Disparos de satélites e naves de Star Trek? Relatório revela como seria uma guerra no Espaço

Netflix

USS Discovery

A criação da Força Espacial dos Estados Unidos evocou todos os tipos de noções fantasiosas sobre o combate no Espaço. Assim, um novo relatório explica o que é física e praticamente possível quando se trata de uma eventual guerra espacial.

As ideias para uma possível guerra espacial são infinitas: os satélites militares vão girar e disparar uns contra os outros? Haverá naves maiores semelhantes à USS Enterprise?

Publicado na revista The Aerospace Corporation, o relatório apresenta vários conceitos básicos que provavelmente governarão qualquer combate espacial num futuro previsível. Todas as restrições físicas sugerem que as batalhas precisarão de ser planeadas com bastante antecedência.

De acordo com o Ars Technica, ao contrário de uma guerra na Terra, que normalmente envolve um esforço de forças opostas para dominar um local físico, os satélites em órbita não ocupam um único local.

Assim, segundo os autores do relatório Rebecca Reesman e James Wilson, controlar o espaço não significa necessariamente conquistar fisicamente setores do espaço.

Em vez disso, o controlo envolve a redução ou eliminação das capacidades dos satélites adversários, ao mesmo tempo que se garante a retenção da capacidade de operar livremente as suas próprias capacidades espaciais para comunicações, navegação e observação.

Ao considerar como controlar o Espaço, os autores expõem as formas em que o combate espacial é contraintuitivo para formuladores de políticas e estrategistas.

Por um lado, os satélites movem-se rapidamente, mas de forma previsível: os satélites em órbitas circulares normalmente usadas movem-se a velocidades entre 3 e 8 quilómetros por segundo, dependendo da sua altitude. Em contraste, uma bala viaja apenas cerca de 0,75 quilómetros por segundo.

Por outro lado, o Espaço é grande: o volume de espaço Entre a órbita terrestre baixa e a órbita geoestacionária é de cerca de 200 biliões de quilómetros cúbicos – 190 vezes maior do que o volume da Terra.

Além disso, dentro dos limites da atmosfera, aviões, tanques e navios podem mover-se nominalmente em qualquer direção. Os satélites não têm essa liberdade. Devido à atração gravitacional da Terra, os satélites estão sempre a mover-se num caminho circular ou elíptico, constantemente em queda livre ao redor da Terra. Colocar dois satélites no mesmo local não é intuitivo – requer um planeamento cuidadoso e um timing perfeito.

Por fim, os satélites manobram-se lentamente: enquanto os satélites se movem rapidamente, o Espaço é grande e isso faz com que as manobras propositadas pareçam relativamente lentas.

Perante todos estes fatores, as ações terão que ser planeadas com bastante antecedência. “Qualquer conflito no Espaço será muito mais lento e deliberado do que uma cena de Star Wars”, disse Reesman. “Isso requer muito mais pensamento de longo prazo e posicionamento estratégico de ativos.”

Desde meados da década de 1970 e o advento das armas anti-satélite na União Soviética e nos Estados Unidos, o Espaço tem sido tratado como um domínio contestado pelos Estados Unidos, a União Soviética e outras potências emergentes. Embora nenhuma guerra tenha ocorrido no Espaço, a capacidade de derrubar armas espaciais foi vista por novas potências como a China (em 2007) e a Índia (em 2019) como um meio de demonstrar as suas capacidades.

Além dos mísseis em terra, o relatório identifica várias formas pelas quais os satélites podem ser atacados. Os sinais de rádio podem ser usados para bloquear os satélites do oponente ou falsificá-los enviando comandos prejudiciais. Esta seria uma extensão da guerra eletrónica já usada em batalhas navais e aéreas.

Algumas nações – como França – chegaram a falar sobre o uso de armas no Espaço para proteger os seus próprios satélites. No entanto, os autores sugerem que satélites usando armas cinéticas para derrubar satélites opostos parecem improváveis por enquanto dada a energia necessária para manobrar uma arma orbital numa trajetória adequada.

As nações têm um forte incentivo para não destruir outros satélites devido ao potencial de criar detritos perigosos que afetariam potencialmente os ativos de todas as nações no Espaço – e os detritos gerados no Espaço têm um efeito duradouro.

No entanto, numa guerra, uma nação pode decidir que vale a pena perder permanentemente o acesso a alguns satélites na órbita geoestacionária devido a escombros a fim de ganhar uma guerra terrestre.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Tempestade de areia "engoliu" cidade na China

Uma forte tempestade de areia "engoliu" a cidade de Dunhuang, no noroeste da China, no passado domingo. De acordo com o South China Morning Post, a forte tempestade de areia, que provocou nuvens de poeira com …

Raíssa faz bolachas com o lema "Fora Bolsonaro". Já se tornaram virais

Uma brasileira começou a fazer bolachas com o lema "Fora Bolsonaro" em jeito de brincadeira, mas agora já vende centenas todos os dias. Aquilo que começou como uma simples brincadeira, acabou por tornar-se viral. A ideia …

Zara, 19 anos, quer ser a mulher mais nova de sempre a voar sozinha à volta do mundo

Uma jovem, de 19 anos, pôs mãos à obra para levar a cabo um "gap year" (o chamado ano sabático) com um propósito muito fora do comum: tornar-se a mulher mais nova de sempre a …

Francês diz ter usado método matemático para ganhar o Euromilhões

O francês, que não quis revelar a sua fórmula à imprensa, ganhou, no dia 11 de junho, 30 milhões de euros com a combinação com a qual jogava há um mês. A história foi contada, esta …

Mais de metade da população portuguesa já tem a vacinação completa

Mais de metade da população residente em Portugal (52%) já tem a vacinação completa contra a covid-19, revela o relatório semanal de vacinação divulgado esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último relatório semanal …

Campeão olímpico criou problemas no seu país natal

Richard Carapaz, medalha de ouro no ciclismo, foi direto: "O país nunca acreditou em mim". Presidente do Equador, ministro e Comité Olímpico reagiram. Poucos dias depois de ter subido ao pódio final da Volta a França …

Jovens preocupados com fertilidade e efeitos secundários das vacinas contra a covid-19

Com o avanço das campanhas de vacinação, um grande número de pessoas das faixas etárias baixo dos 30 anos mostra-se relutante em tomar a vacina contra a covid-19. Os jovens falam de preocupações com fertilidade …

Dois gestos de Cla(ri)sse que ficam para a memória olímpica

Clarisse Agbégnénou foi campeã olímpica no judo, pela primeira vez - mas a atitude que demonstrou, mal venceu a final, ficará também nos registos. Campeã mundial cinco vezes, mais duas medalhas de prata. Cinco medalhas em …

Sindicatos avançam com ações legais para travar despedimento coletivo na TAP

Os sindicatos que representam os trabalhadores da TAP vão avançar com ações legais para travar o despedimento coletivo que a empresa iniciou na segunda-feira, que abrange 124 profissionais. "Até agora houve conversa, a partir de agora …

Ginastas alemãs usam fato integral para combater sexualização da modalidade

Ao contrário do que acontece com os ginastas masculinos, que podem optar por calções ou calças, as mulheres competem, desde o início da modalidade, de bodies que expõem grande parte do seu corpo. Quando, no último …