Rosberg é pela primeira vez Campeão Mundial de Fórmula 1

Andrew Hone / Pirelli

Nico Rosberg

Nico Rosberg

O alemão Nico Rosberg (Mercedes) conquistou hoje pela primeira vez o título do Mundial de Fórmula 1, ao concluir o Grande Prémio de Abu Dhabi na segunda posição, atrás do britânico e companheiro de equipa Lewis Hamilton.

O piloto alemão Nico Rosberg, de 31 anos, só necessitava de terminar no pódio do circuito Yas Marina para assegurar o seu primeiro título e concluiu a 21.ª e última prova do campeonato na 2ª posição.

A corrida foi vencida pelo seu colega de equipa na Mercedes, Lewis Hamilton, campeão do mundo em 2008, 2014 e 2015, que partiu da ‘pole position’. O alemão Sebastian Vettel, em Ferrari, ficou em terceiro lugar.

Com os 18 pontos conquistados em Abu Dhabi, Rosberg somou 385 pontos, mais cinco do que Hamilton, segundo classificado no Mundial de pilotos.

Ao 11.º ano na F1 e após duas tangentes ao título, ao terminar no segundo lugar em 2014 e 2015, sempre atrás de Hamilton, Rosberg conseguiu hoje inverter os papéis, muito por força da superioridade da Mercedes, que, entre os seus dois pilotos, venceu 19 das 21 provas.

Temporada perfeita

O filho do finlandês Keke Rosberg, campeão do mundo de Fórmula 1 em 1982, não poderia ter desejado melhor arranque de época, durante o qual obteve quatro vitórias nas quatro primeiras corridas, na Austrália, Bahrein, China e Rússia, que na verdade representaram o sétimo triunfo consecutivo, uma vez que também tinha vencido as três últimas provas de 2015.

Rosberg tornou-se o primeiro piloto a cometer idêntica proeza desde 2004, quando Schumacher também se impôs nas quatro corridas iniciais, conseguindo aliar essas vitórias aos maus resultados de Hamilton, que chegou ao quinto Grande Prémio da temporada, em Espanha, com 43 pontos de atraso.

Barcelona, onde venceu em 2015, não se voltou a revelar um circuito acolhedor para Rosberg, mas também não o foi para Hamilton, devido à colisão entre os dois pilotos da Mercedes, que abriu caminho à rara vitória do holandês Max Verstappen (Red Bull).

O bicampeão pareceu ganhar novo fôlego com as vitórias no Mónaco e no Canadá, etapas em que Rosberg não foi além de sétimo – o pior resultado este ano – e quinto, reduzindo o atraso para apenas nove pontos, mas o germânico voltou a ganhar avanço ao subir ao primeiro lugar do pódio no Azerbaijão.

Foto Studio Colombo/ Pirelli

Nico Rosberg, Mercedes, no GP Bahrein 2016

Nico Rosberg, Mercedes, no GP Bahrein 2016

O piloto natural de Wiesbaden viveu depois a pior fase da época, durante a qual Hamilton chegou à liderança confortável da competição, com vitórias na Áustria, Grã-Bretanha, Hungria e Alemanha, nas quais Rosberg se viu envolvido em vários incidentes.

Na Áustria foi penalizado em 10 segundos por ter provocado um choque com Hamilton, sem consequências na classificação, em que foi quarto, mas na Grã-Bretanha um ‘castigo’ idêntico custou-lhe a queda do segundo para o terceiro lugar, por ter recebido assistência indevida da sua equipa, via rádio.

O novo campeão mundial partiu para a Hungria com um ponto de vantagem sobre o colega na Mercedes, mas acabou na segunda posição e viu-se pela primeira vez na condição de perseguidor, ficando ainda mais longe do rival na prova ‘caseira’, em Hockenheim, onde foi apenas quarto posicionado.

Quando a situação parecia desesperada, Rosberg conquistou três triunfos consecutivos, na Bélgica, Itália e Singapura, provas em que Hamilton obteve dois terceiros postos e um segundo, recuperando a liderança do campeonato no circuito asiático.

Hamilton pareceu capaz de responder à altura na Malásia, mas os problemas no motor do Mercedes acabaram com as aspirações do britânico e, em face do abandono do colega, o terceiro lugar deve ter parecido um resultado extraordinário a Rosberg, numa corrida vencida pelo australiano Daniel Ricciardo (Red Bull).

Ricciardo quebrou uma série de 10 triunfos seguidos da Mercedes, mas a marca germânica repôs a ‘normalidade’ de imediato, com Rosberg a impor-se no Japão – onde Hamilton foi terceiro – e o britânico a vencer nos Estados Unidos, no México, no Brasil e hoje em Abu Dhabi, sempre secundado pelo germânico, que dessa forma minimizou os danos.

ZAP / Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Relógio japonês parado pelo terramoto de 2011 volta a funcionar novamente (graças a outro sismo)

Um relógio japonês com 100 anos de idade que deixou de funcionar depois do devastador terramoto de 2011 voltou a trabalhar após um novo sismo este ano. De acordo com o jornal Maunichi Shumbun, o relógio, …

Ventura tem "receio" que partido seja ilegalizado

Este domingo, o Chega vai organizar uma manifestação contra a ilegalização do partido. André Ventura admitiu ter um "receio muito significativo". O Observador avança que a manifestação tem início no Príncipe Real, passa pelo Tribunal Constitucional …

Três mortos e 441 novos casos em Portugal

Este domingo, Portugal regista mais três mortes e 441 novos casos de infeção, de acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde, o país …

Grande Crise do Ketchup. A pandemia atacou um mercado improvável (e já há um mercado negro para o molho)

Os problemas da cadeia de suprimentos estão a chegar a um canto distante do universo empresarial: os pacotes de ketchup. O ketchup é o molho de mesa mais consumido nos restaurantes dos Estados Unidos, com cerca …

Autoridades brasileiras ilibam João Loureiro

João Loureiro já não é suspeito no processo que envolve a apreensão de um avião com 500 quilos de cocaína, segundo as autoridades brasileiras. As autoridades brasileiras descartaram, este sábado, qualquer ligação do advogado português João …

No Canadá, há dois rios que se encontram (mas não se misturam)

Em Nunavut, no Canadá, há dois rios que se encontram, mas não perdem a sua aparência individual enquanto se movem sinuosamente pela tundra. O Back River flui para o norte em direção ao Oceano Ártico. Ao …

Russos acusados de explosão na República Checa são suspeitos de envenenar Skripal

Os dois suspeitos russos, envolvidos na explosão que matou duas pessoas em 2014 na República Checa, têm os mesmos passaportes que os dois homens acusados de envenenar, com o agente nervoso novichok, o espião Sergei …

Numa cidade na Nova Zelândia, a Páscoa resume-se a exterminar coelhos

Em Alexandra, na região de Otago, os coelhos são considerados pragas, uma espécie que ameaça a biodiversidade do país e a agricultura. Elle Hunt, correspondente do The Guardian em Auckland, na Nova Zelândia, escreveu um artigo …

Reavaliação de barragens da EDP ficou por fazer, depois de Governo ter recuado na decisão

No início do ano passado, o ministério do Ambiente considerou ser necessário reavaliar as barragens da EDP, mas a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Parpública disseram não ter competências para fazer a avaliação …

Portugal bateu recorde de vacinação no sábado. Foram administradas 120 mil vacinas

Este sábado, Portugal registou um recorde diário de pessoas vacinadas contra a covid-19. No total, foram administradas 120 mil doses da vacina. De acordo com os números avançados pela task force responsável pelo plano de vacinação, …