Tribunal recusa exumar corpo. Rosa Grilo conhece sentença a 3 de março

António Pedro Santos / Lusa

A leitura do acórdão no processo do homicídio do triatleta ficou agendada, esta terça-feira, para o dia 3 de março.

De acordo com o Diário de Notícias, a defesa de Rosa Grilo pediu a exumação do cadáver por considerar que há uma lesão na cabeça do triatleta que não foi analisada.

A defesa queria ainda ouvir o consultor forense João de Sousa e o médico legista que realizou a autópsia ao cadáver para mostrar que “a causa da morte pode ter sido outra que não um disparo”, avança ainda o Observador.

No entanto, o tribunal de Loures rejeitou todos os pedidos e marcou a leitura do acórdão para o próximo dia 3 de março.

Recorde-se que o tribunal decidiu atribuir a Rosa Grilo o tiro fatal que viria a matar o triatleta e por isso deu um prazo de 15 dias à defesa para responder, aceitando a audição de duas testemunhas.

No entanto, depois desta derrota, a advogada da arguida já nem quis ouvir as duas testemunhas que deveriam prestar declarações esta terça-feira, escreve o Observador.

Rosa Grilo e o amante, António Joaquim, estão acusados do homicídio e da profanação do cadáver do triatleta, no verão de 2018. O crime terá sido cometido para poderem assumir a relação amorosa e beneficiarem dos bens da vítima – 500 mil euros em indemnizações de vários seguros e outros montantes depositados em contas bancárias tituladas por Luís Grilo, além da habitação.

Ambos estão a ser acusados pelos procuradores dos crimes de homicídio qualificado agravado, profanação de cadáver e detenção de arma proibida.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.