Serviços mínimos não põem em causa direito à greve, defendem juristas

Carlos Barroso / Lusa

Os serviços mínimos decretados pelo Governo para a greve dos motoristas foram contestados por sindicatos, mas juristas sublinham a ausência de critério objetivo na lei para esta definição e consideram que não põem em causa o direito à greve.

Lembrando que é sempre “na base de uma ponderação que são definidos os serviços mínimos”, Pedro Romano Martinez, da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, um dos juristas ouvidos pela Lusa, refere que “o impacto muito significativo” que uma greve como esta pode ter no país “terá pesado nesta definição dos serviços mínimos”.

Na quarta-feira o Governo anunciou ter decretado serviços mínimos entre 50% e 100% para a greve dos motoristas de mercadorias, prevista arrancar na segunda-feira por tempo indeterminado.

A lei estipula que se devem fixar serviços mínimos em empresa ou estabelecimento que se destine à satisfação de necessidades sociais impreteríveis, elencando apenas alguns dos setores em que tal se verifica, e determina que “a definição dos serviços mínimos deve respeitar os princípios da necessidade, da adequação e da proporcionalidade”, mas sem fixar intervalos de valores para que tal se verifique.

Sublinhando que esta não é uma greve “facilmente comparável com outras” porque “pode causar danos mais gravosos do que outras” na medida em que se trata de um setor que “pode afetar todos os outros”, Luís Gonçalves Silva, da Abreu Advogados, salienta que “a definição de serviços mínimos pressupõe o acesso a uma grande parte de informação que a maior parte de nós não tem”.

“A definição de serviços mínimos está sujeita a alguns princípios e dependerá da avaliação que for feita por quem os determina” precisa, por seu lado, Joao Dotti de Carvalho, da área laboral da Telles, acrescentando que “a dificuldade estará em definir o grau de dispensabilidade mínimo”, sendo este um aspeto que os sindicatos podem sempre questionar.

Os valores (entre 50% e 100%) foram considerados excessivos pelos dois sindicatos que emitiram pré-aviso de greve (o Sindicato Nacional de Mercadorias de Matérias Perigosas (SNMMP) e o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) e levaram já hoje o SNMMP a avançar com uma providência cautelar para os travar e o SIMM a dizer que vai entregar ainda hoje.

Os serviços mínimos foram também recebidos com críticas pela Fectrans, CGTP e PCP que consideram que põem em causa o direito à greve.

Os juristas ouvidos pela Lusa contestam, todavia, esta visão, com Luís Gonçalves Silva a precisar que os serviços mínimos a 100% foram decretados em áreas em que “a compressão dos direitos em causa podem causar danos muito gravosos”.

Para o mesmo jurista “o direito à greve deve e tem de ser respeitado”, mas “não deve ser endeusado, tem de conviver com outros direitos, como o direito à vida”.

Sem querer pronunciar-se sobre esta questão em concreto, João Dotti de Carvalho, refere que o direito à greve “é um direito fundamental”, mas não “um direito absoluto” e lembra que os sindicatos têm forma de reagir a este decreto dos serviços mínimos, através das vias judiciais.

Pedro Romano Martinez afirma, por seu lado, que o direito à greve pode ser sempre exercido porque, mesmo que os serviços mínimos contemplem as horas de trabalho necessárias à realização dos serviços nas mesmas condições em que devem ser assegurados em dias úteis, de feriado e/ou descanso semanal, em período homólogo, isso não significa que todos os trabalhadores tenham de estar a trabalhar.

Porém admite que “a força reivindicativa” fica “claramente diminuída” na medida em que a relevância da greve é o impacto que pode ter na perturbação dos serviços e que estes serviços mínimos reduzem esse impacto.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Não querendo entrar na discussão da legitimidade da greve, ou na sua justiça, a solução é muito simples.
    São trabalhadores por conta de um empregador, com o qual não estão satisfeitos com o salário auferido e não vêm possibilidade de serem aumentados, certo? Então, despeçam-se em bloco, criem uma empresa, ou iniciem actividade por conta própria. Comprem um camião ou um semi-reboque, paguem a própria segurança social, todas as contribuições devidas, IVA, e outras. Livrem-se de vez dos patrões, trabalhem as horas que quiserem, pois seriam donos do próprio tempo, e cobrem o valor que entenderem pelos serviços de transporte prestados. Acabavam-se as discussões, não havia mais desentendimentos, e seriam tão felizes. Nós também…

RESPONDER

Ano vai ser "inevitavelmente" de contestação social, avisa CGTP

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, disse esta sexta-feira que este ano vai ser “inevitavelmente” de contestação social se o Governo e as empresas continuarem a insistir num modelo de baixos salários. O líder da intersindical …

Maior ameaça ao crescimento português vem de Espanha

Diz o ditado popular que de Espanha nem bom vento, nem bom casamento. Mas, na verdade, o crescimento económico do país vizinho tem contribuído para puxar pela economia portuguesa. Agora, quando se prevê um abrandamento …

Cabo Verde esteve sem Internet durante 24 horas

O arquipélago de Cabo Verde voltou a ter acesso à Internet na tarde desta sexta-feira, cerca de 24 horas depois de uma instabilidade provocada por falhas no fornecedor internacional do serviço. O país tinha ficado sem …

Ventura em operação de charme no Porto depois de um atraso muito criticado no Parlamento

O deputado André Ventura, eleito pelo Chega, tem agendada para este sábado uma verdadeira operação de charme no Porto, com encontros com o presidente da Associação Comercial do Porto e com apoiantes do partido. Iniciativas …

Assistente social acusada de maltratar 14 crianças em centro de acolhimento

O Ministério Público (MP) acusa uma mulher de 46 anos, que era assistente social e diretora técnica de um centro de acolhimento na Maia, no distrito do Porto, de maltratar 14 crianças nesta instituição. De …

Marcelo não vê razão de preocupação com empresas portuguesas de Isabel dos Santos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta sexta-feira ter sinais de que não há razão para preocupação nos setores económicos e empresas portuguesas nas quais a Isabel dos Santos está a vender …

Mina de lítio em Montalegre. "Impactes negativos minimizáveis” e 370 empregos

O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) da concessão de exploração de lítio, em Montalegre, conclui que o projeto possui “impactes negativos” que, no entanto, “não são significativos”, “são minimizáveis” e de “abrangência local”. O EIA do …

Cristas faz o mea culpa e abandona o congresso. Corrida à sucessão faz-se a cinco

O 28.º congresso nacional do CDS arrancou este no Parque de Feiras e Exposições de Aveiro com o discurso da líder demissionária Assunção Cristas, que fez uma espécie de mea culpa e agradeceu aos centristas …

Sérgio Conceição sai do FC Porto no fim da época

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, deixará o comando dos dragões no final da temporada. A derrota em casa com o Braga terá ditado a saída do técnico azul e branco. O técnico do FC …

Joacine quer mais direitos para deputados sem partido. "Está a antecipar" o futuro

A deputada Joacine Katar Moreira, do partido Livre, defendeu esta sexta-feira o alargamento dos direitos regimentais dos deputados não inscritos em partidos. A deputada única do Livre assumiu esta posição no final de uma reunião do …