O equivalente a “1000 bombas de Hiroshima”. Rasto de destruição em Tonga após erupção submarina

Tonga Meteorological Services

Um tsunami atingiu, este sábado, a costa da ilha do Pacífico Sul de Tonga, após uma erupção de um vulcão submarino.

O vulcão Hunga-Tonga-Hunga-Ha’apai, ao largo de Tonga, entrou em erupção na sexta-feira, um dia antes da erupção de sábado que originou um tsunami que afetou o Pacífico, do Japão ao Peru e aos Estados Unidos.

“O tsunami teve um enorme impacto no litoral norte de Nuku’alofa”, a capital de Tonga, mas não há registo de vítimas no arquipélago, afirmou no domingo a primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern.

Já este domingo, uma nova “grande erupção” foi detetada num vulcão em Tonga, segundo revelou o Centro Australiano de Observação de Cinzas Vulcânicas. Este centro de monitorização referiu que a mais recente erupção do vulcão foi registada às 22h10 (hora de Lisboa).

A informação é corroborada pelo Centro de Alerta de Tsunami do Pacífico, que revelou ter registado “grandes ondas” na região, presumivelmente relacionadas com a atividade do vulcão no Pacífico sul.

À BBC, a Federação Internacional de Cruz Vermelha e Crescente Vermelho calcula que pelo menos 80.000 pessoas tenham sido afetadas no arquipélago. O tsunami deixou um rasto de destruição, com centenas de casas e hotéis inundados e muitas plantações agrícolas arruinadas.

A atmosfera na região está coberta de cinzas vulcânicas, foram registados cortes de energia e falhas nas comunicações, pelo que a Nova Zelândia anunciou o envio de uma avião para avaliar os estragos.

O impacto da erupção e do tsunami fez-se sentir a nível global, com diferentes escalas de intensidade. De acordo com a agência France-Presse, no Peru, duas mulheres morreram numa praia, por causa de “ondas anormais” provocadas pelo vulcão, a mais de 10.000 quilómetros.

Segundo o The Age, a erupção do vulcão Hunga Tonga-Hunga Ha’apai pode não corresponder à do Krakatoa – de 1883, na Indonésia –, mas a energia da explosão pode equivaler a 1000 bombas de Hiroshima.

Quando forem disponibilizadas as medições por satélite da pluma de cinzas, será possível estimar as quantidades de gases expelidas durante a erupção, nomeadamente dióxido de enxofre.

Portugal registou alterações no nível do mar

O tsunami desencadeado pela erupção de um vulcão em Tonga, no Oceano Pacífico, provocou em Portugal alterações no nível do mar nos Açores, na Madeira e na zona de Peniche, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

“O sinal de maior amplitude, cerca de 40 cm, foi registado em Ponta Delgada, Açores, tendo o fenómeno sido observado na ilha da Madeira (20 cm medidos no Funchal) e no Continente“, tendo os valores, aqui, sido genericamente “inferiores a 20 [centímetros], com exceção de Peniche, onde foram medidos 39 [centímetros]”, refere o IPMA, numa nota publicada no seu site.

A nota explica que “a origem destes registos está relacionada com a onda de choque atmosférica resultante da explosão no vulcão, a qual se propagou pelo globo, gerando condições particulares sobre os oceanos que potenciam a geração de um tsunami, neste caso designado por meteo-tsunami de origem vulcânica”.

“Este tsunami, gerado no oceano Pacifico, propagou-se pelos vários oceanos, incluindo o Atlântico, tendo-se observado variações do nível do mar em praticamente todas as estações maregráficas em operação na costa portuguesa, variações essas com amplitudes inferiores a meio metro”, informa o IPMA, acrescentando que “está a acompanhar o desenvolvimento da situação”.

A erupção de Hunga Tonga-Hunga Ha’apai, na sexta-feira, numa das ilhas desabitadas de Tonga, despoletou um tsunami que afetou o Pacífico, do Japão ao Peru e aos Estados Unidos, tendo sido emitidos vários alertas no sábado.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE