Preços regulados da luz descem mesmo 3,5% em janeiro

André Mouraux / Flickr

O preço da eletricidade no mercado regulado vai baixar a partir de 1 de janeiro de 2019. A ERSE aprovou uma redução das tarifas reguladas de eletricidade, que representa 1,58 euros numa fatura mensal de 45 euros.

O preço da eletricidade no mercado regulado vai baixar a partir de 1 de janeiro do próximo ano. A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos anunciou esta segunda-feira a decisão sobre as tarifas de energia elétrica em 2019.

“Para os consumidores que ainda estejam no mercado regulado (ou tenham tarifa equiparada), cerca de 6% do consumo total, a variação das tarifas de venda a clientes finais em BTN [Baixa Tensão Normal] será de – 3,5%“, refere o regulador em comunicado.

A ERSE detalha que “o impacto concreto das variações tarifárias na fatura dos clientes depende do respetivo segmento de consumo. A expressão nos orçamentos familiares da redução subjacente às tarifas transitórias de venda a clientes finais para 2019 é de 1,58 euros, numa fatura média mensal de 45,1 euros”.

Segundo o Dinheiro Vivo, no mercado regulado, que tem os preços definidos pela ERSE, existem ainda mais de um milhão de consumidores.

Ainda assim, o regulador explica que há cada vez mais famílias no mercado liberalizado, em que os preços são negociados entre os consumidores e os comercializadores de energia. Este mercado atingiu, em outubro, “5,08 milhões de clientes e representa já 94% do consumo total em Portugal”, revela a ERSE.

Já para os consumidores com tarifas sociais de venda a clientes finais, a ERSE refere que “beneficiarão de um desconto de 33,8% sobre as tarifas de venda a clientes finais, de acordo com o estabelecido por despacho do membro do Governo responsável pela área da energia”.

Neste caso em particular, o regulador prevê uma descida “na fatura média mensal de eletricidade de 13,67 euros, para uma fatura média mensal de 26,8 euros, valor que já integra a aplicação de um desconto social mensal de 13,67 euros”.

Deco diz que descida não é suficiente

A Deco Proteste considerou que a descida de 3,5% no valor das tarifas transitórias para 2019 “é um sinal positivo”, mas realça que “não irá retirar Portugal do topo da tabela Europeia da eletricidade mais cara“.

“O Governo anunciou cerca de 190 milhões a abaterem aos custos do sistema, mas estes não são uma benesse. Já deveriam ter sido canalizados para esse fim desde 2014, tal como previa a lei. Pretende-se transformar um direito dos consumidores numa operação de charme”, adianta a Deco em comunicado enviado às redações.

A Deco considera que “esta medida, positiva a médio prazo, não garante a descida imediata. A maioria dos consumidores está no mercado liberalizado e o preço final é fixado pelo comercializador. O passado mostra que, mesmo com a descida dos custos, a fatura não desceu”.

A entidade considera insuficiente a medida tomada de “reduzir o IVA somente na componente da potência contratada nos escalões mais baixos (que representam cerca de 50% dos consumidores), na eletricidade, e no termo fixo, no caso do gás natural”, argumentando que “esta componente representa menos de 20 % do total da fatura, e o impacto mensal é de uma redução de 80 cêntimos máximo”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Chumbados projetos de lei para proteger vítimas de violência doméstica

Reconhecimento das crianças em contexto de violência doméstica, declarações para memória futura das vítimas e criação de subsídio para quem é obrigado a abandonar o lar foram os temas em discussão. Os projetos de lei do …

Ferro repreende Ventura no Parlamento. Deputado pede audiência urgente a Marcelo

O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, fez esta quinta-feira uma advertência ao deputado do Chega por utilizar com “demasiada facilidade” as palavras “vergonha” e “vergonhoso” nas suas intervenções no parlamento. André Ventura intervinha no …

Consumo moderado de álcool pode estar associado a um maior risco de cancro

Um novo estudo sugere que até mesmo o consumo leve ou moderado de álcool pode estar associado a um maior risco de cancro. No entanto, as conclusões não são consensuais na comunidade científica. Nem só o …

Fim da guerra comercial à vista. Estados Unidos e China chegam a acordo

Falta apenas a assinatura do presidente dos Estados Unidos para que o entendimento possa pôr um ponto final na guerra comercial entre os Estados Unidos e a China. De acordo com a Bloomberg, os negociadores …

Recuperados seis dos oito corpos das vítimas de erupção de vulcão na Nova Zelândia

Uma equipa militar neozelandesa recuperou esta sexta-feira seis dos oito corpos dos turistas que permaneciam desaparecidos após a erupção, na segunda-feira, do vulcão Whakaari, numa ilha desabitada da Nova Zelândia. A operação, que envolveu oito membros …

Plantas também "gritam" quando estão sob stress

À semelhança do que acontece com o Homem, algumas plantas também podem "gritar" quando enfrentam situações de stress, como a falta de água ou o corte do seu caule, concluíram cientistas da Universidade de Tel …

ESA declara guerra ao lixo espacial com um robô de quatro braços

https://vimeo.com/379011028 A Agência Espacial Europeia (ESA) acaba de assinar um contrato com a startup suíça ClearSpace para levar a cabo tarefas de limpeza de lixo orbital. Em comunicado, a agência espacial aponta que a empresa vai …

O "Asteróide do Apocalipse" está a cuspir rochas para o Espaço

A sonda OSIRIS-REx da NASA chegou ao Bennu, o "Asteróide do Apocalipse", em dezembro de 2018 e, apenas uma semana depois, descobriu algo incomum: o asteróide estava a lançar partículas para o Espaço. A câmara de …

Projeções dão vitória esmagadora de Boris Johnson

O partido Conservador venceu as eleições legislativas no Reino Unido com uma maioria absoluta de 368 deputados, segundo uma sondagem comum divulgada hoje pelas três estações televisivas britânicas BBC, ITV e Sky, segundo a qual …

Encontrada a obra de arte mais antiga da Humanidade

Um grupo de arqueólogos da universidade australiana de Griffith descobriu numa caverna na Indonésia a pintura rupestre de caça mais antiga do mundo, com cerca de 44 mil anos. A investigação, publicada na revista Nature, descreve …