Estudo genético revela segredos dos mastodontes americanos

Um novo estudo genético analisou fosseis de mastodontes americanos, revelando alguns segredos destas criaturas e percebendo como reagiram às alterações climáticas.

Os mastodontes americanos encontram no elefante o seu espelho daquilo com que se poderiam ter assemelhado há mais de 11 mil anos, antes da sua extinção. Um novo estudo publicado este mês na revista científica Nature Communications mostra como é que estas criaturas reagiram às alterações ambientais.

Os investigadores envolvidos no estudo analisaram a informação genética preservada em 33 mastodontes. Vários museus e universidade colaboraram doando fosseis para o estudo.

Segundo o Gizmodo, os autores descobriram que, quando o nosso planeta aqueceu, criando um corredor de terra entre mantos de gelo, os mastodontes aproveitaram a expansão de árvores e plantas nesses climas. Com a descida das temperaturas, os mastodontes migaram para o sul, alterando a paisagem e possíveis fontes de alimento. Enquanto alguns prosperaram, outros ficaram isolados.

Quando o autor principal do estudo, Emil Karpinski, começou a investigação há seis anos, a variabilidade regional em mastodontes americanos foi praticamente negligenciada antes da descoberta do mastodonte do Pacífico, no ano passado. Este foi um percalço que atrasou significativamente o trabalho dos cientistas.

“Uma das partes mais difíceis quando trabalhamos com ADN antigo é que há muito pouco material do animal real deixado no osso”, explicou Karpinski ao Gizmodo. “Quando lidamos com amostras destes animais, poderíamos estar a falar em alguns locais com menos de 1% do ADN total. Alguns dos melhores materiais que saem da Sibéria, Alasca, Yukon, ocasionalmente você atinge os 60-70%”.

Karpinski e companhia conseguiram retirar 33 genomas mitocondriais de 122 fosseis.

“É o primeiro estudo genético em grande escala sobre navegadores da megafauna na América do Norte. É um grande aumento nos genomas mitocondriais de mastodontes”, acrescentou Karpinski.

Os mastodontes apresentam também uma grande variedade. Essa diversidade reflete-se nos cinco diferentes clados descobertos pela equipa. Por outras palavras, embora atualmente agrupados como mastodontes americanos, esses animais pertencem não a um, mas a cinco grupos genéticos distintos.

Os autores sugerem que descobrir como é que estes animais antigos responderam a alterações climáticas drásticas pode ajudar-nos a entender melhor as possíveis reações de animais ao aquecimento global dos dias de hoje.

Karpinski salienta que este é apenas o primeiro passo para compreender a história evolutiva do mastodonte na América do Norte. “Este padrão de migração não se aplica apenas aos mastodontes. Estes animais não viviam isolados, mas em ecossistemas complexos repletos de outras plantas e animais”, explicou o especialista.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"Adiem a Liga dos Campeões", pede o Borussia Dortmund

Sorteio está marcado para esta quinta-feira mas Michael Zorc avisa: "Faltam requisitos legais para a fase de grupos arrancar". A fase de grupos da Liga dos Campeões vai começar, pela primeira vez, em outubro. A primeira …

Artista "ressuscita" 54 Imperadores Romanos com ajuda da Inteligência Artificial

Artista canadiano usou um ramo da Inteligência Artificial para criar retratos ultra-realistas de antigos Imperadores Romanos como, por exemplo, Calígula, Nero e Adriano. A aparência física destes antigos Imperadores Romanos foi preservada em centenas de esculturas …

Cantar pode ser uma má ideia durante a pandemia

Uma nova pesquisa revelou que cantar em grupo pode ser perigoso em termos de propagação de patógenos. Esta é só mais uma prova de que 2020 chegou para pôr um travão na diversão. A Universidade de …

Emirados Árabes Unidos anunciam missão espacial à Lua para 2024

Um alto responsável dos Emirados Árabes Unidos disse hoje que o país tenciona enviar para a Lua uma nave com um veículo não tripulado em 2024. O desejo de pisar a lua é uma ambição de …

Exército norte-americano quer ter acesso à rede de satélites da SpaceX

O exército dos Estados Unidos está de olho na Starlink, a constelação de satélites da SpaceX, cujo CEO é o multimilionário Elon Musk e que tem como objetivo levar Internet de banda larga a todos …

Portugal tem cada vez menos água disponível

Portugal tem cada vez menos água disponível e nos próximos cem anos a precipitação em certas regiões do país, como o Algarve, pode sofrer uma redução de até 30%, alertou esta terça-feira a Associação Natureza …

Tel Aviv vai ter estradas elétricas que recarregam autocarros em movimento

Tel Aviv, em Israel, está a trabalhar na criação de estradas elétricas sem fios para carregar e fornecer energia aos transportes públicos da cidade. As estradas elétricas são parte de um programa piloto liderado pelo município …

Suicídio entre militares norte-americanos aumenta 20% em época de covid-19

Os suicídios entre os militares subiram 20% este ano em comparação com o mesmo período de 2019, registando-se um aumento nos incidentes de comportamento violento à medida que as tropas lutam contra a covid-19 e …

Turista apanhado a gravar as suas iniciais no Coliseu de Roma. Arrisca ser condenado a prisão

Um turista foi apanhado a gravar as suas iniciais no Coliseu de Roma, em Itália, e arrisca ser punido com um até um ano de prisão. De acordo com o diário italiano La Repubblica, o turista, …

Função Pública. Fesap exige subida de remuneração mínima para 693 euros

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (Fesap) exige que a primeira posição da Tabela Remuneratória Única avance para 693,13 euros em 2021 e uma atualização do subsídio de refeição para seis euros. Estas duas medidas …