Serviço gratuito ajuda pessoas com deficiência a encontrar emprego

(dr) OED

Carlos Santos, Conselheiro Comercial de Análise de Crédito na COFIDIS

Carlos Santos, Conselheiro Comercial de Análise de Crédito na COFIDIS

Ser portador de deficiência ainda é um obstáculo para quem procura emprego, mas Paulo e Catarina conseguiram ultrapassá-lo com a ajuda da Operação de Emprego para Pessoas com Deficiência – OED, que, em 26 anos, conseguiu 1.037 integrações profissionais.

Sediada no bairro de Campo de Ourique, em Lisboa, a OED é um serviço gratuito destinado a pessoas com deficiência, inscritas nos centros de emprego da cidade, apoiando a sua integração no mercado de trabalho.

Paulo Gomes, 33 anos, é uma das 2.157 pessoas que a OED já apoiou e que, segundo o jovem surdo, foi uma ajuda fundamental para conseguir o emprego que tem hoje, operador de arquivo na TB Files.

“Fui a algumas empresas, enviei currículos, mas assim que as pessoas viam que era surdo punham logo o currículo de parte”, conta o jovem à agência Lusa.

Quando já estava a ficar desalentado, um amigo falou-lhe da OED e decidiu inscrever-se neste serviço, resultante de um protocolo entre a Câmara de Lisboa, o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) e a Fundação LIGA.

Na procura de emprego, Paulo, que tem o 12.º ano, contou com o apoio de Isabel Livério, técnica da OED, que fez a ponte entre o candidato e a empresa.

“A empresa achou bastante interessante este desafio e fez-nos uma oferta de emprego”, conta Isabel Livério.

Ao fim de um ano de estágio, o jovem foi contratado por mais um ano, o que o deixou “muito satisfeito”.

“Até agora, as coisas têm corrido bem, faço tudo e não tenho qualquer tipo de limitação”, conta.

Susana Silva, Operadora de Registo de Dados na Blanes

Susana Silva, Operadora de Registo de Dados na Blanes

Para o responsável da área logística da TB Files, Paulo Carvalho, a contratação de Paulo foi “uma mais-valia para a empresa”, onde está “completamente integrado”.

“Tem uma atenção e uma responsabilidade de trabalho bastante elevada” e “não tem qualquer limitação, desde conduzir o empilhador, até carregar caixas, identificar processos e retificar erros, ao nível de uma pessoa sem limitações”, salienta Paulo Carvalho.

Licenciada em Publicidade e Marketing, Catarina Gouveia, 27 anos, também sentiu dificuldades na procura de emprego.

“Tinha acabado o meu curso há pouco tempo e comecei à procura de emprego, mas não estava a ser nada fácil”.

Foi a várias entrevistas, mas a má formação genética nos braços constituía um entrave à sua contratação.

“Já não ia em pé de igualdade e acabou por ser um percurso muito estafante”, conta a jovem, que teve conhecimento da OED por um familiar.

A OED fez a prospeção de emprego, apresentou algumas propostas e Catarina foi às entrevistas, que já eram “um bocadinho diferentes”, porque o empregador já sabia que era uma candidata com algumas limitações.

Foi com este apoio que Catarina chegou à empresa BlastingFM, onde está há um ano. “Tem sido muito positivo”, disse, confessando que ali começou a “ter autonomia e a ganhar confiança”.

Sobre a integração na empresa, diz que foi “muito boa”: “As barreiras foram colmatadas, não olharam para a minha limitação, mas para as minhas potencialidades”.

Ricardo Silva e Sandra Martins, Embaladores na Lusomedicamenta

Ricardo Silva e Sandra Martins, Embaladores na Lusomedicamenta

Para a engenheira e administradora da BlastingFM, Filipa Menezes, o trabalho da Catarina tem sido exemplar.

“O facto de a Catarina ter terminado o estágio e ter continuado connosco só afirma que ela está na empresa por mérito próprio”, afirma Filipa Menezes.

“Ao longo deste ano, o que eu concluo é que as pessoas com deficiência, não têm deficiências” e “são capazes de desempenhar uma função” como qualquer outro, sustenta.

Da experiência que tem na OED, Isabel Livério diz que, apesar de ainda haver “alguma resistência” por parte das empresas em contratar pessoas com deficiência, “as coisas têm melhorado muito”.

“Quando a OED lhes bate à porta e veem que há esta possibilidade de serem apoiadas”, durante todo o processo e após a contratação, as empresas “avançam de uma forma mais fácil”, afirma.

A coordenadora da OED, Sara Pestana, acrescenta que um dos “grandes objetivos” do serviço é sensibilizar “as empresas para o valor do trabalho dessas pessoas”.

“O que interessa é perceber o que a pessoa consegue fazer, o seu perfil, os seus interesses e depois encontrar uma função adequada” às suas competências, explica Sara Pestana.

(dr) OED

Marta Sousa, Operadora de Portagem na Ascendi

Marta Sousa, Operadora de Portagem na Ascendi

A contratação destas pessoas ainda é muitas vezes encarada “como uma responsabilidade social”, mas o que queremos “é que a pessoa com deficiência seja um trabalhador como qualquer outro”, frisou.

Em 26 anos, a OED realizou 89.699 contactos com empregadores, 10.129 ações de acompanhamento da integração e 2.502 entrevistas de emprego.

Dados do IEFP avançados à agência Lusa indicam que, no primeiro semestre do ano, 1.075 pessoas com deficiência estavam incluídas em programas de emprego, 1.968, em formação profissional, e 8.473, em reabilitação profissional.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Morreu Paul Bocuse, o "papa da gastronomia"

Paul Bocuse, impulsor da "nouvelle cuisine" francesa e o cozinheiro mais famoso do seu país, morreu neste sábado aos 91 anos de idade, anunciou a família do chef à imprensa francesa. "Bocuse morreu, a gastronomia está …

Isolamento social faz desenvolver diabetes tipo 2

Um estudo recente descobriu uma intrigante relação entre isolamento social e o desenvolvimento da diabetes tipo 2, sugerindo que ter um pequeno grupo de amigos pode tornar-nos mais propensos ao desenvolvimento da doença. Enquanto a diabetes …

Escutas de Sócrates infectadas com vírus informático

Os advogados dos dois principais arguidos na Operação Marquês, José Sócrates e Ricardo Salgado, denunciam a existência de vírus informáticos nas escutas que lhes foram entregues. Segundo afirmou ao jornal Público o advogado Pedro Delille, os …

Angola prepara-se para fechar 9 embaixadas e 18 consulados, incluindo em Portugal

O Governo angolano está a estudar a possibilidade de encerrar 9 embaixadas e 18 consulados-gerais, nomeadamente em Lisboa, Faro e Macau, além de 10 representações comerciais, incluindo em Portugal, para poupar mais de 66 milhões …

Sondagem: PS aumenta vantagem, Rui Rio não tem hipóteses, Passos sobe

O PS continua a aumentar a sua distância com o PSD nas sondagens, e tem agora uma vantagem de 14,4 pontos percentuais. Entre os líderes políticos, quem mais subiu foi o presidente cessante do PSD, …

Patrocinadora do programa "Supernanny" pondera sair

A marca que patrocina o polémico programa da SIC diz que está a considerar suspender o patrocínio, uma vez que o "tumulto social" causado pelo reality show não é compatível com os seus princípios. De acordo …

PJ faz buscas em esquadra da PSP na Amadora por suspeitas de corrupção

A Polícia Judiciária realizou buscas, esta sexta-feira, na esquadra da Brandoa, na Amadora, por suspeitas de corrupção passiva e ativa e de abuso de poder por parte de alguns agentes da PSP. Segundo o Correio da Manhã, …

"Conta invisível" do GES pagou a 106 pessoas (com Zeinal Bava à cabeça)

Um enorme saco azul do Grupo Espírito Santo pagou de forma explícita durante 8 anos a 106 pessoas e manteve 96 avenças ocultas. À frente da lista de pagamentos, o antigo administrador da PT Zeinal …

Ministério Público desconhece paradeiro dos filhos do ex-embaixador iraquiano

O Ministério Público desconhece o paradeiro dos gémeos iraquianos acusados de tentativa de homicídio de um jovem, tendo a procuradora do processo solicitado à Procuradoria-Geral da Republica para pedir às autoridades do Iraque que notifiquem …

Hugo Vau surfou "bomba" na Nazaré (e pode ter quebrado recorde de McNamara)

O surfista português surfou uma "bomba", na quarta-feira passada, na Praia do Norte, na Nazaré, que se calcula ter 35 metros e que poderá ter quebrado o recorde do norte-americano Garrett McNamara. "Esta sim, foi diferente de …