/

Químicos encontrados na comida e no ar ameaçam a fertilidade dos homens

2

Em apenas algumas gerações, a contagem de espermatozoides humanos pode diminuir para níveis abaixo daqueles considerados adequados para a fertilidade.

Esta é a afirmação alarmante feita no novo livro da epidemiologista Shanna Swan, “Countdown”, que reúne uma série de evidências para mostrar que a contagem de esperma dos homens ocidentais caiu mais de 50% em menos de 40 anos.

Isto significa que os homens que leem este artigo terão, em média, metade da contagem de espermatozoides dos seus avós. E, se os dados forem extrapolados para a sua conclusão lógica, os homens poderão ter pouca ou nenhuma capacidade reprodutiva de 2060 em diante.

Estas são afirmações chocantes, mas são apoiadas por um crescente corpo de evidências que está a encontrar anormalidades reprodutivas e declínio da fertilidade em humanos e animais selvagens em todo o mundo.

É difícil dizer se estas tendências vão continuar — ou se, se continuarem, podem levar à nossa extinção. Mas é claro que uma das principais causas desses problemas — os produtos químicos com que estamos cercados na nossa vida quotidiana — requer uma melhor regulamentação a fim de proteger as nossas capacidades reprodutivas e as das criaturas com as quais compartilhamos o nosso ambiente.

Contagem de espermatozoides em declínio

Estudos que revelam contagens de espermatozoides em declínio em humanos não são novos. Essas questões receberam atenção global pela primeira vez na década de 1990, embora os críticos apontassem para discrepâncias na forma como as contagens de espermatozoides eram registadas para minimizar os resultados.

Então, em 2017, um estudo mais robusto que contabilizou essas discrepâncias revelou que a contagem de espermatozoides dos homens ocidentais diminuiu em 50%-60% entre 1973 e 2011, caindo em média 1%-2% por ano.

Quanto mais baixa a contagem de espermatozoides de um homem, menor a probabilidade de conceber um filho através de relações sexuais. O estudo de 2017 adverte que os nossos netos podem possuir contagens de espermatozoides abaixo do nível considerado adequado para uma conceção bem-sucedida — provavelmente forçará “a maioria dos casais” a usar métodos de reprodução assistida até 2045, de acordo com Swan.

Igualmente alarmante é um aumento na taxa de abortos espontâneos e anormalidades de desenvolvimento em humanos, como desenvolvimento de pénis pequeno, intersexualidade e testículos não descendentes — associados ao declínio da contagem de espermatozoides.

Muitos fatores podem explicar estas tendências. Afinal, os estilos de vida mudaram drasticamente desde 1973, incluindo mudanças na dieta, exercício, níveis de obesidade e ingestão de álcool.

Mas, nos últimos anos, os investigadores identificaram o estágio fetal do desenvolvimento humano, antes que quaisquer fatores do estilo de vida entrem em jogo, como um momento decisivo para a saúde reprodutiva dos homens.

Durante a “janela de programação” para a masculinização fetal — quando o feto desenvolve características masculinas — foi demonstrado que as interrupções na sinalização hormonal têm um impacto duradouro nas capacidades reprodutivas masculinas até à idade adulta.

Esta interferência hormonal é causada por químicos nos nossos produtos de uso diário, que têm a capacidade de agir como as nossas hormonas ou de impedir que funcionem adequadamente em estágios-chave do nosso desenvolvimento.

Chamamos a isso de “produtos químicos desreguladores endócrinos” (EDCs, em inglês) e estamos expostos a eles através do que comemos e bebemos, do ar que respiramos e dos produtos que colocamos na pele.

Exposição aos EDCs

Os EDCs são passados ao feto pela mãe, cuja exposição aos produtos químicos durante a gravidez determinará o grau em que o feto sofre interferência hormonal. Isto significa que os dados atuais de contagem de espermatozoides não importam ao ambiente químico de hoje, mas ao ambiente de quando aqueles homens ainda estavam no útero. Esse ambiente está, sem dúvida, a tornar-se mais poluído.

Não é apenas um produto químico específico a causar a desregulação. Diferentes tipos de produtos químicos do dia-a-dia — encontrados em tudo, desde líquido da loiça a pesticidas, aditivos e plásticos — podem atrapalhar o funcionamento normal das nossas hormonas.

Alguns, como os da pílula contracetiva, foram projetados especificamente para afetar as hormonas, mas agora são encontrados em todo o meio ambiente.

  ZAP // The Conversation

2 Comments

  1. A continuar a utilização dos produtos químicos. indiscriminadamente, não valerá a pena investir na pílula anticoncepcional no masculino.

  2. Engraçado como os cientistas concluem tudo isto e ao mesmo tempo investe-se em mais medicamentos de origem sintética e vacinas para atribuir logo aos bebes e crianças.
    Double standard

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.