Resolvido o mistério com 400 anos das gotas do Príncipe Rupert

Mg3kc / Wikimedia

As gotas do Príncipe Rupert da Alemanha

As gotas do Príncipe Rupert da Alemanha

Os investigadores finalmente conseguiram responder à pergunta que tem intrigado cientistas desde o início de 1600: porque é que as cabeças das chamadas “gotas do príncipe Rupert” são tão fortes?

No século XVII, o Príncipe Rupert da Alemanha trouxe algumas destas gotas de vidro em forma de girino ao Rei Carlos II de Inglaterra, que também estava bastante intrigado com as suas propriedades incomuns. A cabeça da gota é tão forte que pode suportar o impacto de um martelo, no entanto, a cauda é tão frágil que, ao dobrá-la com os dedos, não só esta se quebra como toda a gota se torna instantaneamente num pó fino.

As gotas de Rupert podem ser feitas muito facilmente: basta deixar cair gotas quentes de vidro fundido na água. Embora os investigadores tenham tentado entender o que causa as propriedades incomuns dessas gotas, apenas recentemente, com recurso a tecnologia moderna, é que conseguiram investigá-las de uma forma mais completa.

Em 1994, Srinivasan Chandrasekar, da Universidade de Purdue, nos EUA, e M. Munawar Chaudhri, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, usaram fotografia de alta velocidade para observar o processo de estilhaçamento. Com as suas experiências, concluíram que a superfície de cada gota experimenta tensões altamente compressivas, enquanto que o interior experimenta forças de alta tensão. Assim, a gota está num estado de equilíbrio instável, que pode ser facilmente perturbado pela quebra da cauda.

Distribuição da tensão

Porém, uma questão que ficou em aberto é como é que esta tensão é distribuída ao longo de uma gota. Entender isso ajudaria a explicar de forma mais abrangente porque é que as cabeças dessas gotas são tão fortes.

Para fazer isso, Chandrasekar e Chaudhri começaram a colaborar com Hillar Aben, professor da Universidade de Tecnologia de Tallinn, na Estónia. Aben é especialista na determinação de tensões residuais em objetos tridimensionais transparentes.

No novo estudo, publicado na Applied Physics Letters, os três investigadores analisaram a distribuição de tensão nas gotas utilizando um polariscópio de transmissão. Este aparelho é um tipo de microscópio que mede a birrefringência num objeto transparente axi-simétrico, tal como a gota do príncipe Rupert.

Nas várias experiências, os cientistas suspenderam a gota num líquido claro e, de seguida, iluminaram-na com um LED vermelho. Usando o polariscópio, mediram o atraso óptico da luz à medida que percorria a gota de vidro e, depois, utilizaram os dados para traçar a distribuição da tensão ao longo de toda a gota.

Resultados surpreendentes

Os resultados mostraram que as cabeças das gotas têm uma tensão compressiva de superfície muito maior do que se pensava anteriormente – até 700 megapascals, que é quase sete mil vezes a pressão atmosférica. Esta camada compressiva de superfície também é fina, compondo cerca de 10% do diâmetro da cabeça de uma gota.

Tal como os investigadores explicam, esses valores dão às cabeças das gotas uma força de fratura muito alta. Para quebrá-las, é necessário criar uma rachadura que entra na zona de tensão interior da gota. Como as fissuras na superfície tendem a crescer paralelas à superfície, não conseguem entrar na zona de tensão. Em vez disso, a maneira mais fácil de quebrar uma gota é interferir na cauda, já que uma perturbação neste local permite que fissuras entrem na zona de tensão.

No geral, os cientistas acreditam que estes resultados finalmente explicam a grande resistência das gotas de Rupert. “Este trabalho explicou completamente porque é que a cabeça de uma gota é tão forte”, garantiu Chaudhri ao Phys.org. “Acredito que agora resolvemos a maioria dos principais aspetos desta área, no entanto, novas questões podem surgir inesperadamente”, acrescentou.

ZAP // HypeScience

PARTILHAR

RESPONDER

Arqueólogos desenterram (acidentalmente) ossadas com 800 anos no Peru

Os restos mortais de oito pessoas, com aproximadamente 800 anos de idade e enterrados com alimentos e instrumentos musicais na mesma câmara funerária, foram encontrados ao sul de Lima, no Peru, durante a instalação de …

Marcelo apela ao voto "por memória deste ano e meio que não esqueceremos"

O Presidente da República considerou que votar nas eleições autárquicas é mais importante do que nunca para o país recomeçar a viver e a sair das crises sanitária, económica e social. Este apelo ao voto foi …

Onde e como? Um guia para votar nas eleições autárquicas

As mesas de voto das eleições autárquicas abriram hoje às 08:00 no continente e na Madeira para a escolha dos dirigentes dos municípios e das freguesias para os próximos quatro anos. Nos Açores, as urnas abrem …

Ensino Superior: 33% dos candidatos ficaram de fora. Veja se ficou entre os colocados

Mais de 49 mil novos estudantes entraram agora para o ensino superior, tendo ficado sem colocação 33% dos candidatos à primeira fase do concurso nacional de acesso, revelam dados divulgados hoje pelo Ministério do Ensino …

Pessoas mais pobres são vistas como menos suscetíveis à dor

Um novo estudo indica que os indivíduos de classe baixa são estereotipados como insensíveis à dor física, o que pode impactar os seus cuidados médicos. “As estatísticas de saúde indicam que as pessoas ricas recebem um …

As crianças têm dez vezes mais micro-plásticos nas fezes do que os adultos

Uma equipa de cientistas da Universidade de Nova Iorque, nos Estados Unidos, usou espectrometria de massa para medir os níveis de micro-plásticos compostos de policarbonato (PC) e de polietileno tereftalato (PET) presentes nas fezes crianças …

MIT desenvolve mão robótica insuflável (que devolve o tato aos amputados)

Apesar de haver membros biónicos altamente articulados, concebidos para detetar os sinais musculares residuais e imitar roboticamente os seus movimentos pretendidos, a destreza de alta tecnologia tem um custo muito alto. Recentemente, engenheiros do Massachusetts Institute …

É agora possível os robôs mexerem-se sozinhos, graças a novos polímeros de alta energia

Através do uso de novos polímeros que armazenam mais energia e são depois aquecidos, investigadores da Universidade de Stanford conseguiram colocar manequins a mexer os braços sozinhos. Era ver robots a mexer os braços sozinhos, pelo …

"Poço do Inferno". Espeleólogos encontram serpentes, mas não demónios

No deserto da província de Al-Mahra, no leste do país, um buraco redondo e escuro de 30 metros de largura serve de entrada para uma caverna de cerca de 112 metros. Uma maravilha natural que …

Vitória SC 1-3 Benfica | “Águia” passa tranquila em Guimarães e continua a voar no topo

Naquele que era apontado como o mais duro teste à sua liderança até ao momento, o Benfica passou com relativa tranquilidade em Guimarães. Frente a um Vitória que tentou discutir o jogo de igual para igual …