/

PS está a 16 pontos do PSD. Bloco e Chega empatados

2

Rodrigo Antunes / Lusa

O primeiro-ministro, António Costa

A sondagem da Aximage para o Jornal de Notícias, Diário de Notícias e TSF revela que o PS continua a ganhar distância face ao PSD, levando uma vantagem de 16 pontos, o que coloca o partido do Governo a reunir mais intenções de voto do que a direita inteira. 

De acordo com a sondagem para o Jornal de Notícias, Diário de Notícias e TSF, o PS subiu de 37,6% para 39,7% de intenções de voto, assegurando uma vantagem de 16 pontos percentuais em relação ao PSD, que tem 23,6% – uma queda de três pontos.

O terceiro lugar volta a ser disputado pelo Bloco de Esquerda, que subiu em relação ao mês passado, e o Chega, que também recuperou. O partido liderado por Catarina Martins tem 8,6% de intenções de voto e o partido liderado por André Ventura regista 8,5%.

A CDU mantém-se estável na quinta posição com 6%, seguida pela Iniciativa Liberal, que perdeu um ponto percentual e tem agora 4,8% de intenções de voto.

No mês quem que foi conhecida a decisão de André Silva de abandonar a liderança do PAN, o partido regista 3,2%, perdendo umas décimas face ao mês passado.

Já o CDS tem uma ligeira subida, ficando com o 1,1%. Por seu lado, o Livre, que tinha subido em fevereiro, volta a baixar para 0,8%.

Analisando a transferência de voto em relação à forma como os inquiridos escolheram nas últimas legislativas, o PS atrai cerca de 22% dos eleitores do Bloco de Esquerda, retém 86% dos seus votantes e vai buscar intenções de voto a quase metade daqueles que, nesta sondagem, se abstiveram em 2019.

O PSD tem menos capacidade de reter os seus eleitores (77,5%) e consegue captar cerca de 16% de eleitores da Iniciativa Liberal.

O eleitorado mais fixo é o do Chega (93%), conseguindo beneficiar de metade daqueles que, nesta sondagem, dizem ter votado no CDS, em 2019. Segue-se a CDU com quase 93% de eleitores fixos.

Só Costa tem nota positiva

Entre os líderes partidários, apenas António Costa tem nota positiva.

Embora numa nota negativa, Rui Rio fica perto de um empate e Catarina Martins recupera alguma avaliação positiva, embora esteja, como todos os restantes dirigentes, ainda em terreno negativo.

Francisco Rodrigues dos Santos é quem regista o valor mais baixo de avaliações positivas (15%) e André Ventura continua a ser o nome com mais avaliações negativas (62%).

  Maria Campos, ZAP //

 

2 Comments

  1. O Rui Rio começou muito bem, com a retorica de que 1º estava Portugal, acima dos interesses do PSD, continuou em alta, com esta argumentação de salvador da Pátria, até que foi convencido pelos Tachistas do PSD a mudar para uma argumentação oportunista, populista como se os Portugueses ainda estivessem naquela mentalidade partidária como a clubista, em que por exemplo o benfiquismo, ora esse tempo (do Cavaquismo, Jardinismo, Soarismo, etc.) já passou, as Pessoas estão mais cultas e maduras politicamente, hoje as pessoas valem por os atos, e com franqueza levantar bandeiras com cheiro a podre, fazer lembrar a inesquecível, quer queiramos ou não, de má memoria, politica e argumentação dos tempos de Passos Coelho, só pode dar para cavar a cova mais fundo, e ou o Rui Rio larga esses conselheiros Obcecados que apenas estão apressados pelo Tacho, ignorar os concelhos do Jardim, e seguir a sua própria politica e ideias, ou dará um trambolhão de todo o tamanho, os mesmos conselhos já foram dados ao Moedas que teve uma posição classificada de oportunismo com o descalabro dos Sportinguistas, onde perdeu já muitas intenções de voto, estas formas de fazer politica estão ultrapassadas já não se é PSD ou PS porque é PSD ou PS, hoje ganha-se eleições pela qualidade que se demonstra, não pelas criticas que se faz, e assim sendo estas sondagens, a margem de distancia até podem estar erradas por defeito, não estranho que seja muito superior, ou o RR retorna ás suas ideias, do politico diferente ou o PSD com ou sem Rui Rio apaga-se.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE