Relatório iliba polícia de Hong Kong de falhas durante os protestos

Jerome Favre / EPA

O órgão de supervisão da polícia de Hong Kong exonerou-a de falhas na resposta à contestação na cidade em 2019, concluindo que a raiva da população contra os agentes resultou de uma campanha de calúnias nas redes sociais.

O relatório de mil páginas do Conselho Independente de Queixas contra a Polícia (IPCC), divulgado esta sexta-feira, não deverá agradar ao movimento pró-democracia, que continua a pedir uma investigação verdadeiramente independente ao que considera atos generalizados de brutalidade policial e que sempre viu este órgão como dependente do poder.

Hong Kong viveu, de junho a dezembro do ano passado, a pior crise política desde a transferência da sua soberania em 1997, com manifestações quase diárias contra a ingerência da China nos assuntos do território semi-autónomo.

A mobilização degenerou por vezes em violentos confrontos entre radicais armados com tijolos e cocktails Molotov e polícia anti-motim com gás lacrimogéneo e balas de borracha.

Numerosas organizações de defesa dos direitos humanos, de Hong Kong e estrangeiras, acusaram a polícia de uso excessivo da força e vídeos de agentes a espancarem manifestantes tornaram-se virais.

Mas, no seu relatório, o IPCC exonera os agentes, afirmando que as acusações de brutalidade policial se tornaram “uma arma política”, e argumentando que a polícia não é responsável pelo ressentimento da população contra ela.

“As manifestações foram e continuam a ser motivadas por mensagens de ódio perpétuas contra a polícia, em particular na Internet”, afirmam os autores do relatório.

“Ao designar a ação da polícia de ‘brutalidade’, os manifestantes parecem ignorar a própria violência, os seus atos de vandalismo“, adiantam.

Entre as suas conclusões, o IPCC considera haver “espaço para melhorias” em relação ao modo como a polícia atua nos confrontos com manifestantes, fazendo recomendações como uma revisão da estrutura de comando operacional da polícia, das suas diretrizes sobre o uso da força e do treino dos agentes.

Relatório fez “vista grossa” à violência policial

A chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, classificou o relatório de “exaustivo e objetivo” e assegurou que aceitará as suas recomendações.

Por outro lado, escreve o jornal Público, o deputado da oposição Kenneth Leung, que já fez parte do IPCC, diz que o relatório não satisfaz a exigência da população. “Muitas destas recomendações são superficiais e genéricas. Não podem pensar que com este relatório o assunto está resolvido e arrumado.”

Fernando Cheung, deputado pró-democracia, partilha da mesma opinião, considerando que este relatório “fez vista grossa à brutalidade policial desproporcionada” e que só “eliminou o pouco que restava da credibilidade do IPCC”, cita o mesmo diário.

Um grupo de especialistas internacionais nomeado para assessorar o conselho concluiu que o IPCC não possuía o poder e a capacidade de investigação independente para realizar um trabalho significativo, uma recomendação ignorada pelas autoridades.

Os protestos em Hong Kong começaram com a proposta de legislação que permitiria que suspeitos de crimes fossem extraditados para a China continental para serem acusados, entretanto abandonada, mas evoluiu para exigências de reformas democráticas.

Antes de a pandemia de covid-19 “suspender” os protestos, havia quatro reivindicações: a libertação dos manifestantes detidos, que as ações dos protestos não fossem identificadas como motins, um inquérito independente à violência policial e, finalmente, a demissão da chefe de governo e consequente eleição por sufrágio universal para este cargo e para o Conselho Legislativo.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Ninguém sabe do paradeiro dos Evangelhos Garima, um dos maiores tesouros do mundo cristão

Depois de terem sobrevivido a 1.500 anos de história num mosteiro remoto, os Evangelhos Garima enfrentam agora a sua ameaça mais grave. Um dos maiores tesouros do mundo cristão, guardado durante mais de 1.500 anos no …

"Estou preocupado". Ex-piloto da Marinha dos EUA diz que via OVNIs "todos os dias"

Um antigo piloto da Marinha dos Estados Unidos diz que, durante anos, viu Objetos Voadores Não Identificados (OVNIs) "todos os dias". Depois de anos a ignorar a questão, uma task force do Pentágono prepara-se para revelar …

Peru está a investigar se a lixívia pode curar a covid-19

O congresso do Peru votou para investigar se beber ou injetar uma lixívia industrial poderia curar a covid-19. A moção foi aprovada com 49 votos a favor e 39 votos contra. Está a ser criado um …

Há vestígios de ouro nesta imagem de satélite

As operações de mineração num dos maiores depósitos de ouro da Rússia, em Aldan, incluem um método que deixa rastos na paisagem. E são visíveis do Espaço. A imagem de satélite, tirada em setembro de 2019, …

Dezenas de corpos de vítimas de covid-19 encontrados nas margens do rio Ganges

Ciclone Tauktae faz pelo menos 33 mortos na Índia (e paralisa vacinação contra covid-19)

Pelo menos 33 pessoas morreram e quase cem estão desaparecidas na Índia, devido ao impacto do ciclone Tauktae, esta terça-feira. O país também registou o maior número de mortes diárias provocadas pela covid-19. Centenas de milhares …

Cientistas criam dispositivos de testagem que produzem resultados em tempo recorde

Cientistas criaram dispositivos que permitem detetar infeção com o coronavírus SARS-CoV-2 num segundo ou em menos de 30 minutos, conforme a técnica usada, revelam dois estudos distintos divulgados esta terça-feira na imprensa da especialidade. Investigadores das …

CP está a vender bilhetes com 80% de desconto

A CP tem uma nova campanha, que entra em vigor esta terça-feira, através da qual disponibiliza cerca de 17.920 viagens com descontos até 80% nos comboios intercidades. De acordo com o jornal Público, os bilhetes abrangidos …

Mais de 40 pessoas, quase todas crianças, no hospital de Beja com vómitos

Um total de 35 crianças e seis adultos oriundos de diversas escolas do concelho de Beja deram esta terça-feira entrada no Hospital José Joaquim Fernandes, naquela cidade alentejana. A notícia foi avançada por fonte hospitalar, que …

Novo Banco. "Não era um banco bom, foi preciso fazer dele um bom banco", diz Centeno

O governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, afirmou esta terça-feira que o Novo Banco “não era um banco bom” e “foi preciso fazer dele um bom banco”, recordando o “legado do BES” que marca …

Ensino superior com vagas especiais para lusodescendentes

O Governo alargou o contingente especial de acesso ao ensino superior dirigido a emigrantes e seus familiares permitindo que, no próximo ano letivo, se possam candidatar todos os lusodescendentes, de nacionalidade portuguesa e residentes no …