Testes misteriosos no Árctico. Rússia pode estar a desenvolver arma “apocalíptica”

Ministério da Defesa da Rússia

Submarino russo com drones nucleares Poseidon

A explosão de um foguete a meio de um teste feito pela Rússia no Árctico, que matou 5 pessoas, e os poucos esclarecimentos dados pelas autoridades do país sobre o incidente levam o mundo a questionar: o que é que Moscovo anda a fazer? 

O incidente ocorreu na quinta-feira, 8 de Agosto, em Sarov, cidade a 373 km de Moscovo onde são fabricadas ogivas nucleares. Cinco engenheiros nucleares russos morreram e outros três ficaram feridos.

A Rosatom, agência nuclear estatal russa citada pela BBC,  refere que os especialistas testavam um motor movido a energia nuclear numa plataforma em alto-mar no Árctico. A explosão foi seguida por um pico de radiação na região.

Sabe-se que a Rússia está a testar um míssil nuclear, o Burevestnik, que foi descrito pelo presidente russo, Vladimir Putin, como “invencível” ao discursar no Parlamento em Março de 2018.

Não é possível confirmar que este armamento esteja envolvido no incidente em Sarov, mas especialistas em temáticas relacionadas com a Rússia acreditam que o teste está definitivamente ligado ao 9M730 Burevestnik que significa “petrel”, uma ave marinha.

Um desses especialistas é Mark Galeotti, analista e investigador líder do Royal United Services Institute (Rusi), um centro de estudos de defesa e segurança do Reino Unido, que refere que a propulsão nuclear envolve enormes desafios técnicos.

“Há a questão da velocidade versus o peso do sistema e o risco de um míssil que expele material radioactivo pelo seu escapamento”, refere Galeotti à BBC. “Estes novos sistemas têm a sua origem nos tempos soviéticos – foram retirados do mercado e receberam novos investimentos”, acrescenta.

A propulsão nuclear do Burevestnik daria ao míssil um alcance “ilimitado”, segundo Putin.

Mas a explosão em Sarov pode ter envolvido uma arma diferente, igualmente capaz de carregar uma ogiva nuclear.

Uma possibilidade é um novo míssil de longo alcance anti-navios chamado Zircon que é hipersónico – pode voar a até 8 vezes a velocidade do som, segundo o Exército russo.

Outra possibilidade é um novo drone subaquático de longo alcance, lançado de um submarino, chamado Poseidon.

O que se sabe sobre a explosão?

Os cinco engenheiros nucleares que morreram eram “especialistas de elite” e “heróis” que sabiam dos riscos que corriam e que tinham realizado testes anteriores em “condições extraordinariamente difíceis”, refere o director do centro nuclear de Sarov, Valentin Kostyukov.

Este centro era uma instalação secreta na época da Guerra Fria, responsável pelo arsenal de bombas de hidrogénio da Rússia.

Inicialmente, o Ministério da Defesa apontou que a explosão de 8 de Agosto envolveu um motor de foguete de combustível líquido e informou que havia apenas dois mortos, sem especificar as vítimas.

Mais tarde, a Rosatom anunciou que o teste envolveu “propulsores à base de isótopos de rádio” e que tinha sido realizado numa plataforma em alto-mar. Os engenheiros completaram os testes, mas houve um incêndio repentino e o motor explodiu, atirando os homens ao oceano, destacou a Rosatom.

Logo após a explosão, a Câmara de Severodvinsk, cidade a 40 km a leste do campo de testes Nyonoksa, perto do mar Branco, relatou um aumento nos níveis de radiação na cidade durante 40 minutos.

As autoridades locais notaram que o nível de radiação chegou a 2 microsieverts por hora, antes de cair para os 0,11 microsieverts normais. São níveis demasiado pequenos e que, portanto, não provocarão problemas de saúde.

Mas as notícias levaram os moradores a comprar comprimidos de iodo que oferecem alguma protecção contra a radiação – houve uma enorme procura por estes comprimidos durante o desastre de Chernobyl, em 1986.

Antes da experiência, o Ministério da Defesa russo criou uma zona de exclusão em Dvina Bay – as águas a norte do campo de testes de Nyonoksa. Esta zona permanecerá fechada até ao início de Setembro.

Um site de notícias norueguês do Árctico, o Barents Observer, informou que um navio de carga nuclear russo, o Serebryanka, estaria dentro da zona de exclusão a 9 de Agosto. Há especulações de que este navio tem por missão recolher quaisquer detritos radioactivos no caso de falha em algum teste, e poderia estar a fazer precisamente isso naquele momento.

O estabelecimento da zona de exclusão pode, contudo, também ser uma precaução contra qualquer vazamento de combustível de um foguete tóxico para o mar, onde os habitantes locais vão pescar.

Arma “apocalíptica” para guerra nuclear total

Mark Galeotti diz que “há muito cepticismo sobre se o Burevestnik será finalizado algum dia”. Ele recorda na BBC que outro míssil russo de última geração, o Bulava, “passou por muitos anos de testes fracassados”.

Os projectos Zircon e Poseidon estão em estágio mais avançado. O drone subaquático Poseidon já existe como protótipo, mas, tal como o Burevestnik, poderá ser uma arma “apocalíptica”, refere Galeotti, salientando que será impraticável para qualquer coisa além da guerra nuclear total.

O Rossiiskaya Gazeta, jornal do governo russo, descreveu o Burevestnik no mês passado como “uma arma de vingança”. Essa também foi a frase usada pelos nazis para descrever os foguetes disparados contra o Reino Unido no final da Segunda Guerra Mundial.

De acordo com o mesmo jornal, o Burevestnik pode voar durante longas distâncias e evitar defesas aéreas e teria como alvos quaisquer infraestruturas vitais remanescentes após os mísseis balísticos intercontinentais russos já terem atingido o território inimigo.

Galeotti destaca ainda que esta explosão em Sarov ocorre no meio do recente colapso do Tratado das Forças Nucleares de Alcance Intermediário, firmado entre EUA e Rússia, em 1987, para banir o uso de mísseis de curto e médio alcance pelos dois países.

Washington vinha acusando Moscovo de não cumprir o tratado e de desenvolver mísseis nucleares, retirando-se dele no início deste ano. Logo depois, os russos, negando as acusações de violação do acordo, anunciaram que fariam o mesmo.

Os norte-americanos vão agora concentrar-se em “desenvolver esse tipo de armas” para “um cenário de guerra total”, constata Galeotti na BBC. “Os militares russos também querem ter essa capacidade, porque também estão preocupados com a China”, conclui.

ZAP // BBC

PARTILHAR

16 COMENTÁRIOS

  1. Mais manobras de distração continuamente a serem semeadas na opinião pública…
    Mais areia para os olhos dos incautos…
    O Mundo, em especial o Hemisfério Norte, está em plena “guerra quente” climática, mas essa – que é real e atual – “ninguém” vê…

  2. Estes são os tais que andam sempre a queixar-se do lobo mau e a tentarem fazer-se passar por cordeirinhos, no entanto parecem ser muito trapalhões no que fazem pois são asneiras sobre asneiras e ainda vão acabar por morrer vítimas das mesmas e contaminar o mundo.

  3. Não será guerra nuclear nenhuma que irá acabar com o planeta.
    Será sim um asteróide que já vem à caminho da terra…
    E está mais perto do que imaginávamos…
    Nossa senhora disse que não queria ver os seus filhos morrer afogados… Então será no fogo… Está na Bíblia…

RESPONDER

Foi a escuridão (e não o frio) que ditou a extinção dos dinossauros

Uma nova investigação sobre o asteróide que causou a extinção dos dinossauros sugere que foi a escuridão, ainda antes do frio, que ditou o fim destes animais. De acordo com a nova investigação, cujos resultados foram …

34 anos depois, dados da Voyager 2 revelam mais um segredo de Urano

Mais de 30 anos depois, os dados da Voyager 2, que sobrevoou o planeta em 1986, permitiram aos cientistas da NASA desvendar mais um segredo de Urano. Em janeiro de 1986, a Voyager 2 sobrevoou Urano. …

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …