O primeiro aquecimento global foi causado por animais há 500 milhões de anos

Um grupo de cientistas descobriu que o processo de evolução dos primeiros animais da Terra levou a um aquecimento global há mais de 500 milhões de anos.

O nascimento da vida na Terra foi, obviamente, um período de grandes mudanças para o planeta. Plantas e algas evoluíram um pouco antes, ajudando a converter a atmosfera carregada de dióxido de carbono em oxigénio, abrindo assim caminho para a flora.

No entanto, as mudanças continuaram: com o aparecimento dos primeiros animais, há cerca de 520 a 540 milhões de anos, a atmosfera voltou a mudar, causando um aquecimento global no ambiente – não tão intenso nem rápido quanto o atual.

Nos 100 milhões de anos que se seguiram à chegada dos primeiros animais aos oceanos, os “recém-chegados” enfrentaram várias crises de extinções em massa. À medida que os níveis de oxigénio na água iam caindo, o dióxido de carbono aumentava e elevava as temperaturas, complicando a sobrevivência destes animais.

A pesquisa, desenvolvida pelas universidades britânicas de Exeter e Leeds com a participação das instituições belgas de Antuérpia e a Universidade Vrije de Bruxelas, foi publicada esta segunda-feira na revista científica Nature.

“Como vermes num jardim, as pequenas criaturas do fundo de mar removeram, misturaram e reciclaram material orgânico morto, processo conhecido como bioturbação“, explicou Tim Lenton, um dos investigadores, da Universidade de Exeter.

“Como o efeito da escavação dos animais é tão grande, eram esperadas grandes mudanças no ambiente no momento em que todo o oceano passasse de um estado não perturbado para um estado bioturbado“, explicou Lenton.

Para a pesquisa, a equipa de investigação recorreu a modelos matemáticos para relacionar o aparecimento dos animais à ocorrência de um evento de aquecimento global há 520 milhões de anos.

Primeiras formas de vida animal

Antes do rápido aparecimento das criaturas no fundo do mar, no período Cambriano há cerca de 540 milhões de anos – conhecido como Explosão Cambriana -, o fundo do mar tinha sido coberto por um tapete microbiano não perturbado na sua grande maioria.

As pequenas criaturas que mudaram o fundo do oceano não deixaram muitos fósseis, mas deixaram traços fossilizados das suas “tocas”. E, quando passavam entre os tapetes microbianos ricos em nutrientes, misturavam-os com sedimentos do fundo do mar, acelerando os processos orgânicos.

Enquanto se alimentavam, consumiam oxigénio e produziam dióxido de carbono. E, embora não tivessem cavado muito fundo – apenas 1 a 3 centímetros -, essa profundidade foi suficiente para desequilibrar o ambiente. Atualmente, as criaturas marinhas são capazes de cavar 10 vezes mais que esta profundidade.

“Quando aplicámos o nosso modelo, ficámos muito surpresos com o que vimos”, disse o cientista ambiental Benjamin Mills, da Universidade de Leeds.

“A evolução destes pequenos animais reduziu o oxigénio nos oceanos e na atmosfera, mas também aumentou tanto os níveis atmosféricos de CO2 que provocou um aquecimento global. Sabíamos que isto tinha ocorrido nesse período histórico, mas não que tinha sido impulsionado por animais”, acrescentou Mills.

Todos os fatores coincidiram – a chegada dos animais à Terra, o processo de bioturbação, o esgotamento de oxigénio e os altos níveis de dióxido de carbono. Além disso, os eventos recentes de extinção, desde metade do período cambriano até ao antigo Ordoviciano, foram relacionados com a falta de oxigénio nos oceanos.

Este fenómeno não é diferente do que estamos a enfrentar nos dias de hoje, disse Tim Lenton. Acrescentando que, ao contrário dos antigos vermes marinhos, somos capazes de fazer alguma coisa para reverter esta situação.

“Há um paralelismo interessante entre os primeiros animais – que mudaram o mundo de forma prejudicial para os próprios – e nós, animais humanos – com o que estamos a fazer com o planeta neste momento”, disse.

O cientista alertou ainda que estamos a recriar circunstâncias semelhantes à anoxia dos oceanos de 500 milhões de anos atrás, criando “um mundo cada vez mais quente”, que pode levar (uma vez mais) espécies à extinção.

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Governo pondera decretar recolher obrigatório e restrições em mais municípios

O Governo está a avaliar avançar com o recolhimento obrigatório e alargar as restrições impostas em Paços de Ferreira, Felgueiras e Lousada a mais municípios, recusando, no entanto, um novo confinamento geral, disse hoje o …

Gigante americana Walmart retira (temporariamente) armas e munições das prateleiras

A gigante de distribuição norte-americana Walmart decidiu retirar temporariamente armas e munições das prateleiras das suas lojas, anunciou na quinta-feira um porta-voz da cadeia. A medida preventiva foi tomada a cinco dias de uma eleição presidencial …

BE afasta para já estado de emergência e defende requisição civil na saúde

A coordenadora do BE afastou para já a necessidade de um novo estado de emergência e defendeu que o Governo utilize toda a capacidade instalada na saúde, se necessário recorrendo à requisição civil dos setores …

Sismo de magnitude 7 abala Turquia e Grécia e provoca mini-tsunami. Pelo menos 4 pessoas morreram

Quatro pessoas morreram no oeste da Turquia, depois de um forte terramoto de magnitude 7 atingir o Mar Egeu na tarde desta sexta-feira. O abalo derrubou edifícios em áreas costeiras e fez pelo menos 120 …

EDP desiste de processo contra o Estado, mas vai levar tarifa social a Bruxelas

A EDP desistiu da litigância judicial com o Estado sobre a contribuição extraordinária sobre o setor energético (CESE), mas vai pedir à Comissão Europeia uma análise sobre o mecanismo de financiamento da tarifa social a …

"Fora com os pretos". Universidades e escolas de Lisboa vandalizadas com mensagens racistas

Várias universidades e escolas secundárias da região de Lisboa foram vandalizadas com mensagens de teor racista e xenófobo. "Viva a Europa Branca" ou "Fora com os pretos" são algumas das frases escritas. Várias pessoas denunciaram esta …

Preços das casas não baixam porque há Fundos a comprar tudo

Apesar de estarmos em plena crise pandémica, os preços das casas não têm sofrido uma baixa significativa. Uma realidade que se pode explicar pelo interesse de alguns Fundos na aquisição de imóveis, com a perspectiva …

Infetados, mortes e internamentos. Portugal bate recordes diários de covid-19

Portugal bateu o recorde diário de infeções, mortes e internamentos de doentes com covid-19. Registam-se mais 4.656 casos positivos, 40 óbitos e 1.834 pacientes internados. Nas últimas 24 horas, Portugal registou mais 4.656 casos positivos e …

CSD tem a "chave" da geringonça açoriana (mas ainda não sabe de que lado vai ficar)

Os Presidentes do PSD e do PS já se reuniram com o líder regional do CDS, Artur Lima. O dilema é entre suportar um executivo PS ou integrar uma coligação à direita. A decisão dos …

Professores "desenrolam" queixas em frente do parlamento (e pedem saída do ministro)

Dirigentes da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) colocaram esta quinta-feira grandes faixas com reivindicações junto da Assembleia da República e criticaram o ministro da Educação, que tem que “ir embora”. “Quem não sabe ter uma atitude …