A “Aldeia dos túmulos”. Refugiados coreanos transformaram cemitério japonês numa vila

Wikimedia

Casa na aldeia de Ami-dong

Ami-dong, na cidade sul-coreana de Busan, parece uma aldeia vulgar, com casas coloridas e pelos becos estreitos. Mas, se olharmos atentamente, encontramos um material invulgar nos alicerces das casas, das paredes e das escadas: lápides com caracteres japoneses.

Conhecida como Aldeia Cultural Tombstone, foi construída durante a Guerra da Coreia, que eclodiu em 1950 após a invasão do Norte pelo Sul. O conflito deslocou mais de 640 mil norte-coreanos, de acordo com uma das estatísticas. Sul-coreanos também fugiram de Seul e das linhas da frente.

Muitos destes refugiados, relatou a CNN, dirigiram-se para Busan, uma das duas cidades nunca capturadas pela Coreia do Norte durante a guerra. A outra é Daegu, localizada a 88 quilómetros de distância.

Busan foi convertida na capital temporária durante a guerra, com as forças da Organização das Nações Unidas (ONU) a construir um perímetro à volta da cidade. Segundo a página oficial, devido à sua relativa segurança, Busan tornou-se a cidade para onde corriam os refugiados e “o último bastião do poder nacional”.

A escassez de espaço e de recursos levou os refugiados a Ami-dong, local que albergava um crematório e cemitério e ficava no sopé das montanhas de Busan. Este foi construído durante a ocupação japonesa da Coreia da Sul, entre 1910 e 1945.

Segundo um artigo sobre o guia oficial da cidade, durante esse período colonial, as zonas planas habitáveis de Busan e o centro da cidade junto aos portos marítimos foram desenvolvidos como território japonês. Os trabalhadores mais pobres instalaram-se no interior, junto às montanhas – onde estava o cemitério Ami-dong.

As lápides tinham os nomes e as datas de aniversário e da morte dos falecidos, gravados em Kanji, Hiragana, Katakana e outras formas de escrita japonesa, de acordo com um artigo de Kim Jung-ha, da Universidade Marítima da Coreia. A área do cemitério ficou abandonada após o fim da ocupação japonesa.

Quando os refugiados chegaram, desmantelaram os túmulos e utilizaram-nos para construir uma densa coleção de cabanas, acabando por criar uma pequena “aldeia” dentro do que se tornaria uma metrópole em expansão.

Wikimedia

Restos de uma lápide na aldeia de Ami-dong

Em 2008, antigos refugiados entrevistados por Kim Jung-ha descreveram a demolição dos muros do cemitério e a remoção de lápides para usar na construção, muitas vezes deitando fora as cinzas.

“Ami-dong era a fronteira entre a vida e a morte dos japoneses, a fronteira entre as zonas rurais e urbanas para os migrantes, e a fronteira entre a cidade natal e um lugar estrangeiro para os refugiados”, escreveu Kim Jung-ha.

Com o armistício assinado a 27 de julho de 1953 e o fim do conflito entre as Coreias, muitos dos refugiados partiram. Mas outros ficaram e continuaram a construir a vila.

De acordo com a CNN, Busan tem atualmente um aspeto muito diferente, sendo conhecida como um destino de férias à beira-mar. Em Ami-dong, muitas casas foram restauradas ao longo dos anos, mas os resquícios do passado permanecem.

Ao caminhar pela aldeia as lápides podem ser vistas nas soleiras das portas, nas escadarias e nas paredes. Fora de algumas casas, são utilizadas para sustentar botijas de gás e vasos de flores. Embora algumas ainda ostentem as inscrições, outras já foram desgastadas pelo tempo, o texto já não é legível.

No seu artigo de 2008, Kim Jung-ha contou que persistem na aldeia os relatos sobre fantasmas dos japoneses falecidos – figuras vestidas com quimonos que apareciam e desapareciam. Esses relatos, explicou, vão ao encontro da crença popular, na qual as almas dos mortos estão ligadas à preservação das suas cinzas ou restos mortais.

Ami-dong é hoje uma atração turística, mas ainda há vários residentes no local. Ao deixar a aldeia, lê-se numa placa: “Há um plano para construir um memorial no futuro, após a recolha das lápides espalhadas pelo local”.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.