Republicanos no Senado preparam-se para um possível “mundo pós-Trump”

Chris Carlson / EPA

Donald Trump com o seu vice-presidente, Mike Pence

Enquanto os republicanos enfrentam um eleição que pode trazer más notícias para o Presidente e o seu partido, alguns começam a se distanciar de Donald Trump, ao mesmo tempo que tentam não atrair a sua ira e dos seus apoiantes.

Segundo noticiou o Yahoo, alguns senadores, como Thom Tillis – que tenta a reeleição na Carolina do Norte -, começaram a reconhecer que Trump poderá não sairá vencedor das eleições de novembro.

Também o senador Lindsey Graham, da Carolina do Sul, disse aos democratas na semana passada: “Todos têm uma boa hipótese de ganhar a Casa Branca”. Enquanto isso, outros republicanos, como os senadores Ben Sasse e Mitt Romney, têm criticado abertamente o atual Presidente.

“Não acho que se possa encontrar um republicano em Washington que pense que o Presidente Trump vai ganhar a reeleição agora, mesmo dentro a Casa Branca – ninguém, falando honestamente”, comentou o estratega político Rory Cooper.

“Trump precisa ganhar todos os estados sólidos” e “todas as disputas, e trazer alguns estados democratas para atingir os 270 votos eleitorais”, continuou. “Ninguém acredita que isso vai acontecer. É claro que estão a planear como será um mundo pós-Trump”, acrescentou ainda.

De acordo com o artigo, cada senador republicano conduz o seu relacionamento com Trump de maneira diferente. Contudo, os que se candidatam à reeleição precisam de enfrentar certas questões, como à obstrução à justiça, aconselhou Tom Davis, ex-presidente do Comité Nacional Republicano do Congresso.

Caso os democratas conquistem a Câmara, o Senado e a Presidência, “poderiam prosseguir e abolir a obstrução, ganhando novos estados, o que aumentaria a sua maioria”, disse. “Mesmo que não se goste de Trump, não se quer que essas coisas aconteçam”, frisou.

Ainda segundo o artigo, uma das questões-chave nesta eleição foi a forma como o Presidente lidou com a pandemia do coronavírus, o que parece influenciar os eleitores. Alguns senadores republicanos têm falado mais abertamente sobre o tema.

O líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, por exemplo, não esteve presente na nomeação de Amy Coney Barrett para a Suprema Corte, evento que ocorreu na Casa Branca, afirmando que não vai ao local há meses porque não vai acredita que estejam a ser seguidos os protocolos de segurança.

Brainstorm Health / Flickr

O candidato democrata à presidência dos EUA, Joe Biden

Na altura da nomeação, houve um surto de covid-19 na Casa Branca, tendo vários dos participantes – incluindo o Presidente e a primeira-dama – contraído o vírus. O principal especialista em doenças infeciosas do governo, Anthony Fauci, referiu-se à cerimônia como um “evento de super-disseminação”.

“A minha impressão foi que a sua abordagem era diferente da minha”, disse McConnell sobre a Casa Branca, cuja opinião também difere dos democratas e dos republicanos quanto à legislação, incluindo o próximo projeto lei sobre o alívio das medidas para controlar a disseminação da covid-19.

Os críticos do Partido Republicano em relação ao Presidente têm sido moderados, tentando escolher os momentos para as suas declarações. À medida que as eleições se aproximam, as manifestações têm aumentado.

O senador Mitt Romney emitiu uma longa declaração sobre o estado da democracia e a importância de uma transição pacífica de poder, claramente dirigida ao Presidente, e anunciou esta semana que não vai votar em Trump.

Muitos republicanos, no entanto, não criticarão o Presidente publicamente. O senador John Cornyn, também candidato à reeleição, admitiu que discordou do Presidente em várias questões, incluindo quanto à covid-19, acordos comerciais e défice, mas em disputas privadas. “O que tentei fazer não foi entrar em confrontos públicos porque, como observei, geralmente não terminam muito bem”, disse Cornyn sobre o Presidente.

“Todos vivem com medo de um ‘tweet’ de Trump. E não vão fazer nada deliberadamente para enganá-lo”, disse Betsy Fischer Martin, diretora executiva do Instituto de Mulheres e Política do Departamento de Governo da Universidade Americana.

No entanto, Trump pode não estar a ajudar a si mesmo – ou aos republicanos do Senado – atacando aqueles que o criticam, disse Cooper, apontando para o Maine, onde a campanha do Presidente fez um esforço para ganhar eleitores, mas onde este atacou a senadora republicana Susan Collins, que luta pela reeleição.

Cooper sugeriu que Trump tem “a hipótese de uma votação eleitoral de que precisa no Maine”, mas a sua crítica a Collins provavelmente custará esses votos. O Presidente, lamentou, “nunca demonstrou investimento no futuro do Partido Republicano. Ele não se importa se a sua estratégia custe ao Partido Republicano a maioria do Senado”, frisou.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

MIT desenvolve mão robótica insuflável (que devolve o tato aos amputados)

Apesar de haver membros biónicos altamente articulados, concebidos para detetar os sinais musculares residuais e imitar roboticamente os seus movimentos pretendidos, a destreza de alta tecnologia tem um custo muito alto. Recentemente, engenheiros do Massachusetts Institute …

É agora possível os robôs mexerem-se sozinhos, graças a novos polímeros de alta energia

Através do uso de novos polímeros que armazenam mais energia e são depois aquecidos, investigadores da Universidade de Stanford conseguiram colocar manequins a mexer os braços sozinhos. Era ver robots a mexer os braços sozinhos, pelo …

"Poço do Inferno". Espeleólogos encontram serpentes, mas não demónios

No deserto da província de Al-Mahra, no leste do país, um buraco redondo e escuro de 30 metros de largura serve de entrada para uma caverna de cerca de 112 metros. Uma maravilha natural que …

Vitória SC 1-3 Benfica | “Águia” passa tranquila em Guimarães e continua a voar no topo

Naquele que era apontado como o mais duro teste à sua liderança até ao momento, o Benfica passou com relativa tranquilidade em Guimarães. Frente a um Vitória que tentou discutir o jogo de igual para igual …

Fazer umas calças de ganga exige 10 mil litros de água. Dez marcas estão a criar jeans sustentáveis

As calças de ganga são das peças de vestuário com piores impactos para o ambiente, mas há marcas que estão a apostar na sustentabilidade como um factor atractivo para os consumidores. Estão sempre na moda e …

"Guerra das matrículas" faz escalar tensão entre Sérvia e Kosovo

Esta semana, a fronteira entre o norte do Kosovo e a Sérvia esteve bloqueada por protestos de elementos da etnia sérvia, que não aceitam a decisão do governo kosovar, de etnia albanesa, de proibir a …

Num golpe de "fake it until you make it", Hong Kong vai a eleições a saber o vencedor

Hong Kong prepara-se para as primeiras eleições legislativas após as mudanças no sistema eleitoral implementadas pela China para garantir a vitória dos seus aliados. Aos olhares mais desatentos, as eleições em Hong Kong são mais um …

Stefano Pioli propõe regra de basquetebol que contribui para um "futebol de ataque"

O treinador do Milan, Stefano Pioli, propõe uma alteração nas regras do futebol que promete revolucionar o desporto rei. De forma semelhante ao basquetebol, uma vez dentro do meio campo adversário, as equipas não poderiam voltar …

Um dos maiores sites de dados sobre a covid-19 na Austrália é, afinal, gerido por adolescentes

Aproveitando o momento em que passaram a integrar as estatísticas que os próprios fazem chegar diariamente à população australiana, o grupo de três jovens revelou a sua identidade para surpresa de muitos dos seus seguidores. …

Mais cinco mortes e 713 casos confirmados em Portugal

Portugal registou, este sábado, mais cinco mortes e 713 casos confirmados de covid-19, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Este sábado registaram-se mais cinco mortes e 713 novos casos …