Rússia envia mais 600 instrutores para a República Centro-Africana

STR / AFP

Um total de 600 instrutores russos chegaram recentemente a Bangui para treinar as forças centro-africanas, anunciou na quinta-feira a diplomacia russa, elevando para 1.135 o número de especialistas militares oficialmente destacados na República Centro-Africana.

“Recentemente, um novo grupo de instrutores, 600 pessoas no total, chegou a Bangui”, disse em comunicado o ministério russo dos Negócios Estrangeiros, acrescentando que “uma notificação será enviada” sobre o assunto ao comité competente do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), noticiou a agência AFP.

Em maio, o governo centro-africano anunciou que antecipava a chegada dessas tropas, embora o seu envio não tivesse sido oficializado. A Rússia, que havia afirmado ter 535 instrutores destacados, garantiu que nenhum desses 1.135 militares “participa diretamente em operações de combate contra grupos armados ilegais” e que agem de acordo com “as necessidades das autoridades oficiais da República Centro-Africana”.

O anúncio foi feito dias depois de um relatório anual de especialistas da ONU contradizer Moscovo. Segundo o documento, instrutores russos destacados na República Centro-Africana cometeram, com o exército do país, “violações do direito internacional humanitário”. O relatório observou que haveria até 2.100 instrutores russos no terreno.

Vários depoimentos de pessoas de diferentes lugares do país afirmaram que os russos participaram em confrontos e crimes. De acordo com especialistas da ONU, soldados centro-africanos e russos cometeram crimes como “assassinatos indiscriminados, ocupação de escolas e saques em grande escala, até mesmo de organizações humanitárias”.

O emissário da ONU na República Centro-Africana, Mankeur Ndiaye, denunciou em junho o comportamento das forças nacionais centro-africanas e dos seus aliados russos. Esses últimos são frequentemente retratados como paramilitares do grupo privado Wagner, que é liderado por um amigo próximo do Presidente russo Vladimir Putin.

Essa organização, cuja existência Moscovo nega, seria composta de veteranos leais ao governo russo, encarregada de missões sensíveis em lugares onde a Rússia prefere não se comprometer de forma oficial. O Kremlin, no entanto, rejeita todas essas acusações, mas nunca especificou quem são esses homens ou de que instituições dependem.

A República Centro-Africana e a Rússia estreitaram relações a partir de 2018, quando Moscovo enviou “instrutores” para ajudar a treinar as Forças Armadas do país e lhes forneceu armas de pequeno porte. Os russos fornecem proteção pessoal ao presidente da República Centro-Africana, Faustin Archange Touadera.

Um dos países mais pobres do mundo, a República Centro-Africana é instável desde que se tornou independente da França, em 1960.

  Taísa Pagno //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.