Os misteriosos relâmpagos azuis podem ser mais comuns do que pensávamos

Gemini Observatory / AURA / Wikimedia

Raio azul no cume de Maunakea, no Havai

Além de ser um dos fenómenos mais espetaculares, o relâmpago é também um dos mais misteriosos. Apesar de as tempestades não serem assim tão raras, os cientistas ainda não entendem completamente estas descargas elétricas geradas no céu.

As conhecidas “emissões azuis” são ainda mais difíceis de compreender. Estes raios de luz brilhante, que duram apenas algumas centenas de milissegundos, ocorrem em direção à estratosfera. Apesar de não conseguirmos ver o fenómeno devido à cortina de nuvens que impede a nossa observação, não significa que os cientistas não consigam observá-lo.

Um estudo recente, liderado pelo físico Torsten Neubert, da Universidade Técnica da Dinamarca, apresentou dados obtidos destes fenómenos intrigantes com observações feitas na Estação Espacial Internacional (EEI).

De acordo com o Science Alert, estes raios foram registados, pela primeira vez, na década de 1990. As emissões azuis acontecem quando a parte superior de uma nuvem carregada com cargas positivas encontra uma camada de energia negativa no limite entre a nuvem e a camada de ar acima dela.

A descarga elétrica causada pelo encontro é chamada de “líder” e forma um canal condutor de ar ionizado pelo qual o raio se desloca.

O problema é que a compreensão dos investigadores acerca deste fenómeno é ainda muito limitada. O dados analisados por Neubert e pela sua equipa estão, agora, a preencher algumas lacunas, depois de, em 2019, o observatório Atmosphere-Space Interactions Monitor (ASIM), na EEI, ter registado cinco emissões azuis no topo de uma nuvem de tempestade.

Uma das emissões chegou a cerca de 50 quilómetros de altitude e alcançou a estratopausa, a interface entre a estratosfera e a ionosfera

O observatório registou também a ocorrência de ELVES, fenómenos atmosféricos em forma de anéis em expansão de emissão ótica e ultravioleta na ionosfera que aparecem acima das nuvens de tempestade. Possivelmente, são gerados por pulsos eletromagnéticos na ionosfera causados por descargas de raios.

A emissão vermelha do líder, no entanto, foi fraca e muito limitada, o que sugere que o próprio líder é muito baixo e localizado, em comparação com os líderes de relâmpagos totalmente desenvolvidos entre o solo e as nuvens.

A equipa acredita que tal pode significar que o brilho e o jato de luz azul são tipos de fluxos de descarga elétrica. “Propomos que os pulsos ultravioleta são ELVES gerados por correntes de luz e não pelas correntes dos raios”, escreveram, no artigo científico publicado a 20 de janeiro na Nature.

Os flashes azuis no topo das nuvens são, muito provavelmente, a versão ótica de eventos bipolares estreitos, isto é, descargas de alta energia que acontecem nas nuvens durante as tempestades, conhecidas por desencadear raios dentro da nuvem.

Uma vez que eventos bipolares estreitos são bastante comuns, isto pode significar que as emissões azuis podem também ser mais comuns do que se pensava, defendem os cientistas.

Liliana Malainho Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Sporting 2-1 Santa Clara | Super-Coates volta a ser herói

Arrancado a ferros… à campeão? O Sporting esteve a poucos segundos de registar o terceiro empate em casa, perante um Santa Clara que não foi em nada inferior aos “leões” e até conseguiu ser superior em …

Os gatos demonstram ser menos leais do que os cães (mas pode haver uma razão)

Ainda existe um estereótipo sobre a diferença entre cães e gatos. Normalmente as pessoas associam os cães a animais amorosos e leais, enquanto os gatos são tidos como distantes e indiferentes. Um novo estudo pode …

O mistério do "lago dos esqueletos" na Índia intriga cientistas há décadas

O Roopkund, localizado na parte indiana dos Himalaias, é um lago glacial com centenas de ossos humanos. E ninguém sabe como foram lá parar. Em 1942, um guarda florestal revelou ao mundo a existência deste lago …

A fronteira mais importante da China é imaginária: a Linha Hu

A Linha Hu, também conhecida como linha Heihe-Tengchong, é uma linha imaginária que divida a China em duas partes com áreas quase iguais. Estende-se da cidade de Heihe até Tengchong. Desenhada pela primeira vez em 1935, …

Algumas pessoas moram em aeroportos durante meses (ou até mesmo anos)

Aeroportos não servem de casa apenas para os sem-abrigo. Há pessoas que, involuntariamente ou não, ficam lá durante meses e, em alguns casos, até mesmo anos. Em janeiro, as autoridades de Chicago prenderam um homem de …

Senado da Carolina do Sul aprova fuzilamento como método de execução

Com esta decisão, a Carolina do Sul poderá converter-se no quarto estado do país a incorporar este método de execução de pena de morte, depois do Utah, Oklahoma e Mississípi. De acordo com a agência noticiosa …

"Oxigénio tornou-se ouro". Criminosos lucram com a sua escassez no México

A pandemia de covid-19 deixou a Cidade do México a atravessar uma grande escassez de oxigénio médico. Criminosos estão a aproveitar para lucrar com a situação. A capital mexicana registou um pico de infeções e hospitalizações …

Meteorito do tamanho de um damasco caiu em França (e os astrónomos precisam de ajuda para encontrá-lo)

Os entusiastas do Espaço estão a ser instados a procurar um meteorito do tamanho de um damasco que caiu no fim de semana passado no sudoeste de França.  O meteorito, com peso estimado em 150 gramas, …

Professora pediu a alunos para fingir que eram escravos e escreverem carta para África

Uma professora de uma escola secundária no Mississippi, nos Estados Unidos, está a ser alvo de críticas devido a uma fotografia de um trabalho de casa divulgada nas redes sociais. Foi pedido aos alunos do 8.º …

Obra de Churchill que pertencia a Angelina Jolie vendida por valor recorde

O quadro pintado pelo antigo primeiro-ministro britânico foi vendido por 8,3 milhões de libras. A pintura foi um presente de Winston Churchill para o presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, e agora foi leiloada …