Recuperada a cerveja que os faraós do Egito bebiam há 5.000 anos

(dr) Yaniv Berman / Autoridade de Antiguidades de Israel

Há evidências de que a cerveja já está com os humanos há pelo menos 13 mil anos, quando a cultura natufiana, um grupo de caçadores-coletores que viviam no Mediterrâneo oriental, preparou a bebida para venerar os mortos em celebrações rituais.

Segundo alguns investigadores, é possível até que a cerveja tenha impulsionado a agricultura. Mais tarde, o destino da cerveja correu em paralelo ao dos primeiros assentamentos e civilizações humanas. Na Mesopotâmia, bebiam uma cerveja, que chamaram “kas” em 4.000 a.C. Mesmo antes, em 5.000 a.C, sabe-se que os egípcios faziam o líquido dourado a partir de uma mistura de cevada e água fervida.

No antigo Egito, a cerveja fazia parte da dieta diária, relacionava-se com a adoração dos deuses e considerava-se que tinha propriedades curativas. Um grupo de investigadores da Universidade Hebraica de Jerusalém conseguiu criar cerveja a partir da levedura recuperada na superfície de embarcações que foram enterradas pelos antigos egípcios há 5.000 anos.

“A coisa mais maravilhosa é que as colónias de levedura sobreviveram dentro dos contentores durante milénios”, disse Ronen Hazan, um dos líderes da investigação, em comunicado, juntamente com Michael Kutstein. “Graças a essas leveduras antigas, criamos uma cerveja que nos permitiu descobrir como a cerveja era saboreada. E não é má”, ressaltou o investigador, cujo estudo foi publicado na revista mBio.

Os especialistas conseguiram extrair as leveduras e cultivá-las para fazer a bebida. Ron Hazan disse à ABC que o trabalho é importante no campo da arqueologia experimental: “A nossa investigação oferece novas ferramentas para estudar métodos antigos”.

Os fungos permaneceram durante milénios dentro de contentores que eram usados ​​para fabricar cerveja e hidromel. Especificamente, os recipientes foram enterrados na época do faraó Narmer (3000 a.C), o rei Aramean Hazael (800 a.C) e o Neemias (400 a.C).

Recuperá-los e aproveitá-los tem sido trabalhoso. Primeiro, os cientistas tiveram que procurar métodos para extrair as leveduras. Para isso, tiveram a colaboração de viticultores da vinícola Kadma, que produz vinho em recipientes de barro. Além disso, recriaram a antiga cerveja egípcia com a ajuda do especialista em cerveja Itai Gutman, até se certificar de criar uma bebida adequada para consumo humano.

Finalmente, sequenciaram o genoma da levedura e descobriram que são similares àqueles tradicionalmente usados ​​em receitas de bebidas africanas, como tej, e variedades mais modernas de leveduras.

“Estamos a falar de uma conquista importante”, disse Yuval Gadot, co-autor do estudo e investigador da Universidade de Tel Aviv. “Esta é a primeira vez que conseguimos produzir álcool antigo a partir de leveduras antigas. Noutras palavras, fizemos isso a partir das substâncias originais”.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Eu só queria que os cientistas fizessem uma varredura na verdadeira história da humanidade e relatassem a veracicidade dos gigantes na terra.

RESPONDER

Nova aplicação deteta insuficiência cardíaca através da voz

Foi desenvolvida uma nova aplicação para smartphones que prevê a insuficiência cardíaca através da voz. A tecnologia baseia-se num dos sintomas mais comuns: a falta de ar. O sintoma mais comum da insuficiência cardíaca é a …

Atividade física ajuda a prevenir a perda de visão

Uma nova investigação sugere que o exercício físico pode ser um componente-chave na prevenção da perda de visão. Os benefícios da atividade física são cada vez mais conhecidos, mas há alguns que devem ser tidos em …

Dubai vai construir uma cidade marciana no deserto

O Dubai tem em mãos um projeto ambicioso: a construção de uma cidade marciana. O projeto foi apresentado por uma empresa sediada em Copenhaga e Nova Iorque e é uma parte do plano dos Emirados …

Coreia do Norte voltou a rejeitar negociações com os Estados Unidos

A Coreia do Norte disse, esta terça-feira, que não tenciona retomar o diálogo com os Estados Unidos, quando o vice-secretário de Estado norte-americano, Stephen Biegun, chegou à Coreia do Sul para discutir diplomacia nuclear. Num comunicado …

Construiu uma cadeira de rodas com bicicletas elétricas para a namorada. Agora, vai produzi-la em massa

Para Zack Nelson, construir esta  peça inovadora de engenharia foi "super divertido e surpreendentemente simples". Há cerca de um ano, Zack Nelson, o youtuber de tecnologia do canal JerryRigEverything, uniu duas bicicletas elétricas para criar uma …

A reeleição de Trump nunca esteve tão ameaçada. A culpa é do pessimismo dos americanos

A gestão do Presidente norte-americano face à pandemia e a perspetiva de uma crise económica ameaçam a reeleição de Donald Trump. Um estudo de opinião da Fundação Peter G Peterson para o The Financial Times indica …

Ministros da Indonésia promovem colar de eucalipto como cura para a covid-19

O ministro da Agricultura da Indonésia foi muito criticado por especialistas por alegar que um colar feito de eucalipto pode ajudar a impedir a transmissão da covid-19. Segundo o The Guardian, o ministro da Agricultura da …

SATA pede auxílio ao Estado no valor de 163 milhões de euros

A SATA, companhia aérea detida a 100% pela Região Autónoma dos Açores, precisa do valor até ao final do ano para pagar dívidas. A SATA pediu um auxílio ao Estado de 163 milhões de euros para …

Cortiça portuguesa usada em foguetões da Space X

A Corticeira Amorim forneceu a Space X, de Elon Musk, para componentes usados nos foguetões espaciais da empresa, adiantou o presidente da empresa, António Rios Amorim. "É o nosso maior cliente [deste segmento] neste momento desde …

Pandemia põe em risco mais de 40% dos empregos no Algarve

Além do Algarve, outros destinos turísticos europeus, como ilhas do sul da Grécia, Canárias e Baleares, estão também em risco. As regiões onde o turismo tem mais peso enfrentam um risco maior de destruição de emprego, …