Quartos para universitários já custam mais do que um salário mínimo

Entrar numa faculdade já não é o maior desafio do Ensino Superior. Este ano, e repetindo a tendência dos últimos, a procura por um quarto continua a ser muito superior à oferta, multiplicando fraudes e irregularidades no arrendamento.

As rendas excessivas em Portugal não são novidade, mas têm assumido contornos mais graves nos últimos tempos. Atualmente, alugar uma casa torna-se impossível para um estudante que acabou de entrar na universidade. Os quartos – muitas vezes partilhados – parecem a única opção, mas até aqui a procura é difícil.

Num país onde o salário mínimo está fixado nos 580 euros e o médio nos 846, a renda média em Lisboa ronda os 830 euros, de acordo com a consultora imobiliária CBRE, citada pela revista Sábado. Entre 2016 e 2017, o valor do arrendamento em Lisboa subiu 23% e os jovens universitários têm ressentido esta inflação.

Lisboa lidera o topo das cidades mais caras para estudantes, mas também no Porto e em Braga os preços têm disparado.

“Estamos a falar de preços na cidade do Porto que rondam os 250 a 300 euros por mês, portanto é metade do salário mínimo nacional e são valores absolutamente incomportáveis para a típica família portuguesa”, observou o presidente da Federação Académica do Porto, João Pedro Videira. O presidente da FAP lamentou que a “maior fatia do orçamento” de um estudante universitário no Porto seja gasto no alojamento.

O custo total mensal de um universitário no Porto, explicou, ronda entre os 700 e os 900 euros mensais, atendendo a todos os gastos para a frequência do ensino superior, designadamente propinas, alojamento, alimentação, material escolar e livros – valores que se tornam incomportáveis para a maioria das famílias portuguesas.

De acordo com dados recolhidos pela FAP e pela Federação Académica de Lisboa (FAL), arrendar um quarto numa casa particular em Lisboa custa, em média, 450 euros – mais do dobro do que custa em Braga, onde os valores rondam os 200 euros.

Já no Porto o preço situa-se na média dos 275 euros mensais. Contudo, ambas federações garantem que já é comum neste ano letivo arrendar quartos a 550 e 600 euros nas duas principais cidades, ultrapassando assim o valor do salário mínimo.

Estado continua sem dar resposta

À grande procura e à consequente inflação dos preços, acresce a falta de resposta por parte do Governo. As residências universitárias são claramente poucas para o crescente número de estudantes que pretendem prosseguir os estudos.

Os estudantes estão prestes a chegar “a uma situação limite”, alertou João Pedro Videira citado pela revista. “O Estado, como a própria autarquia neste momento também, tem de começar a dar alguma resposta sobre esta matéria, porque estamos a achegar a uma situação limite, aliás já chegámos a uma situação limite em que se verificam cada vez mais estes valores”, avisou o presidente da FAP.

Também João Rodrigues, presidente da Federação Académica de Lisboa considerou, em declarações ao Diário de Notícias, que o Plano Nacional de Alojamento – direcionado para o Ensino Superior e lançado em maio pelo Governo – não está a funcionar.

Não acreditamos que este plano esteja a dar frutos. As instituições do ensino superior têm de ter um papel mais ativo, tal como o Governo, mas também as autarquias, não só no fomento das residências como no que diz respeito a medidas concretas para o mercado de alojamento”, considerou.

As associações estudantis são claras e partilham a mesma preocupação: as residências e os alojamentos destinados a universitários são cada vez mais mais escassos.

Irregularidades e fraudes

Face à enorme procura e às dificuldades encontradas pelos estudantes, proprietários e senhorioss tiram proveito da situação, cobrando preços ainda mais excessivos e com condições de entrada que ascendem a 2.000 euros.

Uma reportagem da TVI denunciou a situação. Tomando por exemplo um quarto na cidade de Lisboa, com o valor base de 420 euros, o senhorio diz que o valor não contempla as despesas da água e luz, que serão cobradas à parte. Além disso, acrescenta que não passa recibos de arrendamento, obrigatórios por lei.

De salientar que o recibo de arrendamento é crucial para os estudantes com bolsa de estudo estatal que se candidatam a alojamento nas residências públicas da universidade e não conseguem vaga – só assim é que conseguem alguma ajuda para o alojamento.

A situação não é única: em Anjos, há quartos por 500 euros, também sem qualquer recibo de arrendamento. Alguns senhorioss pedem ainda 2.000 euros à entrada – valor que contempla três meses de caução (1.500) mais o valor do mês de entrada (500).

Uma vez mais, as irregularidades no arrendamento a estudantes já são problemas antigos. Em 2017, o presidente da Associação Nacional de Proprietários, António Frias Marques, afirmava que o arrendamento a estudantes universitários em Portugal continuava a ser “um negócio à margem da lei”, praticado por inquilinos, através de subarrendamento.

Tudo isto pode representar um impedimento para os cerca de 50 mil estudantes que todos os anos aspiram em ingressar no Ensino Superior. A inflação do setor imobiliário e os apoios escassos do Governo podem por em causa a formação de milhares de estudantes que encontram no arrendamento o (maior) desafio da sua formação.

ZAP //

PARTILHAR

9 COMENTÁRIOS

  1. “Estado continua sem dar resposta”. Um Estado (governo) que se está lixando para quem não possui os rendimentos de ministros, secretários de estado, deputados, etc.. E não são apenas estudantes com estas dificuldades, pois existem inquilinos a pagarem de renda o que recebem mensalmente, isto no caso concreto de idosos pensionistas de baixos recursos. E não habitam em condomínios privados! Prédios antigos em que os senhorios exploram como verdadeiras sanguessugas. Onde para a geringonça? Ah! É igual à anterior caranguejola. Comem todos da mesma malga e lêem pela mesma cartilha. O que os diferencia são apenas as cores com que se identificam. E o Povo? Esse apenas serve para botar cruzinha nas eleições e depois é atirado ao lixo como um produto fora de validade.

  2. Os porcos na capital do império, há novecentos anos que emanam ordens para o resto do país: pois tudo sabem e tudo mandam; são uns sabões, uns sabonetes. Sim, porque continuamos pobres.
    Agora os porcos estão em delírio novamente; descobriram mais um “negócio da China”. Estes ignorantes que tudo sabem e tudo mandam, ignoram que há um País que não se revê naquela ostentação, naquele “novo-riquismo” que tudo atropela. Transformaram os nossos costumes e a nossa cultura, em folclore foleiro para uns, muitos, “camones” ignorantes como eles. Pobres porcos…

  3. O que esperavam! O governo foi criando a ilusão de vida melhor, foi contabilizando os magros aumentos de salários e reformas esquecendo-se de anunciar os aumentos do custo de vida, com o incitamento ao consumo, cá vai disto porque os portugueses em geral não são melhores que os governantes, sempre que podem meter a mãozinha em mais uns trocos não olham para trás, agora resta chegarmos ao ponto de rotura e depois no final ver quem fica a ganhar, chama-se a isto inflação que pelos vistos até está a passar ao lado da contabilidade das estatísticas, aguardamos!.

  4. verdade que a vida tem tido um custo cada vez mais algo, mas puxa os bares discotecas e as fazras não diminuíram, mas a culpa das coisas estarem assim, tão bem é dos estudantes que não apresentam queixas dessas coisas e mesmo sem ser estudantes tem culpa..

  5. Vou à Alemanha todos os anos e pago num hotel Holiday in e Mercure na (Essen Dusseldorf e Colonia) 60e com farto pequeno almoço para 4 pessoas o que doa 15e/pessoa.
    Vou emigrar de vez pois a qualidade de vida é melhor lá do que cá, ao contrario do que nos fazem crer.

    Ou estaremos a lançar noticias para financiar uma bolha imobiliária?
    Acredito neste ultimo cenário.

  6. Se as academias universitárias fizessem o seu trabalho, não havia problema…
    Uma academia com os negócios envolvidos na atividade festiva ao longo ano, facilmente organizavam com as próprias faculdades, residências ou blocos de residências de custo comportável para a maioria dos estudantes…

RESPONDER

Mais de mil condutores ficaram sem carta por perda de pontos

Mais de mil condutores ficaram sem carta de condução por perderem pontos, avança o Jornal de Notícias, dando conta que quase 300 pessoas tiveram que voltar à escola de condução para voltarem a ter permissão …

Confinado num hotel de luxo, funcionário abre 1400 torneiras a cada cinco dias

O diretor de engenharia do hotel W Barcelona, em Espanha, está a viver sozinho no estabelecimento turístico para garantir o seu pleno funcionamento até ao dia da reabertura. No âmbito das medidas impostas pelo Governo espanhol para …

Prisão preventiva para suspeito de matar estudante de psicologia em Lisboa

O suspeito de matar a estudante universitária de psicologia Beatriz Lebre, de 23 anos, ficou em prisão preventiva, depois de presente a primeiro interrogatório judicial, em Lisboa, disse à agência Lusa o advogado do arguido. Miguel …

BPI quer cobrar dívida de quase 5 milhões ao marido de Isabel dos Santos

O BPI interpôs um processo no Tribunal do Funchal, na Madeira, para cobrar uma dívida de 5 cinco milhões de euros ao marido da empresária Isabel dos Santos. A notícia é avançada este sábado pelo Diário …

Mais 13 mortes e 257 infetados. Região de Lisboa concentra 90% dos novos casos

Portugal regista este sábado 1.396 mortes relacionadas com a covid-19, mais 13 do que na sexta-feira, e 32.203 infetados, mais 257, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde. Registou-se um aumento de 0,8% no …

Recibos verdes e sócios-gerentes já podem pedir apoio relativo a maio

O formulário para os trabalhadores independentes e sócios-gerentes pedirem o apoio criado no âmbito da pandemia covid-19, relativo a maio, fica hoje disponível na Segurança Social Direta, podendo ser entregue até 9 de junho. O prazo …

Director nacional da PJ defende "recompensa garantida" para Rui Pinto

O director nacional da Polícia Judiciária (PJ), Luís Neves, realça a colaboração de Rui Pinto como tendo sido essencial para apurar a "verdade material" no caso de pirataria informática que o envolve e defende, por …

Lufthansa aceita condições do resgate. Vai ceder aviões e perder "slots"

O Governo da Alemanha e a Comissão Europeia (CE) chegaram a um acordo sobre o resgate da Lufthansa e que poderá evitar a falência da companhia aérea, anunciaram, na sexta-feira, fontes próximas das negociações e …

Chipre vai pagar despesas das férias a turistas que ficarem infetados no país

O Chipre vai pagar o custo das férias aos turistas que testaram positivo depois de viajarem para o país. Entre as despesas está o alojamento, a alimentação e os medicamentos. O Chipre comprometeu-se a pagar todas …

Tribunais vão vender máscaras a um euro. "É uma margem de lucro de 45 por cento"

Os tribunais vão ter máscaras cirúrgicas à venda para advogados e testemunhas, de modo a garantir que podem entrar nas salas de audiência a partir de quarta-feira, dia em que a Justiça retoma as sessões …