prioritários, Taiwan começou esta segunda-feira a administrá-las a qualquer pessoa, por 17 euros. Horas depois de o sistema …

Mourinho: "Não preciso de fazer uma pausa, estou sempre no futebol"

O treinador português disse, esta segunda-feira, que "não necessita de fazer uma pausa", após deixar o comando técnico do Tottenham, e frisou estar "sempre no futebol". Embora não se tenha alongado muito, José Mourinho falou pela …

Regime sírio acusado de crimes contra a humanidade na Suécia

Quatro organizações não-governamentais apresentaram uma queixa junto da polícia da Suécia contra altos responsáveis do regime sírio por crimes contra a humanidade pelos ataques com armas químicas na Síria, em 2013 e 2017. A queixa foi …

Portugal, Lituânia e Malta são os únicos países da UE sem 5G

Portugal, Lituânia e Malta são os únicos países na União Europeia (UE) que ainda não têm qualquer oferta comercial de 5G, revelou o último relatório trimestral do Observatório Europeu do 5G, um organismo da Comissão …

Jair Bolsonaro diz que quem votar em Lula da Silva "merece sofrer"

No mês passado, o Supremo Tribunal Federal decidiu que Lula da Silva pode voltar a candidatar-se à presidência do Brasil e Jair Bolsonaro, o atual presidente do país, considera que quem votar em Lula "merece …

Covid-19. Plano Nacional inclui testes em centros comerciais ou empresas

O Plano Nacional para a Testagem Massiva prevê a realização generalizada de testes para deteção precoce do coronavírus, passando a estar disponível em centros comerciais, estações de transportes públicos ou empresas, e podendo pode ser …

Seul vai aceitar descarga de água radioativa de Fukushima (se o Japão cumprir certas condições)

A Coreia do Sul aceitará, caso sejam cumpridas algumas condições, o plano do Governo japonês para despejar gradualmente no mar águas tratadas, mas ainda radioativas, da central nuclear destruída de Fukushima, segundo o Governo sul-coreano. O …

CDS vai apresentar projeto sobre enriquecimento ilícito. PSD só apoia medida que seja "eficaz e constitucional"

O CDS-PP vai apresentar no Parlamento um projeto sobre o enriquecimento ilícito, anunciou o presidente do partido esta terça-feira, antecipando que a iniciativa se debruçará sobre o poder político, o poder judicial e o funcionamento …

Deputada Cristina Rodrigues propõe campanha contra pirataria de jornais

A deputada não inscrita Cristina Rodrigues recomendou, esta segunda-feira, ao Governo a divulgação de uma campanha nacional que promova o combate à pirataria de jornais e revistas e que aumente a fiscalização relativa ao crime …

Fuga a notificações judiciais deixa 15 mil pessoas à margem da lei

A Direção-Geral da Administração da Justiça (DGAJ) divulgou uma lista com 15.178 nomes de cidadãos e gerentes de empresas procurados por não prestarem contas dos crimes cometidos. Dessa lista, 7900 são homens, 1401 mulheres, 5665 pessoas …