Serviços mínimos não põem em causa direito à greve, defendem juristas

Carlos Barroso / Lusa

Os serviços mínimos decretados pelo Governo para a greve dos motoristas foram contestados por sindicatos, mas juristas sublinham a ausência de critério objetivo na lei para esta definição e consideram que não põem em causa o direito à greve.

Lembrando que é sempre “na base de uma ponderação que são definidos os serviços mínimos”, Pedro Romano Martinez, da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, um dos juristas ouvidos pela Lusa, refere que “o impacto muito significativo” que uma greve como esta pode ter no país “terá pesado nesta definição dos serviços mínimos”.

Na quarta-feira o Governo anunciou ter decretado serviços mínimos entre 50% e 100% para a greve dos motoristas de mercadorias, prevista arrancar na segunda-feira por tempo indeterminado.

A lei estipula que se devem fixar serviços mínimos em empresa ou estabelecimento que se destine à satisfação de necessidades sociais impreteríveis, elencando apenas alguns dos setores em que tal se verifica, e determina que “a definição dos serviços mínimos deve respeitar os princípios da necessidade, da adequação e da proporcionalidade”, mas sem fixar intervalos de valores para que tal se verifique.

Sublinhando que esta não é uma greve “facilmente comparável com outras” porque “pode causar danos mais gravosos do que outras” na medida em que se trata de um setor que “pode afetar todos os outros”, Luís Gonçalves Silva, da Abreu Advogados, salienta que “a definição de serviços mínimos pressupõe o acesso a uma grande parte de informação que a maior parte de nós não tem”.

“A definição de serviços mínimos está sujeita a alguns princípios e dependerá da avaliação que for feita por quem os determina” precisa, por seu lado, Joao Dotti de Carvalho, da área laboral da Telles, acrescentando que “a dificuldade estará em definir o grau de dispensabilidade mínimo”, sendo este um aspeto que os sindicatos podem sempre questionar.

Os valores (entre 50% e 100%) foram considerados excessivos pelos dois sindicatos que emitiram pré-aviso de greve (o Sindicato Nacional de Mercadorias de Matérias Perigosas (SNMMP) e o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) e levaram já hoje o SNMMP a avançar com uma providência cautelar para os travar e o SIMM a dizer que vai entregar ainda hoje.

Os serviços mínimos foram também recebidos com críticas pela Fectrans, CGTP e PCP que consideram que põem em causa o direito à greve.

Os juristas ouvidos pela Lusa contestam, todavia, esta visão, com Luís Gonçalves Silva a precisar que os serviços mínimos a 100% foram decretados em áreas em que “a compressão dos direitos em causa podem causar danos muito gravosos”.

Para o mesmo jurista “o direito à greve deve e tem de ser respeitado”, mas “não deve ser endeusado, tem de conviver com outros direitos, como o direito à vida”.

Sem querer pronunciar-se sobre esta questão em concreto, João Dotti de Carvalho, refere que o direito à greve “é um direito fundamental”, mas não “um direito absoluto” e lembra que os sindicatos têm forma de reagir a este decreto dos serviços mínimos, através das vias judiciais.

Pedro Romano Martinez afirma, por seu lado, que o direito à greve pode ser sempre exercido porque, mesmo que os serviços mínimos contemplem as horas de trabalho necessárias à realização dos serviços nas mesmas condições em que devem ser assegurados em dias úteis, de feriado e/ou descanso semanal, em período homólogo, isso não significa que todos os trabalhadores tenham de estar a trabalhar.

Porém admite que “a força reivindicativa” fica “claramente diminuída” na medida em que a relevância da greve é o impacto que pode ter na perturbação dos serviços e que estes serviços mínimos reduzem esse impacto.

// Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Não querendo entrar na discussão da legitimidade da greve, ou na sua justiça, a solução é muito simples.
    São trabalhadores por conta de um empregador, com o qual não estão satisfeitos com o salário auferido e não vêm possibilidade de serem aumentados, certo? Então, despeçam-se em bloco, criem uma empresa, ou iniciem actividade por conta própria. Comprem um camião ou um semi-reboque, paguem a própria segurança social, todas as contribuições devidas, IVA, e outras. Livrem-se de vez dos patrões, trabalhem as horas que quiserem, pois seriam donos do próprio tempo, e cobrem o valor que entenderem pelos serviços de transporte prestados. Acabavam-se as discussões, não havia mais desentendimentos, e seriam tão felizes. Nós também…

RESPONDER

Violência policial é uma das principais causas de morte de jovens negros nos EUA

A violência policial é uma das principais causas de morte entre jovens nos Estados Unidos, com os negros a terem 2,5 vezes mais hipóteses de serem mortos do que os homens brancos. O estudo, publicado este …

A Volocopter apresenta o seu táxi voador mais potente (e já andou no ar)

https://vimeo.com/355573555 Desde 2013 a Volocopter tem vindo a aprimorar o seu projeto de táxi voador. Desta vez, o design é mais redondo, mais simples e mais potente. O Volocopter é uma aeronave 100% elétrica que os criadores …

Israel desenvolve terapia à base de ecstasy para tratar stress pós-traumático

O Ministério da Saúde israelita desenvolveu uma terapia à base de MDMA - o componente ativo da metanfetamina popularmente conhecida como 'ecstasy' - para tratar pessoas que sofrem de stress pós-traumático resistente. Num entrevista sobre a …

Quaresma de saída do Besiktas. "Presidente não me quer na equipa"

Revelação feita pelo jogador, no Instagram: "Acabei de ser informado pelo presidente do clube que ele não quer que eu continue a jogar na equipa. Estou a tentar encontrar solução para o meu futuro". O internacional …

O Dr. House português diz que 90% dos médicos só fazem "fantochadas"

É conhecido como o Dr. House português, numa referência à série televisiva norte-americana, pela forma como faz diagnósticos certeiros. E Vítor Brotas que trabalha no Hospital dos Capuchos, em Lisboa, admite que é "um médico …

Homem morre após ataque de vespas asiáticas. É a segunda morte por picadas de insecto em 2 dias

Um homem de 79 anos de idade morreu nesta sexta-feira em Oliveira do Bairro, Aveiro, após ter sido atacado por vespas asiáticas. Dois dias antes, outro homem de 50 anos faleceu na região da Beira …

Polícia antimotim dispersa manifestantes em Hong Kong com gás lacrimogéneo

A polícia antimotim de Hong Kong carregou hoje com gás lacrimogéneo sobre manifestantes que tinham erigido uma barricada no bairro de Kwun Tong, no Este da antiga colónia britânica. Embora os protestos tenham decorrido de forma …

Eleições. CDU vai manter campanha clássica, mas dispensa o "lombo assado"

O chefe do maior partido da Coligação Democrática Unitária (CDU), que junta comunistas e ecologistas, assumiu enfado com carne assada nas jornadas e ações de esclarecimento pelo país, mas garante uma campanha eleitoral nos cânones …

Bloco quer mais funcionários públicos e quotas por raça nas universidades

O BE afirma, no programa eleitoral disponibilizado hoje na íntegra, que "é o partido que quer e pode impedir uma maioria absoluta", um resultado nas eleições legislativas que faria Portugal "voltar ao passado da arrogância …

Balas com defeito que encravam armas. PSP confirma, mas diz que não é um problema

A Polícia de Segurança Pública (PSP) confirma que estão a ser utilizadas algumas balas com defeito que até encravam as armas, nos treinos dos candidatos a agentes na Escola Prática de Polícia. Mas garante que …