Presidente da Quercus foi investigada por fogo posto. Paula Silva diz que foi “um acidente”

Paula Nunes da Silva / Facebook

Paula Nunes da Silva, presidente da Quercus.

A presidente da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza, Paula Nunes da Silva, foi investigada pela Polícia Judiciária, em 2018, pelo crime de incêndio florestal. Em causa está uma queimada num terreno que provocou um incêndio descontrolado.

Paula Nunes da Silva diz que foi “um acidente” em declarações à Sábado que reporta que a presidente da Quercus foi alvo de uma investigação da Polícia Judiciária (PJ) de Vila Real pelo crime de incêndio florestal.

O incêndio ocorreu em Abril de 2018 num terreno de que Paula Nunes da Silva é proprietária em Alijó, Vila Real.

Foi uma estupidez, mas são coisas que podem acontecer quando se tem terrenos”, salienta a engenheira florestal em declarações à Sábado.

A actual líder da Quercus terá contratado várias pessoas para limpar o terreno, numa zona de pinheiros bravos. O incêndio terá deflagrado no momento em que os trabalhadores fizeram uma queimada para se livrar do mato.

O incêndio descontrolou-se e “destruiu mais de cinco hectares de floresta“, de acordo com a Sábado.

Paula Nunes da Silva assegura que não estava presente no momento da queimada que originou o incêndio, mas admite alguma “negligência”.

Não cheguei a ser acusada e o caso foi prontamente arquivado”, aponta ainda a responsável da Quercus, frisando que até foi “prestar declarações sem advogado”. “Aprendi a lição”, diz ainda.

Antes de assumir a presidência da Quercus em Fevereiro passado, Paula Nunes da Silva estava ligada ao projecto Criar Bosques que actua na área da florestação.

A responsável da Organização Não-Governamental lamenta que a notícia do seu envolvimento no incêndio só surge agora, mais de dois anos depois do fogo, por causa das “ameaças internas” que diz estar a sofrer no seio da Quercus desde que assumiu a presidência.

Paula Nunes da Silva refere à Sábado que tem sido alvo de “ameaças e pressões” desde que tomou a decisão de fazer uma auditoria financeira na Quercus.

Está a decorrer, nesta altura, um inquérito no Ministério Público à gestão de João Branco, ex-presidente da entidade. Em causa estão suspeitas de que usou a Quercus para favorecer empresas “amigas” e de que utilizou dinheiro da associação para fazer compras na Amazon, em agências de viagens e para pagar consultas de podologia, de acordo com uma investigação do programa “Sexta às Nove” da RTP1.

Paula Nunes da Silva não revela os nomes das pessoas que estão, alegadamente, a pressioná-la, mas assegura que está “a tentar arrumar a casa e colocar alguma integridade na Quercus”.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Costa anuncia 252 milhões de euros de investimento na investigação e economia do mar

O primeiro-ministro anunciou hoje que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) vai ter uma verba de 252 milhões de euros autonomizada para financiar investimentos na investigação, na economia do mar e na segurança pesqueira. Além …

Setor da restauração diz que os apoios e horários estabelecidos aumentam a “escravização"

Segundo um documento da PRO.VAR, dois em cada três (66,4%), dos estabelecimentos localizados em centros comerciais, ponderam apresentar pedidos de insolvência. O trabalho tem por base um inquérito a empresas do sector realizado entre os dias …

Ucrânia diz que Rússia não responde a pedido de conversações, mas conta com o apoio da NATO

O Presidente ucraniano, Volodimir Zelenskii, disse que ainda não conseguiu falar com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, para discutir a escalada do conflito no Leste da Ucrânia. A Rússia e a Ucrânia acusam-se mutuamente de …

"O trabalho liberta." Polícia comunica pichagem nazi no Porto ao Ministério Público

A Polícia Municipal vai comunicar ao Ministério Público (MP) uma pichagem num portão da Avenida do Brasil, no Porto, com a frase nazi "o trabalho liberta". Uma pichagem num portão da Avenida do Brasil, no Porto, …

Um morto e um ferido em tiroteio junto a hospital em Paris. Atirador encontra-se em fuga

Um tiroteio numa rua no bairro 16 da capital francesa causou a morte de um segurança do hospital Henry Dunant e ferimentos muito graves numa utente. Os disparos deram-se em frente ao hospital Henry Dunant, …

Bloco de Esquerda quer plano nacional de férias de Verão financiado pelo Governo

O Bloco de Esquerda vai entregar um projeto de lei na Assembleia da República para que o Governo defina um programa de férias de Verão. Catarina Martins, coordenadora do partido, frisa que a maior parte …

Índia ultrapassa Brasil e é o segundo país mais afetado pela covid-19

A Índia é o segundo país mais afetado pela pandemia de covid-19, ultrapassando o Brasil, depois de registar um valor máximo de 168 mil novas contaminações nas últimas 24 horas. O país, com 1,3 mil milhões …

Dois anos depois, mulher de Assange pede que Reino Unido pressione EUA para acusações caírem

A mulher de Julian Assange, Stella Moris, disse que a Grã-Bretanha seria mais forte a fazer campanha contra regimes autoritários se pressionasse o Governo Biden a retirar o seu apelo para o extraditar sob acusações …

Operação Marquês. Ministério Público pede alargamento do prazo previsto na lei para recorrer

Depois da decisão instrutória tomada pelo juiz Ivo Rosa, os procuradores Rosário Teixeira e Vítor Pinto já entregaram um requerimento a pedir 120 dias para o recurso. O alargamento do prazo passaria assim a ser …

Duas mortes e 271 infetados em 24 horas. Rt continua a subir em Portugal

O boletim da DGS desta segunda-feira dá conta de mais 271 novos casos. Registaram-se ainda mais duas mortes por covid-19. Segundo a DGS existem 25.784 casos ativos, menos 176 do que na véspera, e há mais …