Sarkozy admite recorrer ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos

UMP / Flickr

Nicolas Sarkozy, ex-Presidente francês, líder da UMP

O ex-Presidente francês admite recorrer ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos contra a sua condenação a três anos de detenção, um em prisão efetiva, por corrupção e tráfico de influência.

Numa entrevista ao jornal Le Figaro, publicada esta terça-feira, Nicolas Sarkozy criticou a “profunda e chocante injustiça do processo iniciado” contra si na justiça francesa há dez anos, mantendo “a determinação para que triunfe o Direito e a Justiça, como deve ser num Estado de Direito”.

“Não posso aceitar de facto ter sido condenado pelo que não fiz”, afirmou o ex-Presidente, denunciando uma sentença “cheia de incoerências” e que “não menciona provas, mas sim um emaranhado de pistas”.

O antigo chefe de Estado, retirado da política desde 2016, prometeu “um combate duradouro” contra a sentença, de que já recorreu, e que “talvez tenha que terminar no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos”. “Seria doloroso para mim ver o meu próprio país condenado, mas estou preparado porque esse seria o preço da democracia”, acrescentou.

O político, de 66 anos, que foi Presidente de França de 2007 a 2012, foi condenado por ter tentado ilegalmente obter informações de um magistrado, em 2014, sobre uma ação judicial em que estava envolvido.

O tribunal disse que os factos são “particularmente graves”, por serem cometidos por um ex-Presidente que usou o seu estatuto para fins pessoais. Além disso, como ex-advogado, Sarkozy estava “perfeitamente informado” sobre a prática deste tipo de ação ilegal, disse o tribunal.

Os outros dois réus no caso, o seu advogado e amigo de longa data Thierry Herzog e o agora reformado magistrado Gilbert Azibert, também foram considerados culpados e receberam a mesma sentença.

Sarkozy, que esteve presente na audiência, não foi detido e enviado para uma cela, depois de o tribunal ter autorizado que permaneça em casa com pulseira eletrónica.

Pela primeira vez, um chefe de Estado francês é condenado a pena de prisão efetiva, mesmo que não ingresse de imediato num estabelecimento prisional. O político negou veementemente todas as acusações durante o julgamento de 10 dias, ocorrido no final do ano passado.

O julgamento concentrou-se em conversas telefónicas ocorridas em fevereiro de 2014. Na altura, foi aberta uma investigação sobre o financiamento da campanha presidencial de 2007 de Sarkozy. Durante a investigação, foi descoberto acidentalmente que o ex-Presidente e o amigo estavam a comunicar-se por meio de telemóveis secretos registados sob um nome falso (Paul Bismuth).

Os procuradores solicitaram dois anos de prisão efetiva e um ano de pena suspensa para os três réus, pelo que definiram como um “pacto de corrupção”.

Sarkozy enfrentará outro julgamento no final deste mês, juntamente com outras 13 pessoas sob a acusação de financiamento ilegal da sua campanha presidencial de 2012.

  // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O O primeiro-ministro, António Costa

Governo quer reunir com todos os partidos e solicitou ao Bloco os termos de acordo escrito

O Governo quer reunir-se com todos os partidos com quem tem negociado a viabilização do Orçamento do Estado e solicitou ao Bloco de Esquerda que envie o conteúdo e os termos do acordo escrito proposto. Estas …

No Japão, o suicídio entre crianças atingiu um número recorde

Segundo um relatório divulgado pelas autoridades japonesas, o receio de uma infeção pelo novo coronavírus foi a justificação mais invocada por crianças e jovens para faltarem às aulas durante um longo período de tempo. Durante o …

Com uma nova subida de preços na segunda-feira, portugueses correm às bombas

Com o anúncio do Governo da redução do ISP, e um possível aumento do preço dos combustíveis já na próxima semana, os portugueses estão a aproveitar o fim-de-semana para abastecer. Na sexta-feira, o Governo anunciou a …

O candidato às eleições presidenciais das Filipinas Ferdinand Marcos Jr.

Ferdinand-Duterte: Eleições filipinas podem pôr duas dinastias frente-a-frente (ou lado a lado)

Ferdinand Marcos Jr. é filho de um antigo ditador filipino. Agora é candidato às eleições presidenciais e poderá enfrentar a filha de Rodrigo Duterte, Sara, ou até aliar-se a ela. Ainda faltam mais de seis meses …

Recuperados da covid-19 vão poder tomar segunda dose se for preciso para viajar

A diretora-geral da Saúde revelou, este sábado, que os recuperados da covid-19 vão agora poder tomar uma segunda dose da vacina, caso seja preciso para poderem viajar. Esta semana, o Jornal de Notícias tinha avançado que …

Líder do PCP diz que problemas do país "não se resolvem com dramatizações"

O secretário-geral do PCP defendeu, este sábado, que os problemas do país "não se resolvem com dramatizações ou com o agigantar de dificuldades sobre o futuro", numa crítica ao Governo. Num discurso de quase 30 minutos …

Marcelo fez o que podia para prevenir crise política. Agora, fica à espera do diálogo

O Presidente da República transmitiu, este sábado, que fez em público e privado o que podia para prevenir junto dos partidos uma crise política e afirmou que espera diálogo sobre o Orçamento do Estado nos …

Candidato do Chega detido por tentativa de homicídio de família sueca

O suspeito da tentativa de homicídio de uma família sueca em Moura, Beja, foi candidato do Chega à freguesia de Póvoa de São Miguel nas últimas eleições autárquicas. O líder do partido já condenou este …

A judoca Bárbara Timo

Judoca Bárbara Timo conquista ouro nos -63kg no Grand Slam de Paris

A judoca portuguesa Bárbara Timo conquistou, este sábado, a medalha de ouro no primeiro dia do Grand Slam de Paris, na sua estreia na categoria -63 kg em provas do circuito mundial. Bárbara Timo, de 30 …

Afinal, o início do Universo pode nunca ter realmente existido

Investigador português da Universidade de Liverpool partiu da teoria dos conjuntos causais para pôr em causa alguns dos conceitos mais importantes na complexa evolução do Universo. A ideia de que o nosso universo foi criado através …