Setores pedem mais tempo para aplicar medidas, mas Governo faz ouvidos moucos

Patrícia de Melo Moreira / AFP

Vários setores da economia criticam o facto de o Governo dar pouco tempo para aplicar as medidas de combate à pandemia de covid-19. O diálogo com o Executivo existe, mas “é sempre mais parecido com um monólogo”.

O que normalmente acontece é que o Governo decide as novas medidas em Conselho de Ministros e anuncia-as no mesmo dia, sendo que entram em vigor nos dias seguintes. Porém, vários setores da economia pedem mais tempo para aplicar as medidas do Governo, pedindo, no mínimo, entre uma a duas semanas.

Desde farmácias, restauração, hotelaria, cultura e serviços, a opinião é unânime: os profissionais não têm tempo suficiente para fazer as alterações necessárias no terreno.

Apesar do apelo de vários setores da economia, o Governo, em declarações ao Expresso, recusa para já alterar o seu calendário.

O Ministério da Presidência explica que a entrada em vigor das medidas no dia imediatamente seguinte ao da publicação dos decretos permite “por um lado, facilitar as situações em que existe um alívio das regras e, por outro, implementar com a máxima rapidez possível as medidas de controlo da pandemia”.

Um dos exemplos mais gritantes é o da obrigatoriedade de apresentar certificado digital ou teste negativo à covid-19 para entrar em restaurantes aos fins de semana. A medida foi anunciada na quinta-feira e posta em prática logo no sábado.

No caso da comparticipação a 100% dos testes antigénio em algumas farmácias por todo o país, a portaria foi publicada a 30 de junho e vigora desde 1 de julho.

Desde cedo houve problemas, com farmácias aderentes a não conseguirem fazer a faturação nem disponibilizar o teste de forma gratuita devido a um problema informático do Ministério da Saúde.

“Era impossível de um dia para o outro termos os sistemas informáticos preparados. Só na quinta-feira [15 de julho] é que todas as farmácias estavam em condições de oferecer o serviço”, explica a presidente da Associação Nacional de Farmácias, Manuela Pacheco, ao Expresso.

Além disso, Manuel Pacheco alerta que “há muitas farmácias que não têm instalações com espaço suficiente para realizar testes”, sendo que já pediram para poder realizar os testes na rua, em frente aos estabelecimentos. No entanto, para já, não estão a fazê-lo, embora seja uma solução “totalmente segura”.

Desde a restauração à hotelaria, as queixas alastram-se a outros setores, que entendem que o tempo mínimo de pôr as medidas em ação deveria ser de uma semana.

“O diálogo com o Governo até existe mas é sempre mais parecido com um monólogo. Nós damos ideias, eles pedem propostas, mas depois a decisão é sempre irreversível”, diz Daniel Serra, presidente da Associação Nacional de Restaurantes.

Por sua vez, a cultura continua à espera da “sua quinta-feira”, daquela em que o Governo anuncie que já se podem realizar espetáculos de grandes dimensões e sem lugares marcados.

Daniel Costa, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Afinal, declaração de pertença à maçonaria ou Opus Dei não será obrigatória

A obrigatoriedade de os políticos e altos cargos públicos declararem a sua pertença e funções em associações como as desportivas, políticas e de carácter secreto foi aprovada no Parlamento este mês. Jorge Lacão esclareceu que a …

Futebol: Alemanha já está fora dos Jogos Olímpicos

Alemães chegaram à final em 2016 mas, desta vez, nem passaram da fase de grupos. Campeão Brasil continua no torneio masculino. Brasil e Alemanha foram as seleções finalistas da edição anterior dos Jogos Olímpicos, em 2016. …

Portugal perto de surpresa no andebol e Ana Catarina Monteiro faz história na natação

No andebol, a equipa olímpica portuguesa esteve muito perto de surpreender a vice-campeã mundial Suécia. Na natação, Ana Catarina Monteiro teve um resultado histórico. A seleção portuguesa de andebol perdeu por 29-28 frente à vice-campeã mundial …

Portugal nunca teve tantos migrantes a obter nacionalidade portuguesa. Maioria são do Brasil e Israel

Em 2020, mais de 149 mil migrantes passaram a ter o cartão cidadão nacional. Só este ano já há registo de 56 mil. O aumento do número de pessoas a pedir nacionalidade portuguesa deve-se à …

Patrões, UGT e Governo assinam acordo de Concertação, num "sinal de desagravamento" das tensões

Esta quarta-feira, será assinado o acordo de formação profissional, denominado Um Desígnio Estratégico para as Pessoas, para as Empresas e para o País, alcançado na concertação social. Carlos Silva, secretário geral da UGT, encara a assinatura …

Navio e cemitério egípcios encontrados em cidade submersa há mais de 1.000 anos

Um equipa de arqueólogos descobriu os destroços de um antigo navio egípcio que naufragou após ser atingido por blocos gigantes do famoso templo de Amon. Também foi encontrado um cemitério. O naufrágio ocorreu há cerca de …

Ferro espera que jovens resistentes à vacinação mudem de atitude

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, elogiou o processo de vacinação e disse esperar que os mais jovens mudem de atitude. Carla Nunes, da Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova …

Governo cria 500 vagas no ensino superior para alunos desfavorecidos

O Governo vai criar 500 vagas no ensino superior e em cursos técnicos superiores profissionais, no ano letivo de 2022-23, destinados a alunos provenientes de zonas desfavorecidas. De acordo com o Público, a medida faz parte …

Consumir alimentos com ómega-3 pode aumentar a esperança de vida em cinco anos

Um novo estudo indica que ter altos níveis de ómega-3 no sangue pode aumentar a esperança de vida de um indivíduo em cinco anos. De acordo com o novo estudo, publicado The American Journal of Clinical …

Bebiana Cunha é a candidata do PAN à Câmara do Porto

Bebiana Cunha, líder parlamentar do Pessoas-Animais-Natureza (PAN), é a candidata do partido à presidência da Câmara Municipal do Porto. A líder parlamentar do Pessoas-Animais-Natureza(PAN), Bebiana Cunha, de 35 anos, é a candidata do partido à presidência …