Primeiro transplante de medula óssea em Portugal foi há 30 anos

O primeiro transplante de medula óssea foi feito há 30 anos no IPO de Lisboa a uma criança de seis anos e foi “um sucesso”. Cientificamente, a evolução nunca parou neste instituto, faltando agora capacidade para responder à procura.

“Não temos o número de camas para responder a todas as necessidades do país e aqui no Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa somos particularmente penalizados por isso”, disse à agência Lusa Manuel Abecasis, o médico que dirige o departamento de hematologia e do serviço de transplantação de progenitores hematopoiéticos.

Este hematologista, que há 30 anos realizou o primeiro transplante de medula óssea, no IPO de Lisboa, adiantou que em cima da sua secretária tem uma lista com 40 doentes que aguardam um transplante.

“Se eu hoje encerrar a lista, temos doentes para transplantar até ao final do ano. E todas as semanas chegam casos novos”, disse, reconhecendo que, sem o transplante, estes doentes “correm risco de vida” e que “muito provavelmente” acabarão por morrer sem esta intervenção.

Se a falta de resposta à procura se tem mantido, melhor é a resposta em termos das células necessárias para o transplante. “Graças a um desenvolvimento que surgiu há cerca de 4, 5 anos atrás, pode dizer-se que hoje em dia é raro o doente que não tem um dador compatível”, disse.

Esta nova abordagem veio permitir transplantar doentes com o pai ou uma mãe, um filho ou uma filha, uma evolução determinante numa sociedade com cada vez menos irmãos.

“A grande complicação que havia teoricamente associada a este tipo de transplante haploidêntico era a doença do enxerto contra o hospedeiro, situação curiosa em que os linfócitos do dador reconhecem o organismo do doente como organismo estranho e vão atacá-lo e querer destrui-lo e pode ser muito grave e até matar o doente”, explicou.

Esta doença era “um obstáculo inultrapassável nos transplantes haploidênticos”, mas nos anos 90 apercebeu-se que 1% de células úteis no transplante (os restantes 99% vão para “o lixo”) têm a propriedade de poder neutralizar um medicamento (ciclofosfamida) que, por sua vez, é fatal para os linfócitos”.

“Se nós, nos dias a seguir ao transplante haploidêntico, quando os linfócitos do dador estão em grande proliferação para atacar o organismo do hospedeiro, dermos uma grande dose de ciclofosfamida, matamos esses linfócitos todos, mas não matamos as células que verdadeiramente vão dar origem à medula óssea. Estas células, como têm uma enzima que neutraliza a ciclofosfamida, sobrevivem e conseguem repor a medula óssea”, adiantou.

Este avanço era impensável há 30 anos, quando uma criança de seis anos, com uma “leucemia péssima”, foi sujeita ao primeiro transplante e “com sucesso”. Morreria um ano mais tarde por complicações da doença.

Desde então, o serviço realizou cerca de 2.000 transplantes de medula e o mais antigo sobrevivente tem hoje 33 anos e já é pai, resistindo assim aos efeitos da quimioterapia que é realizada antes do transplante, para matar todas as células da medula, as leucémicas e as outras.

Outra diferença significativa passa pelo local de colheita das células a transplantar.

“Na altura, no ato do transplante só podíamos ir colher células à própria medula óssea do dador. Hoje em dia também se podem obter no sangue periférico. De uma veia do braço podem colher-se células para o transplante, e também no sangue do cordão umbilical, o que foi um avanço muito grande”, disse.

Para Manuel Abecasis, “tudo isto evoluiu imenso. Quando começámos, tínhamos poucos antibióticos à disposição, não tínhamos medicamentos eficazes contra vírus, como temos hoje, praticamente não tínhamos medicamentos para tratar infecções por fungos, que era uma causa importante de morte dos doentes”.

Escolhemos o dador entre os irmãos do dador, porque é aí que vamos encontrar a melhor compatibilidade. Hoje em dia as famílias são muito pequenas. Passámos a trabalhar num universo completamente diferente, sem dadores na própria família”, explica.

“E isso levou a que se desenvolvessem os registos ou painéis de dadores voluntários, pessoas perfeitamente altruístas que se ofereciam para dar células a quem precisasse de fazer um transplante e não tivesse um dador na família”.

Ao longo destes 30 anos, afirmou, “este projecto dos bancos de dadores cresceu imenso, ao ponto de hoje em dia termos um universo de quase 30 milhões de pessoas onde podemos procurar um dador para os nossos doentes”.

Em Portugal existe um banco de dadores com 400 mil voluntários. Quase 50% dos doentes são transplantados com dadores portugueses. O número de transplantes de medula óssea deverá crescer para os 120 anuais após as obras nesta unidade, que deverão começar em breve.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Estado de Nova Iorque com mais mortes por Covid-19 do que França ou Espanha

Os Estados Unidos registaram 1.252 mortos e 63.913 infetados com o novo coronavírus nas últimas 24 horas, segundo uma contagem independente da Universidade Johns Hopkins. Os últimos números de casos e óbitos registados devido a Covid-19 …

Turistas voltam a viajar, mas optam pelo low-cost

Mesmo num contexto de pandemia mundial o desejo de ir de férias continua vivo. Os turistas voltaram a procurar voos, contudo as opções recaem em percursos de curta distância e mais económicos. Ao longo dos últimos …

Ventura anuncia recandidatura ao Chega e só sai do parlamento quando “metade daquela esquerda" sair

André Ventura anunciou esta noite a recandidatura à liderança do Chega, numa cerimónia em Leiria em que disse que só vai sair do parlamento “quando metade daquela esquerda sair”. “Estamos a fazer uma revolução democrática e …

Esqueletos revelam que fosso entre ricos e pobres começou a abrir-se há 6.600 anos

A análise a ossos encontrados numa sepultura na Polónia mostram que o fosse entre ricos e pobres na Europa começou a abrir-se muito antes daquilo que se pensava. O desaparecimento da classe média é um problema …

Super-Terras quentes podem ter atmosferas metálicas brilhantes

Os cientistas querem perceber porque é que as super-Terras quentes possuem um brilho tão chamativo - e já há uma hipótese em cima da mesa. Os exoplanetas, chamados de super-Terras quentes, podem ser particularmente brilhantes e …

As larvas de peixe-sol são adoráveis (mas crescem e tornam-se gigantescos "nadadores")

Uma equipa de cientistas australianos e neozelandeses descobriram as fases iniciais da larva gigante de peixe-sol. Pela primeira vez, o sequenciamento de ADN identificou as larvas do peixe-sol (Mola alexandrini). O peixe-sol, conhecido cientificamente como Mola …

Telescópio Webb vai estudar Júpiter, os seus anéis e duas intrigantes luas

Júpiter, que tem o nome do rei dos antigos deuses romanos, comanda a sua própria miniversão do nosso Sistema Solar de satélites circundantes; os seus movimentos convenceram Galileu Galileu de que a Terra não era …

Turista danifica escultura do século XIX enquanto posa para fotografia (e é apanhado pelas câmaras de vigilância)

A polícia italiana identificou um austríaco de 50 anos que danificou uma estátua do século XIX num museu em Itália, enquanto posava para uma fotografia. O incidente ocorreu no passado dia 31 de junho, segundo …

Covid-19: Brasil supera as 100.000 mortes

O Brasil ultrapassou hoje a barreira das 100.000 mortes associadas à covid-19, quase cinco meses depois da confirmação do primeiro óbito no país, indicam dados oficiais divulgados pelas secretarias regionais de Saúde. Segundo os mais recentes …

As vacas leiteiras têm relações complexas (que se alteram quando mudam de grupo)

Uma nova investigação levada a cabo por cientistas do Chile e dos Estados Unidos concluiu que as vacas leiteiras vivem em redes sociais complexas que se alteram quando estes animais são movidos para outros grupos.  Para …