Proibido na Índia: cientistas dos EUA vão “ressuscitar” cérebros na América Latina

A equipa de cientistas da empresa biotecnológica norte-americana Bioquark pretendem retomar as suas experiências de “ressuscitação” de cérebros de pessoas mortas, que, depois de terem sido proibidas na Índia, desta vez serão realizadas na América Latina, informou o CEO da empresa Aira Pastor.

“Claro que é ridículo esperar que tudo dê certo pela primeira vez, usando apenas um método. Assim, vamos aplicar vários métodos ao mesmo tempo. Acho que temos muitas probabilidades de sucesso, só precisamos de nos focar nesta ideia e encontrar as pessoas certas para a concretizar”, disse Aira Pastor à Scientific American.

Em maio do ano passado, as autoridades norte-americanas concederam à Bioquark uma inédita licença para reamimar 20 mortos, experiência em que a empresa de Filadélfia iria tentar recuperar parte das funções do cérebro com uma proteína sintética, BQ-A, células estaminais especiais, estímulos com lasers e estímulos eléctricos do sistema nervoso.

Originalmente, os cientistas da Bioquark planeavam realizar as suas experiências na Índia, num hospital onde contavam com um grupo de “voluntários” em estado de morte clínica, cujos parentes tinham concordado doar os seus corpos para fins científicos.

A “morte cerebral” das vítimas tinha sido causada por enfartes e problemas cardíacos diversos, condições em que o corpo do doente permanece vivo com a ajuda de máquinas, mas o cérebro já não funciona. A partir do momento em que uma pessoa não seja capaz de viver sem a ajuda de máquinas, é considerada como morta.

A morte cerebral é causada pela atrofia dos sectores inferiores do tronco cerebral, por exemplo na consequência de um trauma ou de falta sistemática de oxigénio. Esta parte do cérebro é crítica para o organismo humano, pois sem ela o corpo não consegue respirar ou controlar a actividade cardíaca.

No âmbito do projecto ReAnima, os cientistas esperavam, com a ajuda de injecções de BQ-A, células estaminais e impulsos de lasers, “voltar a pôr em funcionamento” o cérebro de pessoas mortas, mas o Conselho de Pesquisas Médicas da Índia proibiu a realização destas experiências, por razões formais e éticas, em novembro de 2016.

De acordo com Pastor, a Bioquark está agora já nas últimas etapas de conversações com autoridades de países latino-americanos, que já aceitaram a ideia da empresa. Segundo o cientista, as primeiras experiências podem começar este verão. Já os locais onde os ensaios vão ter lugar serão revelados “nos próximos meses”.

O objetivo principal destes ensaios, sublinha o diretor da Bioquark, não é “ressuscitar completamente pessoas, mas apenas a recuperação parcial da actividade cerebral depois de ser determinada a morte clínica. Caso os cientistas consigam ultrapassar esta tarefa, então os especialistas da Bioquark darão os passos seguintes.

Alguns cientistas continuam no entanto a achar que estas experiências “são cientificamente infundadas” e acusam a Bioquark de dar às pessoas esperanças inúteis baseadas na expectativa de trazer de volta os seus entes falecidos. A realização de tal proeza, dizem, teria que ser reconhecida como um milagre. “Até mesmo pelo Papa“.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Cientistas investigam estranho gelo cor-de-rosa num glaciar dos Alpes italianos

Uma equipa de cientistas anunciou esta segunda-feira estar a tentar averiguar a origem de gelo cor-de-rosa num glaciar nos Alpes italianos. O fenómeno deverá ser provocada por algas que aceleram os efeitos das mudanças climáticas. A origem …

Especialistas de 32 países alertam OMS: covid-19 também se transmite pelo ar

Numa carta aberta à Organização Mundial de Saúde, 239 cientistas pedem que a organização reveja as recomendações que tem emitido, alertando para o facto de a covid-19 poder transmitir-se pelo ar. Numa carta dirigida à Organização …

Moreirense 0-0 Sporting | Nulo em jogo de pólvora seca

A 30ª jornada fechou no Minho com um nulo entre Moreirense e Sporting, que continua sem derrotas sob o comando de Rúben Amorim. A formação leonina poderia muito bem ter vencido em Moreira de Cónegos, pois …

Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, …

Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba por causa da covid-19

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a "pedra negra", presentes na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as …

Países Baixos continuam a abater milhares de martas. 20 quintas afetadas pela pandemia

Esta segunda-feira, as autoridades holandesas abateram milhares de martas em mais duas fazendas onde foram detetados surtos de covid-19. Esta segunda-feira, as autoridades abateram milhares de martas em mais duas fazendas, sendo agora 20 as quintas …

Cientistas criam robô para fazer testes à covid-19 (e proteger os profissionais de saúde)

O Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM) desenvolveu um novo robô de coleta remota de amostras que elimina o contacto direto entre os profissionais de saúde e os pacientes, potencialmente infetados com o novo …

"Não use desodorizante". A peculiar estratégia de Berlim para promover o uso de máscaras nos transportes públicos

"Não use desodorizante". Esta é a peculiar campanha adotada pela empresa que controla os transportes públicos em Berlim, na Alemanha, para promover o uso correto de máscaras, evitando assim novos casos de covid-19.  Tal como escreve …

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de amostras do vírus em Espanha, …

Federer sente falta de Wimbledon. "Deu-me tudo"

Roger Federer admitiu sentir a falta de Wimbledon, o torneio do "Grand Slam" que, se não tivesse sido cancelado devido à pandemia de covid-19, estaria a decorrer em Londres. O tenista suíço Roger Federer admitiu, esta …