A regra dos cinco segundos é real ou mito? A Ciência dá a resposta

1

A regra dos cinco segundos, quando deixamos cair comida ao chão, é real ou não passa de um mito? Um par de especialistas deu a resposta.

Quando deixamos cair comida ao chão ficamos sempre na dúvida se estará “limpa” o suficiente para a comermos. Há quem diga que, nestes casos, se impõe a regra dos cinco segundos — que determina que temos apenas cinco segundos para apanhar a comida do chão, caso contrário ela não estará apta para se comer.

Mas será esta regra um mero mito urbano ou tem alguma base científica por trás? Especialistas contactados pelo The Huffington Post procuraram dar uma resposta.

“Certamente, se deixar cair algo ao chão, pode entrar em contacto com germes, e se comer esses germes, eles podem deixá-lo doente”, começa por explicar Don Schaffner, professor na Universidade Rutgers, em Nova Jérsia, EUA.

Dizer se a regra dos cinco segundos — ou regra dos dez segundos — é verdade ou não, é algo complexo. Os especialistas explicam que depende de diferentes variáveis, incluindo o tipo de comida ou o tipo de chão.

“Há algumas citações históricas de Genghis Khan sobre comer comida do chão em referência a um tipo de resposta ‘se fosse bom para ele, então era seguro para todos'”, disse Paul Dawson, professor da Universidade Clemson. Ainda assim, não é certo que esta regra social tenha vindo do ditador mongol.

“Não foi possível rastrear exatamente quando é que começou”, disse Dawson. “Acho que é apenas um daqueles mitos da sociedade que começou e as pessoas continuaram a propagá-lo”.

Tanto Dawson e Schaffner estudaram a regra dos cinco segundos. O primeiro levou a cabo um estudo onde procurou perceber se o tempo que a comida estava em contacto com uma superfície contaminada afetava a transferência de bactérias para ela.

Foram testadas três superfícies contaminadas com salmonela — azulejo, madeira e carpete — e duas comidas — mortadela e pão.

O estudo provou que o nível de contaminação do piso e o tipo de superfície eram as variáveis mais importantes.

Por sua vez, Schaffner testou melancia, pão, pão com manteiga e ursinhos de gomas em superfícies contaminadas de aço inoxidável, azulejo, madeira e carpete, durante menos de um segundo, cinco segundos, 30 segundos e 300 segundos.

Os resultados mostraram que a maioria das bactérias foi transferida para a melancia e a minoria para as gomas. A exposição mais longa mostrou ser um fator importante, mas até em menos de um segundo houve contaminação.

“O nosso estudo mostrou que em todas as condições — não importa a superfície, o alimento ou o tempo — houve sempre alguns testes em que vimos alguma transferência de bactérias”, disse Schaffner ao HuffPost. “Não havia altura segura em que nunca víssemos a transferência bacteriana”.

A conclusão de Dawson é que a regra dos cinco segundos é mito. “Depende do que está no chão e onde cai a comida”, sublinha o investigador.

“Preocupo-me com bactérias e vírus patogénicos como o norovírus, que podem causar doenças”, disse Schaffner, acrescentando que “a regra dos cinco segundos não é verdadeira”.

  Daniel Costa, ZAP //

1 Comment

  1. Lindo! Finalmente alguém se deu ao trabalho de medir as coisas. Podia ser um passo seguinte interessante entrar como variável a resistência do sistema imunológico da pessoa que come do chão. Mas, infelizmente, enquanto houver fome e gula no mundo, a “regra” vai persistir.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.