Resistência a antibióticos pode levar o Mundo de volta à Idade Média

lennyflank / Flickr

A invenção da penincilina or Alexander Fleming é considerada o maior avanço da história de Medicina. Esse avanço está em risco.

A invenção da penincilina or Alexander Fleming é considerada o maior avanço da história de Medicina. Esse avanço está em risco.

O mundo poderá ser “lançado de volta à Idade Média da medicina” caso não sejam tomadas medidas para enfrentar a crescente resistência aos antibióticos, afirmou o primeiro-ministro britânico, David Cameron.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou esta semana a criação de um grupo para analisar por que tão poucos antibióticos têm sido criados nos últimos anos.

O conceituado economista Jim O’Neill, criador da sigla BRIC, vai liderar uma comissão para investigar o assunto, com especialistas das áreas de ciência, finanças, indústria e saúde global.

O grupo vai definir planos para incentivar o desenvolvimento de novos antibióticos.

World Economic Forum / Flickr

O primeiro-ministro britânico, David Cameron

O primeiro-ministro britânico, David Cameron

Liderança

“Se não agirmos, a perspectiva é de um cenário quase impensável em que os antibióticos já não funcionam. Voltaremos à Idade Média da medicina, em que as infecções e lesões tratáveis vão voltar a matar”, afirmou Cameron.

O primeiro-ministro britânico revelou que discutiu a questão no início deste mês numa reunião de líderes do G7, em Bruxelas, e tem o apoio específico do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e da chanceler alemã, Angela Merkel.

A expectativa é de que as propostas deste grupo de análise sejam discutidas no encontro do G7 do próximo ano, na Alemanha.

“A penicilina foi uma grande invenção britânica, da autoria de Alexander Fleming em 1928″, diz Cameron, “e é bom que a Grã-Bretanha queira tomar a liderança nesta questão, para resolver o que poderia ser realmente um grave problema de saúde global.”

Cameron detalhou que o grupo irá analisar 3 questões fundamentais: o aumento de bactérias resistentes aos medicamentos, o “falhanço do mercado” em apresentar novos tipos de antibióticos nos últimos 25 anos e o uso exagerado de antibióticos globalmente.

‘Bomba-relógio’

Estima-se que o aumento da resistência das bactérias aos antibióticos seja responsável por 5 mil mortes na Grã-Bretanha e 25 mil mortes por ano na Europa.

A diretora geral de Saúde da Inglaterra, a professora Sally Davies, tem sido uma figura-chave para ajudar a colocar esse assunto na agenda global.

O ano passado, Davies descreveu a crescente resistência aos antibióticos como uma “bomba-relógio” e disse que as ameaças que isso traz deveriam ser consideradas tão perigosas quanto o terrorismo.

“Novos antibióticos produzidos pelas indústrias de biotecnologia e farmacêutica serão fundamentais para resolver esta crise, o que terá impacto sobre todas as áreas da medicina moderna.”

(CC0/PD) pxhere

Staphylococcus aureus, uma bacteria resistente aos antibióticos

Staphylococcus aureus, uma bacteria resistente aos antibióticos

‘Falhanço do mercado’

Os antibióticos têm uma incrível história de sucesso na história recente da medicina, mas nos últimos anos as bactérias desenvolveram resistência por meio de mutações.

Um exemplo é a MRSA, bactéria que é há anos uma grande ameaça nos hospitais. É resistente a quase todos os antibióticos, exceto os mais poderosos, e a principal arma contra ela é a melhoria da higiene, que evita que a infecção se espalhe.

Sem antibióticos, toda uma série de procedimentos cirúrgicos estaria em risco, desde tratamentos como a quimioterapia até cirurgias como o transplante de órgãos.

Antes dos antibióticos, muitas mulheres morriam após o parto por desenvolver uma infecção bacteriana simples.

Jim O’Neill, o conceituado economista conhecido por inventar as siglas BRIC e MINT, siglas para descrever os países emergentes e os potenciais motores da economia mundial, não é um especialista em antibióticos ou micróbios.

Mas segundo Cameron, era importante ter um economista a coordenar o grupo.

Há um falhanço do mercado. A indústria farmacêutica não tem desenvolvido novos tipos de antibióticos, por isso é preciso criar incentivos”, diz o primeiro-ministro britânico.

O’Neill vai começar a trabalhar em setembro e deve entregar as suas recomendações em março.

O maior desafio do nosso tempo

“Este não é apenas um desafio científico e médico, mas económico e social, que exigirá a análise dos sistemas de regulação e mudanças comportamentais para o resolvê-lo”, disse Jeremy Farrar, director da instituição filantrópica de investigação médica Wellcome Trust.

O mês passado, foi escolhido o tema para o Longitude Prize, um prémio de 10 milhões de libras criado para enfrentar o maior desafio do nosso tempo: a resistência aos antibióticos.

financialtimes / Flickr

Jim O'Neill, o economista que "inventou os BRIC"

Jim O’Neill, o economista que “inventou os BRIC”

ZAP / BBC

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Parece-me que abordar a questão da falência dos antibióticos pela lógica de mercado é pura patetice e só se compreende pela ideologia política de mercado prevalecente. O problema é sobretudo um problema de natureza científica. Exige a procura de formas inovadoras de combate às doenças e exige igualmente que se dê um maior relevo à medicina preventiva, muito mais barata e eficaz. Provavelmente também exigirá maior investimento público em ciência, o que dada a natureza do problema e o benefício geral, será quase consensual.

  2. Concordo com o leitor, que me antecedeu. Creio que a ingerência de economistas servirá apenas para
    mercantilizar algo que é exclusivamente de natureza científica. O mercado regulando a saúde.

  3. Acredito que se deva fazer investimentos em pesquisas epidemiológicas, farmacológicas e infectologia para encontrar alternativas ao problema. Contudo, conscientização de medidas básicas de higiene devem ser exigidas dos profissionais de saúde, a questão da higiene das mãos antes do uso de luvas até hoje em muitos sítios não se tornou rotina. Bem se deve fazer fortes campanhas contra a automedicação em países pobres e em desenvolvimento. Portanto, o dinheiro que seria gasto na área econômica, onde isso já foi mensurado, não seria o que se precisa para resolver questões de multirresistência bacteriana.

RESPONDER

DGS aconselha grávidas e bebés vegetarianos a tomarem suplementos

A Direção-geral da Saúde recomenda suplementos de vitaminas e minerais para bebés e grávidas com alimentação vegetariana e lembra que a dieta não omnívora no primeiro ano de vida deve estar sempre sob supervisão médica. "A …

Entre os boletins de voto dos emigrantes, também há cheques e contas da luz

Para exercer o seu direito de voto, os eleitores portugueses residentes no estrangeiro deveriam enviar de volta para Portugal a documentação que receberam em casa – um envelope verde com o boletim de voto, dentro …

Ryanair despede 432 trabalhadores em Espanha

A companhia aérea irlandesa Ryanair confirmou esta quarta-feira a sua intenção de despedir em Espanha 432 trabalhadores das suas bases de Girona e Canárias, 327 tripulantes de cabine e 105 pilotos, informou o sindicato USO. Num …

Eleições em Moçambique. Dados preliminares dão vitória a Nyusi

Segundo as projeções de resultados da Sala da Paz, de acordo com valores “preliminares” baseados na leitura dos editais pelos seus observadores, o atual Presidente moçambicano e candidato da Frelimo, Filipe Nyusi, terá sido reeleito …

"Quem acusou Sócrates tem de provar. Se não provar tem de ser punido"

O ex-Presidente brasileiro, Lula da Silva, defende punição de procuradores da Operação Marquês, caso a acusação contra José Sócrates seja arquivada. Esta terça-feira, em entrevista à RTP, Lula da Silva defendeu a punição dos procuradores que …

Na Saúde, Warren torna-se alvo de ataques. Mas o foco é "derrotar Trump"

O maior debate televisivo para umas eleições primárias na história dos EUA juntou 12 candidatos num só palco. Foi o primeiro debate para o qual o ex-vice-Presidente Joe Biden não partiu com vantagem, tendo a …

Trump sugere que os mexicanos são uma ameaça terrorista maior do que o Daesh

O Presidente Donald Trump sugeriu que os mexicanos são uma ameaça muito maior do que o Daesh. Respondendo uma vez mais às críticas sobre ter retirado as tropas dos Estados Unidos (EUA) junto à fronteira …

Grécia. Incêndio em campo de refugiados deixa 600 pessoas sem alojamento

Um incêndio no campo de identificação e registo de migrantes de Vathy, na ilha grega de Samos, deixou 600 refugiados sem alojamento, alertou na terça-feira a organização não-governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF). "Em Vathy, seis …

Lista candidata à Ordem dos Enfermeiros excluída por ter poucos homens

Uma das listas candidatas às eleições para a Ordem dos Enfermeiros foi excluída por ter poucos homens. A comissão eleitoral nomeada explica que a lista não respeita a lei da paridade, aprovada pela Assembleia da …

“É a desilusão”. PSD queria novos ministros na Saúde, Educação e Justiça

  O PSD defendeu esta quarta-feira que "não há um novo Governo", mas "uma remodelação com alargamento", com um executivo aumentado e "mais partidário", considerando "uma desilusão" a continuidade em pastas como Saúde, Educação e Justiça. "Não …