Primeiro transplante de medula óssea em Portugal foi há 30 anos

O primeiro transplante de medula óssea foi feito há 30 anos no IPO de Lisboa a uma criança de seis anos e foi “um sucesso”. Cientificamente, a evolução nunca parou neste instituto, faltando agora capacidade para responder à procura.

“Não temos o número de camas para responder a todas as necessidades do país e aqui no Instituto Português de Oncologia (IPO) de Lisboa somos particularmente penalizados por isso”, disse à agência Lusa Manuel Abecasis, o médico que dirige o departamento de hematologia e do serviço de transplantação de progenitores hematopoiéticos.

Este hematologista, que há 30 anos realizou o primeiro transplante de medula óssea, no IPO de Lisboa, adiantou que em cima da sua secretária tem uma lista com 40 doentes que aguardam um transplante.

“Se eu hoje encerrar a lista, temos doentes para transplantar até ao final do ano. E todas as semanas chegam casos novos”, disse, reconhecendo que, sem o transplante, estes doentes “correm risco de vida” e que “muito provavelmente” acabarão por morrer sem esta intervenção.

Se a falta de resposta à procura se tem mantido, melhor é a resposta em termos das células necessárias para o transplante. “Graças a um desenvolvimento que surgiu há cerca de 4, 5 anos atrás, pode dizer-se que hoje em dia é raro o doente que não tem um dador compatível”, disse.

Esta nova abordagem veio permitir transplantar doentes com o pai ou uma mãe, um filho ou uma filha, uma evolução determinante numa sociedade com cada vez menos irmãos.

“A grande complicação que havia teoricamente associada a este tipo de transplante haploidêntico era a doença do enxerto contra o hospedeiro, situação curiosa em que os linfócitos do dador reconhecem o organismo do doente como organismo estranho e vão atacá-lo e querer destrui-lo e pode ser muito grave e até matar o doente”, explicou.

Esta doença era “um obstáculo inultrapassável nos transplantes haploidênticos”, mas nos anos 90 apercebeu-se que 1% de células úteis no transplante (os restantes 99% vão para “o lixo”) têm a propriedade de poder neutralizar um medicamento (ciclofosfamida) que, por sua vez, é fatal para os linfócitos”.

“Se nós, nos dias a seguir ao transplante haploidêntico, quando os linfócitos do dador estão em grande proliferação para atacar o organismo do hospedeiro, dermos uma grande dose de ciclofosfamida, matamos esses linfócitos todos, mas não matamos as células que verdadeiramente vão dar origem à medula óssea. Estas células, como têm uma enzima que neutraliza a ciclofosfamida, sobrevivem e conseguem repor a medula óssea”, adiantou.

Este avanço era impensável há 30 anos, quando uma criança de seis anos, com uma “leucemia péssima”, foi sujeita ao primeiro transplante e “com sucesso”. Morreria um ano mais tarde por complicações da doença.

Desde então, o serviço realizou cerca de 2.000 transplantes de medula e o mais antigo sobrevivente tem hoje 33 anos e já é pai, resistindo assim aos efeitos da quimioterapia que é realizada antes do transplante, para matar todas as células da medula, as leucémicas e as outras.

Outra diferença significativa passa pelo local de colheita das células a transplantar.

“Na altura, no ato do transplante só podíamos ir colher células à própria medula óssea do dador. Hoje em dia também se podem obter no sangue periférico. De uma veia do braço podem colher-se células para o transplante, e também no sangue do cordão umbilical, o que foi um avanço muito grande”, disse.

Para Manuel Abecasis, “tudo isto evoluiu imenso. Quando começámos, tínhamos poucos antibióticos à disposição, não tínhamos medicamentos eficazes contra vírus, como temos hoje, praticamente não tínhamos medicamentos para tratar infecções por fungos, que era uma causa importante de morte dos doentes”.

Escolhemos o dador entre os irmãos do dador, porque é aí que vamos encontrar a melhor compatibilidade. Hoje em dia as famílias são muito pequenas. Passámos a trabalhar num universo completamente diferente, sem dadores na própria família”, explica.

“E isso levou a que se desenvolvessem os registos ou painéis de dadores voluntários, pessoas perfeitamente altruístas que se ofereciam para dar células a quem precisasse de fazer um transplante e não tivesse um dador na família”.

Ao longo destes 30 anos, afirmou, “este projecto dos bancos de dadores cresceu imenso, ao ponto de hoje em dia termos um universo de quase 30 milhões de pessoas onde podemos procurar um dador para os nossos doentes”.

Em Portugal existe um banco de dadores com 400 mil voluntários. Quase 50% dos doentes são transplantados com dadores portugueses. O número de transplantes de medula óssea deverá crescer para os 120 anuais após as obras nesta unidade, que deverão começar em breve.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Proteção Civil quer que bombeiros voltem a ser obrigados a usar cinto de segurança

A estrada mata mais bombeiros do que os incêndios. Por isso, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil criou um grupo específico para analisar o problema. Rui Ângelo, chefe da Divisão de Segurança, Saúde e …

Estratégia prevê rede de bancos de leite materno e revisão das licenças para amamentar

A ENALCP apresentada esta quarta-feira prevê a criação de uma rede nacional de bancos de leite materno e a revisão dos diretos de parentalidade. Ambientes favoráveis deverão ser também revistos. A Estratégia Nacional para a Alimentação …

DGS aconselha grávidas e bebés vegetarianos a tomarem suplementos

A Direção-geral da Saúde recomenda suplementos de vitaminas e minerais para bebés e grávidas com alimentação vegetariana e lembra que a dieta não omnívora no primeiro ano de vida deve estar sempre sob supervisão médica. "A …

Entre os boletins de voto dos emigrantes, também há cheques e contas da luz

Para exercer o seu direito de voto, os eleitores portugueses residentes no estrangeiro deveriam enviar de volta para Portugal a documentação que receberam em casa – um envelope verde com o boletim de voto, dentro …

Ryanair despede 432 trabalhadores em Espanha

A companhia aérea irlandesa Ryanair confirmou esta quarta-feira a sua intenção de despedir em Espanha 432 trabalhadores das suas bases de Girona e Canárias, 327 tripulantes de cabine e 105 pilotos, informou o sindicato USO. Num …

Eleições em Moçambique. Dados preliminares dão vitória a Nyusi

Segundo as projeções de resultados da Sala da Paz, de acordo com valores “preliminares” baseados na leitura dos editais pelos seus observadores, o atual Presidente moçambicano e candidato da Frelimo, Filipe Nyusi, terá sido reeleito …

"Quem acusou Sócrates tem de provar. Se não provar tem de ser punido"

O ex-Presidente brasileiro, Lula da Silva, defende punição de procuradores da Operação Marquês, caso a acusação contra José Sócrates seja arquivada. Esta terça-feira, em entrevista à RTP, Lula da Silva defendeu a punição dos procuradores que …

Na Saúde, Warren torna-se alvo de ataques. Mas o foco é "derrotar Trump"

O maior debate televisivo para umas eleições primárias na história dos EUA juntou 12 candidatos num só palco. Foi o primeiro debate para o qual o ex-vice-Presidente Joe Biden não partiu com vantagem, tendo a …

Trump sugere que os mexicanos são uma ameaça terrorista maior do que o Daesh

O Presidente Donald Trump sugeriu que os mexicanos são uma ameaça muito maior do que o Daesh. Respondendo uma vez mais às críticas sobre ter retirado as tropas dos Estados Unidos (EUA) junto à fronteira …

Grécia. Incêndio em campo de refugiados deixa 600 pessoas sem alojamento

Um incêndio no campo de identificação e registo de migrantes de Vathy, na ilha grega de Samos, deixou 600 refugiados sem alojamento, alertou na terça-feira a organização não-governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF). "Em Vathy, seis …