Presidente sírio pede a Guterres independência face aos EUA

kremlin.ru / Wikimedia

Bashar al-Assad, Presidente da Síria

Bashar al-Assad, Presidente da Síria

Numa entrevista exclusiva à RTP, Assad afirma concordar com a abordagem humanitária de Guterres ao conflito no país, mas pede ao novo secretário-geral da ONU para ser objetivo e manter a independência em relação aos EUA. Quanto a Trump, o Presidente sírio diz não ter “muitas expectativas”.

O Presidente sírio, Bashar al-Assad, espera que o próximo secretário-geral da ONU seja objetivo em todas as declarações sobre a Síria e que “não transforme o seu gabinete” numa dependência da diplomacia norte-americana.

“Se me perguntasse o que espero deste novo responsável nesta posição importante, diria duas coisas: que seja objetivo em todas as declarações que faça sobre qualquer conflito mundial, incluindo a Síria, […] e que não transforme o seu gabinete numa sucursal do Departamento de Estado dos Estados Unidos”, disse o Presidente sírio numa entrevista exclusiva à RTP, segundo uma transcrição enviada à Lusa.

Al-Assad afirma concordar com a abordagem humanitária de António Guterres ao conflito na Síria, mas sublinha que a ajuda humanitária vai além da entrega de bens para satisfazer as necessidades básicas.

“Se perguntar aos refugiados sírios, a primeira coisa que querem é regressar ao seu país. Isso implica ajuda humanitária como a entendemos – alimentos, cuidados médicos, coisas básicas do quotidiano – e, em segundo lugar, implica segurança, o que significa combater os terroristas. Não podemos falar de ajuda humanitária e apoiar os terroristas ao mesmo tempo, temos de optar”, disse.

O Presidente sírio ressalva que não está a falar de Guterres quando refere esta abordagem dúplice, mas dos países de cujo apoio o novo secretário-geral vai precisar para concretizar os seus planos.

“Ele não vai alcançar o seu objetivo enquanto tantos países continuarem a apoiar os terroristas na Síria”, afirma.

Toda a gente sabe que as Nações Unidas não são o secretário-geral. Ele tem uma posição importante, mas a ONU são os países e, para ser franco, a maioria das pessoas considera que são apenas os cinco membros permanentes” do Conselho de Segurança, disse.

Bashar al-Assad diz-se contudo disponível para trabalhar com Guterres pela paz na Síria, sublinhando que essa prioridade é importante não apenas para o país, como para o Médio Oriente, que “é o coração geográfico e geopolítico do mundo”.

O mesmo argumento é usado pelo Presidente sírio ao referir-se ao apoio militar da Rússia, país que, afirma, “está a lutar pela Síria, pelo mundo e pela Rússia” e que “baseia sempre as suas políticas em valores como a soberania nacional, a lei internacional, o respeito pelos outros povos e culturas”.

O Presidente sírio recusa por outro lado estar a usar o combate contra os grupos jihadistas, como o Estado Islâmico ou a Frente da Conquista do Levante (Fatah al-Sham em árabe, ex-Frente al-Nosra) para desacreditar todos os grupos da oposição, afirmando que “usar o terrorismo ou o ‘jihadismo’ ou o extremismo com fins políticos é imoral”.

Sobre a Turquia, que ao contrário da Rússia não apoia o regime de Damasco, Assad afirma que Erdogan, é “uma pessoa doente, um megalómano, instável, que vive na era otomana” e acusa-o de infiltrar terroristas na Síria, assegurando que qualquer incursão turca em território sírio será sempre tratada como uma invasão.

“Sejamos realistas, cada terrorista que entrou na Síria veio pela Turquia com o apoio de Erdogan. Por isso, combater esses terroristas é como combater o exército de Erdogan. Não o exército turco, o exército de Erdogan”, afirma Al-Assad.

Sem expectativas em relação a Trump

O Presidente da Síria disse ainda não ter muitas expetativas em relação a Donald Trump, porque a “administração norte-americana” não é só chefe de Estado.

“São diferentes poderes dentro da administração, diferentes ‘lobbies’ que vão influenciar qualquer presidente”, afirmou, salientando que é preciso esperar cerca de dois meses pelas suas posições.

Mas, sublinhou Assad, a Síria continua a desejar que os “EUA sejam imparciais, respeitem o direito internacional, não interfiram em outros países do mundo e, é claro, deixem de apoiar os terroristas” em território sírio.

Questionado pelo jornalista sobre a afirmação de Trump de querer trabalhar com a Síria para combater o Daesh, Bashar al-Assad disse que ainda é “duvidoso que possa cumprir ou não as suas promessas”.

“É por isso que somos muito cautelosos a julgá-lo, especialmente porque antes não era um político (…). Mas se vai lutar contra os terroristas, é claro vamos ser aliados, naturalmente aliados”, afirmou.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Portugal recebeu no domingo grupo de 80 afegãos

Portugal recebeu no domingo 80 afegãos, na maioria atletas da equipa de futebol feminino e seus agregados familiares, elevando para 178 o total de cidadãos acolhidos após a emergência humanitária no Afeganistão, anunciou esta segunda-feira …

Inspeção obrigatória das motas começa em janeiro de 2022

Quase dez anos depois de a medida ter sido aprovada pelo Governo, a inspeção obrigatória de motas com mais de 125 cc vai arrancar em janeiro de 2022. Jorge Delgado, secretário de Estado das Infraestruturas, referiu …

André Ventura - Chega

Ventura diz que PSD está "igual" ao PS - e desafia Rio a justificar atraso no interior

O líder do Chega, André Ventura, manifestou-se hoje preocupado com o panorama político à direita, observando que o PSD está “igual” ao PS e acusando ambos os partidos de terem abandonado o interior do país. “Estou …

Sem Cristiano, o que se passa com a Juventus?

Nenhum triunfo em quatro jornadas do campeonato. Não acontecia há 60 anos. E o problema maior não estará no ataque, apesar da saída de Cristiano Ronaldo. Estreia na temporada: 2-2 no terreno da Udinese. Receber o …

Pacto AUKUS. Nova aliança dos EUA na Ásia-Pacífico pode levar a "corrida às armas nucleares"

A nova aliança dos Estados Unidos (EUA) na região da Ásia-Pacífico e a recente compra de submarinos norte-americanos por parte da Austrália pode desencadear uma "corrida às armas nucleares" na região, avisou esta segunda-feira a …

Costa foi omnipresente, agradeceu a regueifa e recarregou a "bazuca" como arma política

António Costa correu oito concelhos do Norte, em missão de campanha eleitoral. A "bazuca" europeia é usada como arma política, assim como a gestão da pandemia. A pandemia era um ponto de inflexão para as eleições …

"Queremos justiça", exigem famílias de vítimas do ataque em Cabul. CIA alertou para a presença de civis

A família das 10 vítimas mortais do ataque com drone dos EUA a um veículo em Cabul exigem que os operadores sejam julgados em tribunal. A CIA terá alertado para a presença de civis segundos …

Rio abre o jogo sobre o futuro do PSD. Não se recandidata se fizer "igual, pior ou muito pouquinho melhor"

Líder social-democrata deu a conhecer o que é, para o próprio, um bom resultado nas próximas autárquicas, recusou-se a falar sobre as movimentações internas no PSD, expôs o papel do partido na votação do OE …

FBI diz ter encontrado corpo em parque natural que "será de Gabby Petito"

Este domingo foi encontrado um corpo no parque nacional de Wyoming, nos Estados Unidos, que corresponde ao da jovem Gabrielle Petito, que se encontrava desaparecida, anunciou a polícia federal norte-americana (FBI). Gabby Petito, de 22 anos, …

Nuno Espírito Santo admite que "muita coisa correu mal", mas não escapa às críticas

O Tottenham saiu derrotado por 3-0 do embate com o Chelsea. Nuno Espírito Santo reconheceu os problemas na equipa, que foi duramente criticada por Roy Keane. O Chelsea manteve-se no comboio dos líderes da Liga inglesa, …