Prova de “reconhecimento”. Rússia e China conquistam lugar no órgão de direitos humanos da ONU

Stefano Maffei / Flickr

Organização das Nações Unidas

China, Rússia e Cuba conquistaram esta terça-feira um lugar no principal órgão de direitos humanos das Nações Unidas, apesar da oposição de grupos ativistas, devido aos antecedentes destes países em situações relacionadas com os direitos humanos.

A Rússia e Cuba concorriam ao lugar sem oposição, ao contrário da China e da Arábia Saudita, que lutavam juntamente com mais três países por um assento naquele órgão. Nesta “corrida” aos lugares, o Paquistão recebeu 169 votos, o Uzbequistão 164, o Nepal 150, a China 139 e a Arábia Saudita apenas 90 votos.

Apesar dos planos de reforma anunciados pela Arábia Saudita, a Human Rights Watch (HRW) e outros movimentos opuseram-se fortemente à sua candidatura, defendendo que o país do Médio Oriente continua a visar defensores dos direitos humanos, dissidentes e ativistas dos direitos das mulheres.

Os movimentos realçaram ainda que a Arábia Saudita demonstrou pouca responsabilidade por abusos anteriores, como o assassinato do colunista do jornal norte-americano Washington Post e o crítico saudita Jamal Khashoggi no consulado saudita, em Istambul, há dois anos.

De acordo com as regras do Conselho de Direitos Humanos, os lugares são atribuídos a regiões de forma a garantir uma representação geográfica. À exceção da região Ásia-Pacífico, a eleição de 15 dos 47 membros para o Conselho de Direitos Humanos foi decidida com antecedência.

Quatro países conquistaram quatro assentos em África: Costa do Marfim, Malawi, Gabão e Senegal. A Rússia e a Ucrânia conquistaram as duas cadeiras do leste europeu. No grupo da América Latina e Caraíbas, México, Cuba e Bolívia conquistaram as três vagas em aberto, enquanto o Reino Unido e a França conquistaram os dois lugares para o grupo da Europa Ocidental e Outros.

Louis Charbonneau, diretor da ONU para a HRW, destacou que é “preciso que os Estados tenham escolha. Eles não querem competição”. Numa conferência de imprensa que decorreu na semana passada, Charbonneau acrescentou que “quando os estados não têm escolha, os piores candidatos facilmente encontram o seu caminho para o Conselho”.

Também na semana passada, uma coligação de grupos de direitos humanos da Europa, Estados Unidos e Canadá pediu aos Estados membros da ONU para que se opusessem à eleição da China, Rússia, Arábia Saudita, Cuba, Paquistão e Uzbequistão, lembrando que os seus antecedentes no que diz respeito aos direitos humanos os tornavam “não qualificados”.

O Conselho de Direitos Humanos, que tem sede em Genebra, pode apontar abusos e tem monitores especiais para vigiar determinados países e questões. Também analisa periodicamente os direitos humanos em todos os países membros da ONU.

Criado em 2006 para substituir uma comissão desacreditada por causa do histórico relacionado com direitos humanos de alguns dos membros, o novo conselho enfrentou desde cedo críticas semelhantes.

Os EUA anunciaram a sua retirada do Conselho em junho de 2018, acusando o órgão de ser um fórum de hipocrisia sobre os direitos humanos e ainda por o considerar anti-Israel.

China diz que reeleição é prova de reconhecimento”

A China já reagiu à sua reeleição para o Conselho dos Direitos Humanos da ONU, apesar da oposição dos principais Estados democráticos e várias organizações.

“Esta reeleição reflete o alto reconhecimento da comunidade internacional pelo desenvolvimento e progresso da causa dos Direitos Humanos na China e a participação da China na governação global dos direitos humanos”, disse Zhao Lijian, porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, em conferência de imprensa.

Lijian também descartou as críticas do secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, à reeleição, como “muito absurdas” e acusou Washington de interferir nos assuntos internos de outros países usando os Direitos Humanos como pretexto.

Grupos de defesa dos Direitos Humanos criticaram a eleição da China, ao lado da Rússia, Cuba, Paquistão e Nepal, citando as violações dos direitos em Hong Kong, Tibete ou Xinjiang, bem como os ataques a defensores dos Direitos Humanos, jornalistas, advogados ou críticos do governo.

A China foi reeleita com 139 votos, 30% a menos que os 180 obtidos em 2016.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Heheheee… faltou a Coreia do Norte e a Arabia Saudita!…
    Para completar a desgraça, só falta o Daesh, a AlQaeda e o Trump serem laureados com o Nobel da Paz!

  2. Parece que fazem de propósito para arruinar a reputação mundial do Observatório dos Direitos Humanos (HRW) e da própria Organização das Nações Unidas!
    Como é que países como a Rússia do assassino Vladimir Putin e, sobretudo, a China do genocida Xi Jinping, ignóbeis ditadores que não sabem o que é Democracia, Liberdade, nem sequer o que são Direitos Humanos, têm assento precisamente no órgão que os defende e investiga as sua violações, e quando a anterior comissão foi desacreditada e substituída pelo actual Observatório, exactamente por causa de alguns países-membros se apresentarem com um longa, grave e contínua prática de violações desses mesmo direitos???
    A China a defender e a investigar violações dos Direitos Humanos onde? No Tibete invadido, ocupado, colonizado e dizimado? Na Mongólia do Sul, que oprime e reprime, no Turquestão Oriental, onde o povo Uigur é enlatado em campos de concentração, violentado, esterilizado e torturado? Ou em Hong Kong, onde o Partido Comunista chinês violou o acordo assinado de não interferir na sua política e dirigiu a violência das forças de segurança nas manifestações pró-democracia?
    António Guterres pôs raposas a tomarem conta do galinheiro!
    Vergonha alheia!

RESPONDER

Federer acusado de manobrar a tabela ATP

Contas da associação de tenistas foram alteradas por causa do coronavírus. Roger Federer está no quinto lugar mas só disputou um torneio ao longo de 2020. Em ano anormal, contas anormais: a tabela oficial da Associação …

Astrónomo do Instituto SETI garante que vamos encontrar extraterrestres até 2036

Seth Shostak, astrónomo e astrofísico do Instituto SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence) está convencido de que os humanos vão encontrar uma civilização extraterrestre inteligente até 2036. “O SETI duplica a velocidade aproximadamente a cada dois anos …

Mais leve e elegante. Assim é a nova e-bike que vai chegar às ruas da Europa

A startup Urban Cycles Oy, com sede em Helsínquia, demarcou uma espécie de lacuna no mercado europeu de bicicletas elétricas e por isso quis preenchê-la. O objetivo era produzir uma bicicleta elegante e mais leve. Um …

Incêndio reduz a maior ilha de areia do mundo a metade. É Património da Humanidade

Quase metade de Fraser, a maior ilha de areia do mundo, que se situa no nordeste da Austrália e foi classificada como Património da Humanidade pela UNESCO, foi destruída por um incêndio florestal. O incêndio queimou …

"Toca de bruxaria" permaneceu até agora numa casa do século XVI. Encontrados crânios de cavalo e veneno

Uma casa cheia de objetos ocultos foi recentemente alvo de grande interesse. O espaço estava localizado dentro de numa casa do século XVI no País de Gales, e encontrava-se repleto de objetos ocultos, incluindo crânios …

Em 1843, o primeiro cartão de Natal foi considerado "escandaloso" (agora vai ser leiloado pela Christie)

Um exemplar do primeiro cartão de Natal impresso comercialmente, em 1843, que retratava uma cena da era vitoriana que escandalizou a população, vai ser posto à venda esta sexta-feira e é considerado um item raríssimo. Este …

Marcelo quer alívio de restrições no Natal sem pôr em xeque janeiro

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta sexta-feira esperar que a "possível exceção" no Natal ao quadro de restrições para conter a covid-19 "seja bem entendida e bem vivida" e não provoque …

Bill Gates diz que o mundo estará de volta à normalidade já na primavera de 2021

Bill Gates, que desde 2015 tinha vindo a lançar alguns alertas sobre uma possível pandemia, deixou agora uma mensagem de esperança ao dizer que acredita que os EUA irão voltar ao normal na primavera de …

Mais um passo na hegemonia. China constrói aldeia nos Himalaias, em zona também disputada pela Índia e pelo Butão

Novas imagens de satélite mostram que a China construiu uma aldeia nos Himalaias, ao longo de uma fronteira que também é disputada pela Índia e pelo Butão, e que foi palco de um impasse agressivo …

João Félix eleito jogador do mês da liga espanhola. Ronaldo vence prémio em Itália

O português João Félix, do Atlético de Madrid, foi eleito o melhor jogador da Liga espanhola de futebol do mês de novembro. O luso revelou-se uma peça fundamental durante todo o mês e ajudou a equipa …