PS quer saber “quem paga e como paga” greve dos enfermeiros

Rodrigo Antunes / Lusa

Enfermeiros manifestam-se em frente aos Hospital de Santa Maria

O Partido Socialista quer “saber quem paga e como paga” a greve cirúrgica levada a cabo pelos enfermeiros, que arrancou na semana passada e parou já centenas de cirurgias programas, revela o jornal Público esta quinta-feira.

Segundo escreve o matutino, o Grupo Parlamentar do PS vai avançar com “todas as acções” que se revelem “necessárias” para a “clarificação” da forma de financiamento da “greve cirúrgica” dos enfermeiros.

Em declarações ao diário, Tiago Barbosa Ribeiro, coordenador dos socialistas na Comissão Parlamentar de Trabalho, sustenta que é “dever” do partido “questionar a origem das centenas de milhares de euros que estão a circular sem rastreio público”.

Alegando que “nada impede que interesses contrários ao SNS [Serviço Nacional de Saúde], sejam eles privados ou de qualquer outra índole, possam utilizar este mecanismo para fragilizar o sistema público”, o deputado explicou por escrito ao jornal que o partido quer “saber quem paga e como paga” este protesto e, por isso, vai “desenvolver todas as ações necessárias à obtenção dessa clarificação perante o país”.

A identidade de quem contribui para financiar a greve continua em mistério, tendo o primeiro-ministro questionar a forma de financiamento. Por sua vez, o Ministério da Saúde disse estar também a “avaliar a licitude do financiamento colaborativo”.

Tendo em conta que cerca de um quinto dos contribuintes que participaram nesta segunda recolha de fundos surgem na plataforma como anónimos, o Público pediu ao movimento a lista de doadores – mas sem sucesso.

Nelson Cordeiro, o enfermeiro que gere o fundo solidário, disse ao diário que a lista em causa só será divulgada se um “procedimento judicial” assim o obrigar. O profissional de saúde sustenta  que a divulgação dos nomes poria em causa o direito à proteção dos dados pessoais. “Sem autorização das pessoas não o posso fazer isso”, frisa. Os anónimos, pelas suas contas, contribuíram com cerca de 50 mil num total de mais de 420 mil euros.

“Isto só serve para desviar as atenções do que verdadeiramente interessa”, atirou, recordando que apesar de surgirem na plataforma como anónimos, os doadores forneceram os seus contactos, estão identificados.

Plataforma de crowdfunding já lucrou 72 mil euros

Desde novembro, os enfermeiros já angariaram 784.245 euros para viabilizar duas greves cirúrgicas na plataforma de crowdfunding PPL. Segundo o escreve esta quarta-feira o Correio da Manhã esta quinta-feira, dos 784 mil euros acumulados, os enfermeiros já tiveram de pagar mais de 72 mil euros à própria plataforma.

Deste valor, nota ainda o matutino, 13.528 euros irão seguir para o Estado, devido a questões de IVA. Para o primeiro protesto, que decorreu de 22 de novembro a 31 de dezembro de 2018, os enfermeiros conseguiram 360.297 euros, e para o segundo que começou a 31 de janeiro e deverá durar até 28 de fevereiro, 423.945 euros.

Neste momento, a identidade de quem contribuiu para o fundo continua em mistério.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. epá essa sempre foi uma pergunta que sempre fiz… quem é que no seu perfeito juízo vai contribuir com dinheiro para uma greve? Ainda para mais dos enfermeiros que estão a prejudicar pessoas por causa de caprichos!
    Os enfermeiros não são os financiadores, pois estes não vão pagar uma coisa para depois voltarem a receber… não faz sentido!
    Mas a hipótese dos sistemas privados terem interesse em fragilizar o serviço publico e com isso ganhar cota de mercado, já não é nada descabida!
    É necessário apurar quem foram os mecenas… Obviamente não queremos saber publicamente quem foi, mas que as autoridades saibam, é essencial para se conseguir investigar…

RESPONDER

Regionalização, um "poema de um calceteiro" e (mais) críticas a Marcelo. O último debate presidencial

Os candidatos presidenciais juntaram-se em mais um debate conjunto antes das eleições. Falou-se da ausência de Ventura, regionalização, justiça e até jardinagem. O primeiro tema a marcar o debate das rádios foram as medidas de confinamento …

Em plena pandemia, houve cinco setores que conseguiram faturar mais do que em 2019

Apesar de a pandemia ter levado muitos setores da economia para os piores resultados de sempre, nem todos perderam faturação durante os meses de março a novembro da crise sanitária, algum conseguiram mesmo aumentar. Neste sentido, …

Pesadelo de Özil no Arsenal chega ao fim com transferência para o Fenerbahçe

O futebolista alemão Mesut Özil, dos ingleses do Arsenal, confirmou que vai assinar pelos turcos do Fenerbahçe, depois de vários meses sem jogar pelos 'gunners'. "Estou muito feliz e muito animado, por Deus me ter dado …

Palácio mais antigo da China é descoberto perto de antiga capital. Tem mais de 5000 anos

Um Palácio descoberto no sítio arqueológico de Shuanghuaishu, nos arredores da cidade de Zhengzhou, uma das oito capitais antigas da China, foi construído por volta de 3300 a.C., ou seja, tem atualmente cerca de 5.300 …

"Há exceções a mais". Marques Mendes defende que Governo deve reavaliar medidas de confinamento

No seu habitual espaço de comentário na SIC, no domingo à noite, Luís Marques Mendes falou sobre as novas medidas de confinanento e das eleições presidenciais. Depois de uma semana a bater recordes em números de …

O cenário "é de guerra" e o medo é de a perder. Temido admite que "estamos muito próximos do limite"

Após uma visita ao Hospital Garcia de Orta, que alertava no sábado para um "cenário de pré-catástrofe", Marta Temido admitiu que o Serviço Nacional de Saúde, os operadores sociais e privados estão em "extremo sobreesforço". Marta …

Discutir sobre temas controversos requer mais atividade cerebral do que concordar

Uma nova investigação da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, confirmou aquilo que o senso comum já vaticinava: discutir sobre temas controversos requer muito mais atividade cerebral do que simplesmente concordar. De acordo com a nova …

Estado de emergência vai manter-se até março. Marcelo admite confinar mais o país

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, esteve este domingo no Hospital Santa Maria, em Lisboa, onde admitiu confinar mais o país devido à pressão nos hospitais. Em declarações aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa, …

"São dores de crescimento". CNE admite problemas no voto antecipado, mas promete solução no futuro

Domingo foi dia de voto antecipado para 246.880 eleitores, um número recorde desde que esta modalidade foi introduzida no país. As longas filas e alguns ajuntamentos, numa altura em que o país vive um novo …

Costa convoca Conselho de Ministros extraordinário. Café ao postigo em risco (e ATL até 12 anos podem reabrir)

O Governo convocou um Conselho de Ministros extraordinário para decidir novas medidas de confinamento. Em cima da mesa estará a hipótese de acabar com o café ao postigo e a possível abertura dos ATL até …