Matteo Salvini: “Levaremos a política anti-imigrantes a toda a UE. Não entrará mais nenhum”

european_parliament / Flickr

Matteo Salvini, ministro do Interior italiano e líder do partido Liga

Uma manifestação convocada pelo ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, reuniu no sábado, em Milão, a maioria dos partidos de extrema-direita europeus que pretendem tornar-se na terceira força política no Parlamento Europeu. Houve discursos contra a chanceler alemã Angela Merkel e o Papa Francisco.

Segundo noticiou o Expresso no domingo, foi a citar o escritor britânico G.K. Chesterton que Matteo Salvini, ministro do Interior italiano e líder da partido ultra-nacionalista Liga, iniciou o seu discurso em Milão, durante a manifestação por si mesmo convocada.

“O verdadeiro soldado luta não porque odeia o que está à sua frente mas porque ama o que está atrás de si”, afirmou.

Matteo Salvani tinha a seu lado Marine Le Pen, líder da extrema-direita francesa, que marcou presença no apoio público conjunto ao grupo parlamentar Europa das Nações e das Liberdades – que junta nacionalistas, eurocéticos e populistas de extrema-direita. Este ameaça tornar-se a terceira força política nas eleições do dia 26 ao Parlamento Europeu.

“É um dia histórico. Esperávamos por ele há muito tempo e finalmente aconteceu”, clamou Marine Le Pen, a figura principal da Frente Nacional francesa, citada pelo El País.

Nessa mesma tarde, Matteo Salvini completava: “Aqui não há fascistas nem racistas. Os extremistas são aqueles que têm governado a Europa durante 20 anos em nome da pobreza e da precariedade. A diferença está entre os que falam do futuro e os que falam do passado porque não fazem ideia de como o futuro vai ser. Não se trata de extrema-direita, mas de senso comum”.

Dos 12 partidos convocados, apenas o Vox espanhol e o FPÖ (Partido Austríaco da Liberdade e o mais antigo partido ultranacionalista da União Europeia) faltaram ao convite para participar na concentração, que teve lugar na tradicional Piazza do Duomo, em pleno centro de Milão.

A chuva estragou a festa, à qual acorreram bem menos pessoas do que as 100 mil que eram esperadas. Das varandas dos edifícios em torno da praça, havia cartazes em oposição ao evento, nos quais podiam ler-se ‘slogans’ como “Milão é anti-fascista”.

O presidente da Câmara, Giuseppe Sala, de centro-esquerda, fez questão de afirmar: “Os nacionalistas não vão tomar a cidade”.

Porém, nessa tarde, além de Matteo Salvini e Marine Le Pen, ouviram-se as vozes de figuras como Geert Wilders, do Partido pela Liberdade holandês, Anders Vistisen, do Partido do Povo dinamarquês e o alemão Jörg Meuthen, do AfD, bem como de Veselin Mareshki, que lidera o partido búlgaro Volya, Jaak Madison, do EKRE estónio, Boris Kóllar, do eslovaco Nós Somos Família, e Tomio Okamura, do checo SPD.

Os discursos apelaram para aquilo que estes partidos têm em comum, como as políticas anti-imigração, deixando de lado as suas (muitas) diferenças. Gritou-se contra Emmanuel Macron, Angela Merkel e Jean-Claude Juncker. Aplaudiram-se Margareth Thatcher e Charles De Gaulle, citaram-se G.K. Chesterton e Winston Churchill.

Além disso, atacou-se frontalmente o Papa Francisco pelas suas ideias sobre a imigração e apoiou-se abertamente o cardeal conservador Robert Sarah. “Se fizerem com que sejamos o primeiro partido da Europa, levaremos a política anti-imigrantes a toda a União Europeia e aqui não entrará mais nenhum”, lançou Matteo Salvini.

A ausência do partido austríaco FPÖ foi talvez o maior obstáculo desta reunião. O candidato às eleições europeias Harald Viliminski tinha confirmado a presença no evento, cancelando-a no último minuto. Isto porque o partido que representa está a atravessar uma crise política, com o líder Heinz-Christian Strache – um dos aliados mais fortes de Matteo Salvini – a ter-se demitido ontem de vice-chanceler depois de ter vindo a público um vídeo que o mostra a oferecer contratos governamentais em troca de apoio político.

Questionada sobre se o grupo Europa das Nações e das Liberdades irá continuar aliado ao FPÖ, Marine Le Pen disse: “Responderemos quando ouvirmos a explicação de Mr. Strache. Mas qualquer que sejam as acusações, o FPÖ tem 25% do eleitorado austríaco, e por isso as acusações não o vão fazer desaparecer. Estou espantada que este vídeo de 2017 apareça agora, a poucos dias das eleições”.

TP, ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

Ministro alemão encontrado morto "estava muito preocupado" com apoio à população

O ministro das Finanças do Estado alemão de Hesse, Thomas Schäfer, foi encontrado morto no sábado. O corpo do político estava nos carris de uma linha de comboios de alta velocidade, na cidade de Hochheim, …

Oposição denuncia sequestro de dois membros da equipa de Guaidó

Este domingo, a oposição venezuelana denunciou que alegados funcionários das forças de segurança sequestraram dois membros da equipa do líder da oposição, Juan Guaidó. Rafael Rico, do partido Vontade Popular, indicou que o sequestro teve lugar …

Há 853 profissionais de saúde infetados. Cerco sanitário no Porto em discussão

O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, revelou que existem 853 profissionais de saúde infetados com a covid-19 em Portugal. Em conferência de imprensa ao fim da manhã desta segunda-feira, depois de a …

Fazer despedimentos ou não renovar contratos são situações distintas, explica Siza Vieira

O ministro da Economia afirma que o acesso aos apoios financeiros do 'lay-off' simplificado está condicionado ao compromisso de não haver despedimentos, mas reconhece que despedimento e não renovação são situações distintas. O ministro da Economia …

Empresas denunciadas por abusos nos despedimentos e violações ao código de trabalho

A CGTP recebeu denúncias a 40 empresas em que são relatadas situações de abuso e aproveitamento laboral. Milhares de trabalhadores foram afetados em todo o país, garante a líder sindical. Isabel Camarinha, classificou como "muito negro" …

NOS Primavera Sound adiado para setembro

Devido ao estado de emergência em que o país se encontra, resultado do surto de COVID-19, a nona edição do NOS Primavera Sound foi adiada e vai acontecer de 3 a 5 setembro. “Perante este cenário …

Twitter apaga publicações de Bolsonaro que defendiam fim das medidas de contenção

O Twitter bloqueou dois vídeos publicados no perfil oficial de Jair Bolsonaro sobre a visita que fez no domingo a vários pontos de Brasília, contrariando as recomendações sanitárias da Organização Mundial de Saúde (OMS) para …

País vai entrar no "mês mais crítico" da pandemia (e medidas vão ser prolongadas)

O primeiro-ministro, António Costa, avisou esta segunda-feira que Portugal "vai entrar no mês mais crítico desta pandemia" da covid-19 e por isso é necessário que se prepare para esta fase. António Costa falava aos jornalistas na …

Bancos também dão moratória no crédito automóvel

Para além da moratória no crédito à habitação decretada pelo Governo, alguns bancos estão a alargar a moratória ao crédito de consumo, como por exemplo, à prestação do carro. Face à pandemia de covid-19, o Governo …

Justiça dos Estados Unidos investiga senadores por delitos financeiros

Vários senadores norte-americanos estão a ser investigados por terem vendido ações depois de terem recebido briefings sobre a pandemia de covid-19. De acordo com a CNN, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos começou a investigar …