Qual o tamanho mínimo para que um planeta possa ser habitável? Cientistas responderam

NASA

Uma equipa de cientistas de Harvard revelou o tamanho crítico abaixo do qual um planeta nunca pode ser habitável, mesmo que esteja numa área com uma distância à sua estrela que permita a existência de água no estado líquido.

Os cientistas descobriram que o tamanho crítico é de, aproximadamente, 2,7% da massa da Terra. Se um objeto for menor do que 2,7% da massa do nosso planeta, a sua atmosfera escapará antes de ter a oportunidade de desenvolver água líquida superficial, tal como acontece atualmente com os cometas. Para colocar este número num contexto, a Lua corresponde a 1,2% da massa da Terra e Mercúrio a 5,53%.

A equipa foi também capaz de estimar as zonas habitáveis desses pequenos planetas em torno de certas estrelas. Para tal, modelaram dois cenários possíveis para dois tipos diferentes de estrelas: uma estrela do tipo G, como o nosso próprio Sol, e uma estrela do tipo M, inspirada numa anã vermelha na constelação de Leo.

Segundo o Europa Press, o efeito de estufa descontrolado ocorre quando a atmosfera absorve mais calor do que aquele que consegue irradiar para o Espaço, impedindo assim que o planeta arrefeça causando um aquecimento incontrolável que acaba por transformar os oceanos em vapor.

No entanto, quando os planetas diminuem de tamanho, algo de extraordinário acontece: à medida que aquecem, as suas atmosferas expandem-se, ficando cada vez maiores em relação ao tamanho do planeta. Essas grandes atmosferas aumentam a absorção de calor e a radiação, permitindo que o planeta mantenha uma temperatura estável.

A expansão atmosférica impede que os planetas de baixa gravidade sofram um efeito estufa descontrolado, permitindo, assim, que consigam manter a água líquida na superfície enquanto orbitam mais perto das suas estrelas.

Em sentido inverso, quando os planetas se tornam demasiado pequenos, perdem completamente a sua atmosfera e, consequentemente, a água líquida presente na superfície congela ou evapora.

Desta forma, a equipa de Harvard provou que existe um tamanho crítico abaixo do qual um planeta nunca pode ser habitável, o que significa que a zona habitável é limitada não apenas no Espaço, mas também no tamanho do planeta.

Nesta investigação, os cientistas resolveram outro antigo mistério do nosso próprio Sistema Solar. Há muito que a comunidade científica se questionava sobre se as luas de Júpiter seriam habitáveis caso a radiação solar aumentasse. Ora, segundo esta tese, estas luas são demasiado pequenas para manter a água líquida da superfície, mesmo estando mais próximas do Sol.

Quando as observações de mundos aquáticos de baixa massa forem possíveis, “será empolgante tentar testar estas previsões”, rematou Robin Wordsworth, principal autor do estudo, publicado recentemente no Astrophysical Journal.

ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Pode haver vida em qualquer ambiente. Vida humana só em nosso ambiente. Mas existem outras vidas. Até aqui na Terra existe dúvida onde não é possível. Como nos desertos ( último recurso de salvação do mundo). Uma chuvinha já floresce. Como nas fossas abissais, não há luz mas tem vida. Tanto espaço, tantos mundos. Tantas VIDAS possíveis.

RESPONDER

Donald Trump desiste de realizar o G7 no seu clube de golfe em Miami

A decisão de Donald Trump, a braços com um processo de impeachment, de usar um dos seus resorts levantou dúvidas sobre conflito de interesses. O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, abandonou a ideia de realizar …

Costa vai a Belém apresentar secretários de Estado. Patrícia Gaspar e Antero Luís na lista

O primeiro-ministro indigitado, António Costa, vai esta segunda-feira a Belém apresentar ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, os nomes dos secretários de Estado que vão integrar o próximo Governo. O encontro, marcado para as 11 …

Chernobyl transforma-se num santuário para uma rara espécie de cavalos

Chernobyl tem sido o inesperado lar de uma espécie de cavalos em vias de extinção. Dezenas de cavalos de Przewalski foram observados em edifícios abandonados na zona radioativa da cidade ucraniana. Surpreendentemente, uma espécie de cavalos …

Sánchez desloca-se a Barcelona para “visitar agentes feridos” e lembra obrigações de Torra

O presidente do governo espanhol, em funções, Pedro Sánchez, desloca-se esta segunda-feira a Barcelona, após ter criticado o presidente do governo regional da Catalunha por não ter condenado com firmeza os atos de violência dos …

Governo de Hong Kong pede desculpas após polícia pulverizar mesquita

O Governo de Hong Kong pediu esta segunda-feira desculpas a líderes muçulmanos, depois da polícia antimotim ter pulverizado um portão da mesquita e algumas pessoas com um canhão de água, quando as autoridades tentavam dispersar …

Bolívia. Resultados preliminares dão vitória a Morales, mas com segunda volta

O chefe de Estado boliviano lidera os resultados preliminares da primeira volta das eleições Presidenciais, mas parece ser obrigado a disputar uma segunda ronda contra o ex-Presidente Carlos Mesa. A autoridade eleitoral da Bolívia indicou que, …

Telemóveis e computadores podem acelerar o envelhecimento

Uma nova investigação, levada a cabo por cientistas da Oregon State University, nos Estados Unidos, concluiu que a exposição diária à luz azul, como aquela que é emitida por telemóveis e computadores, pode afetar a …

Quatro espeleólogos portugueses desaparecem em gruta espanhola

Uma equipa de resgate foi acionada para localizar quatro espeleólogos portugueses que estão desde sábado na gruta de Cueto-Coventosa, em Espanha, com os trabalhos de socorro a serem dificultados pelo aumento do nível da água Quatro …

Afinal, Vénus pode não ser tão semelhante à Terra como pensávamos

Uma nova investigação questiona a habitabilidade de Vénus, planeta que os cientistas consideram há pouco tempo numa outra investigação poder ter um clima habitável semelhante ao da Terra. De acordo com a nova investigação, cujos …

Há gelo no polo sul da Lua e pode ter muitas fontes

Um novo estudo sugere que o gelo encontrado na superfície lunar pode ter milhares de milhões de anos, além de ter surgido de diferentes fontes. O estudo, publicado recentemente na Icarus, sugere que a maioria do …