Boris conseguiu. Reino Unido vai a eleições a 12 de dezembro

Stefan Rousseau / EPA

O Parlamento britânico aprovou, esta terça-feira, a realização de eleições antecipadas a 12 de dezembro, confirmando a data apresentada pelo Governo.

A emenda para alterar a data das eleições antecipadas tinha sido proposta pelo partido Trabalhista e pelos Liberais Democratas, sugerindo que as eleições se realizassem numa segunda-feira em vez de uma quinta-feira, dia da semana em que as eleições se têm tradicionalmente realizado no Reino Unido desde 1935. Porém, foi derrotada por 315 votos contra e 295 votos a favor.

Segue-se a votação na especialidade, que deverá passar sem dificuldades, permite a passagem do texto para a Câmara dos Lordes e depois a promulgação nos próximos dias.

Esta foi a quarta vez que Boris Johnson apresentou uma proposta para antecipar as legislativas, uma vez que as anteriores foram todas chumbadas.

Embora a oposição tenha anunciado hoje que apoiaria a proposta de antecipação das eleições, a verdade é que esta chegou a estar em causa, uma vez que o Partido Trabalhista e o Partido Nacional Escocês apresentaram emendas que pretendiam, por exemplo, alargar o direito a votar a todos os cidadãos da União Europeia que residam no Reino Unido.

O caso acabou por ficar resolvido, uma vez que Lindsay Hoyle, vice-speaker da Câmara dos Comuns, decidiu não levar a votação as emendas em questão.

A dissolução do Parlamento deverá ocorrer no final do dia 6 de novembro, pois tem de ocorrer 25 dias úteis, equivalente a cinco semanas, antes da data das eleições, para decorrer a campanha eleitoral.

Em vez de procurar uma viabilização no âmbito da atual legislação dos mandatos fixos, o que exige o apoio de dois terços dos deputados (434 votos), o Governo procurou eleições antecipadas através de uma proposta de lei, que necessita apenas de uma maioria simples para passar.

Para convencer os partidos da oposição, de cujo apoio continua a precisar porque não tem maioria parlamentar, o Governo confirmou, na segunda-feira, que aceitava o prolongamento do processo do Brexit oferecido pela União Europeia (UE) até 31 de janeiro.

O ministro dos assuntos parlamentares, Jacob Rees-Mogg, respondeu também aos anseios dos Liberais Democratas e Partido Nacionalista Escocês (SNP) e garantiu que vai manter suspensa a legislação para ratificar o acordo de saída do Reino Unido da UE até depois das eleições.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

GNR já passou 2200 coimas por falta de limpeza de terrenos. Mais de cem câmaras multadas

Mais de uma centena de câmaras municipais foram multadas por falta de limpeza de terrenos, sendo a ausência de tratamento nas margens das estradas e junto às linhas de distribuição elétrica a principal infração registada …

Presidente do Governo da Catalunha pede a Filipe VI que abdique

O presidente do governo regional da Catalunha, Quim Torra, pediu na terça-feira ao rei Filipe VI que abdique e solicitou ao presidente do parlamento que convoque uma sessão plenária extraordinária para estabelecer uma "posição comum" …

Virologista chinesa diz que novo coronavírus foi "criado em laboratório militar"

A virologista chinesa que fugiu para os Estados Unidos deu mais uma entrevista onde assegura que o novo coronavírus foi "criado num laboratório militar". Numa nova entrevista, citada pelo jornal online Observador, Li Meng-Yan, a virologista …

Ministério da Saúde abre 435 vagas para médicos de família

É o maior número de vagas dos últimos anos colocadas a concurso para a contratação de médicos especialistas em medicina geral e familiar para o SNS. De acordo com o jornal Público, o Ministério da Saúde …

MP brasileiro processa pastor por anunciar cura com feijões para a covid-19

O Ministério Público brasileiro pediu a abertura de um processo contra o pastor evangélico Valdemiro Santiago e a Igreja Mundial do Poder de Deus, que anunciaram a cura da covid-19 a partir do cultivo de …

Dívida do Estado à ADSE ascende a 200 milhões de euros

A dívida do Estado à ADSE, em 2019, ascendia a 198,2 milhões de euros, segundo o parecer do Conselho Geral e de Supervisão (CGS) ao relatório e contas do ano passado, publicado no site do …

Governo dos Açores violou Constituição ao impor quarentena obrigatória

O confinamento obrigatório de 14 dias que o governo regional dos Açores tem imposto a quem chega à região autónoma é inconstitucional, dizem os juízes do Tribunal Constitucional. As autoridades açorianas violaram a Constituição ao impor …

China caminha a passos largos para a normalidade. Gaming, cerveja e Ikea dão empurrão

A China não regista, desde 17 de maio, vítimas mortais causadas pelo novo coronavírus. No entanto, há dois surtos ativos que parecem não impedir a população de caminhar em direção à normalidade. À semelhança do resto …

No regresso ao Superior, o Ministério recomenda aulas presenciais, com máscara e ao sábado

No regresso do Ensino Superior, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior recomenda que voltem as aulas em regime presencial com uso obrigatório de máscara e algumas das quais lecionadas ao sábado. Num comunicado …

"A profissionalização é fundamental". Este ano já morreram quatro bombeiros, todos voluntários

Nos incêndios deste ano já morreram quatro bombeiros. O último ano tão mortífero foi 2013, em que sete bombeiros perderam a vida. Em comparação, nos incêndios de 2019, não se registaram vítimas mortais entre esses profissionais. Como …