No século XXI tivemos 14 dos 15 anos mais quentes da História

Num relatório publicado esta segunda-feira, a World Meteorological Organization (WMO), a agência meteorológica da ONU, trouxe más notícias sobre o futuro do planeta.

Além de confirmar que 2014 foi, de facto, o ano mais quente da História, a WMO informou que desde 2000 já tivemos 14 dos 15 anos mais quentes registados até hoje.

“14 dos 15 anos mais quentes ocorreram este século, e a expectativa é que o aquecimento global continue, devido aos níveis crescentes de emissão de gases de efeito estufa na atmosfera e à crescente temperatura na superfície oceânica, o que nos compromete com um futuro mais quente”, afirma o secretário-geral da WMO, Michel Jarraud.

A temperatura média em 2014 ficou 0,57ºC acima dos 14ºC, que são a média do período que é usado como referência, ou seja, entre 1961 e 1990.

“A tendência geral de aquecimento é mais importante do que a posição de um ano, por si só, no ranking. A análise do conjunto dos dados indica que 2014 foi, nominalmente, o ano mais quente até agora registado, apesar de haver pouca diferença entre os três anos mais quentes”, afirmou Jarraud.

A WMO divulgou a análise das temperaturas globais pouco antes das negociações sobre as mudanças climáticas que devem ocorrer em Genebra entre 8 e 14 de fevereiro.

Oceanos

Cerca de 93% do excesso de energia preso na atmosfera pelos gases de efeito estufa acaba nos oceanos – é por isso que a quantidade de calor dos oceanos é importante para compreender o sistema climático do nosso planeta.

No caso de 2014, as temperaturas da superfície dos oceanos alcançaram níveis recordes em todo o mundo. No entanto, é preciso destacar que as elevadas temperaturas de 2014 ocorreram mesmo sem o fenómeno climático El Niño atingir a sua força total.

Este fato é relevante, já que, regra geral, anos excecionalmente quentes costumam ser associados à influência temporária do fenómeno climático conhecido como El Niño nos sistemas de pressão atmosférica, o que pode afetar os padrões climáticos. Por exemplo, as altas temperaturas de 1998, o ano mais quente antes do século XXI, ocorreram durante um ano em que o El Niño foi forte.

“Em 2014, o calor bateu recordes, combinado com chuvas torrenciais, enchentes em muitos países e seca em outros, e foi consistente com a expectativa de um clima que está a mudar”, disse Jarraud.

A análise da WMO é baseada, entre outros fatores, em três conjuntos de dados complementares mantidos pelo Centro Hadley do Serviço Meteorológico britânico e a Unidade de Pesquisa Climática, Universidade de East Anglia, também no Reino Unido, a Agência Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA), nos EUA, e o Instituto Goddard de Estudos Espaciais (GISS), operado pela NASA.

O relatório final sobre a situação climática de 2014, com todos os pormenores das tendências regionais e eventos extremos pelo mundo, será divulgado em março.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Criança com anemia aplástica grave submetido a transplante inédito em Portugal

Um menino de quatro anos com anemia aplástica grave foi submetido a um transplante com células estaminais de sangue do próprio cordão umbilical, um tratamento inédito em Portugal realizado no Instituto Português de Oncologia (IPO) …

Renováveis baixaram fatura da luz em 2,4 mil milhões na última década

A produção de eletricidade a partir de fontes renováveis permitiu ao sistema elétrico português acumular uma poupança de 2,4 mil milhões de euros ao longo dos últimos 10 anos. Esta é a principal conclusão de um …

Constitucional chumba barrigas de aluguer pela segunda vez

O Tribunal Constitucional chumbou, esta quarta-feira, pela segunda vez, o diploma do Parlamento sobre gestação de substituição, depois de um chumbo no ano passado. O BE apresentou uma proposta em que se previa "que a gestante …

Furacão Humberto ganha força a caminho das Bermudas

O furacão Humberto aumentou de intensidade nas últimas horas e atingiu a categoria 3 a caminho das Bermudas, informou o Centro Nacional de Furacões dos EUA (NHC) nesta quarta-feira. O terceiro furacão da temporada no Atlântico, …

Brasil é o país lusófono com mais refugiados. Já Portugal tem as maiores remessas dos emigrantes

Um relatório das Nações Unidas (ONU) revelou que o Brasil é o país lusófono que acolhe mais refugiados, Portugal é o que recebe mais remessas dos emigrantes e Moçambique teve o maior aumento de estrangeiros …

Ryanair deixa de voar entre Porto e Lisboa em outubro (mas fica com base mais reduzida em Faro)

A transportadora aérea irlandesa Ryanair vai deixar de voar entre Porto e Lisboa a partir de 25 de outubro devido a “razões comerciais”. A confirmação foi dada pela empresa ao Jornal de Notícias. Em abril, a …

Frente-a-frente entre Costa e Rio teve menos 633 mil espectadores do que o debate entre Costa e Passos em 2015

O frente-a-frente entre António Costa e Rui Rio, os líderes dos dois maiores partidos, teve menos audiência do que o confronto de há quatro anos, entre António Costa e Pedro Passos Coelho. Cerca de de …

EDP condenada a multa de 48 milhões por abuso de posição dominante na produção de energia

A Autoridade da Concorrência (AdC) condenou a EDP por abuso de posição dominante. A coima de 48 milhões de euros foi aplicada à EDP Produção por manipular a oferta de serviços de sistema que regula …

Há sete anos que a média de secundário dos colocados no Ensino Superior não era tão alta

Há sete anos que a média de secundário dos colocados no ensino superior não era tão alta. Relativamente aos alunos de cursos científico-humanísticos, a média dos colocados tem vindo a aumentar desde 2015, tendo atingido …

Futebolistas internacionais russos Kokorin e Mamayev saíram da prisão

Pavel Mamayev e Alexander Kokorin foram detidos depois de atacarem dois homens, um responsável do governo, num estacionamento de um hotel, e um outro num café. Deixam a prisão por "bom comportamento". Os futebolistas internacionais russos …