Potencial de efeito de estufa desceu quase 2% em 2012

Dirk Ingo Franke / Wikimedia

-

O potencial de efeito de estufa diminuiu 1,8% em 2012, enquanto o valor acrescentado bruto, relacionado com a riqueza produzida pelo país, registou uma queda mais acentuada, de 2,6%, segundo dados do INE.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou as Contas das Emissões Atmosféricas, que analisam as implicações ambientais da atividade económica do país e relacionam estes indicadores com as Contas Nacionais.

Todos os indicadores ambientais (efeito de estufa, acidificação e formação de ozono troposférico) desceram entre 1995 e 2012, enquanto o Valor Acrescentado Bruto (VAB) aumentou.

O potencial efeito de estufa subiu até 2005, seguindo a evolução do VAB, enquanto entre 2006 e 2011 desceu, embora o VAB tenha crescido até 2011, uma dissociação entre a atividade económica e este indicador ambiental que é realçada pelo INE.

“Em 2009 e 2011, as emissões de gases com efeito de estufa reduziram-se mais do que o VAB, contrariamente ao que sucedeu em 2012”, aponta.

O nível de emissões está muito dependente dos métodos e materiais utilizados no setor da energia, água e saneamento, que tem o maior peso relativo, ao representar cerca de 30% do total das emissões causadoras do potencial efeito de estufa no período 1995 a 2012.

A fonte hídrica para produção de eletricidade, fortemente condicionada pela pluviosidade, “tem um peso significativo” e 2012 foi o primeiro ano em que foi ultrapassada pela produção de energia eólica, o que teve influência nas emissões.

Em 2012, os principais responsáveis pelas emissões de gases com efeito de estufa foram, além da energia, água e saneamento, com 31,8%, a indústria, com 23,8%, e as famílias, com 19%. Já entre 1995 e 2012 a indústria reduziu o seu peso e as famílias aumentaram-no.

A energia, água e saneamento é o ramo que emite mais quilogramas equivalentes de dióxido de carbono por unidade de VAB, acima da média do total das atividades económicas, seguindo-se a agricultura, silvicultura e pesca.

O potencial de acidificação e a formação de ozono troposférico, que pode ter consequências na saúde, têm descido desde 1995, “em dissociação” com a evolução da economia.

A agricultura, silvicultura e pesca foram responsáveis por 34,8% do potencial de acidificação, principalmente devido às emissões de amoníaco, e a energia tem vindo a perder peso nesta área.

Quanto ao potencial de formação de ozono, a indústria aparecia em primeiro lugar, com 36% do total, seguida das famílias, com 25,2%, embora tenha vindo a descer o seu papel devido às soluções para reduzir a poluição dos automóveis.

O INE refere o indicador potencial de efeito de estufa per capita, em que Portugal tem valores mais baixos do que a maior parte dos países da União Europeia, com 6,66 toneladas equivalentes de dióxido de carbono, contra 9,28 toneladas da média europeia.

O gasóleo é a forma de energia mais utilizada pela economia, com 25,7%, seguido do gás natural, com 19,6%, e do carvão, com 15%, representando 60% do total da energia associada às emissões.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Impostos indiretos subiram com Governo de Costa e são já 55% da carga fiscal

Os impostos indiretos têm vindo a aumentar em Portugal. Dados da Direção-Geral do Orçamento mostram que o peso da tributação indireta no total da receita fiscal do subsector Estado, em 2018, ascendeu a 55,4%, o …

Espanha pode ficar isenta de cumprir caudais do rio Tejo por causa da falta de chuva

Os caudais do Tejo podem ficar ainda mais baixos dentro de semanas. Com a falta de chuva, Espanha deverá invocar a exceção prevista na Convenção de Albufeira para não libertar os valores mínimos de água …

Haaland tem cinco namoradas e meio mundo atrás dele (mas pode seguir o caminho da Red Bull)

Apesar do interesse de grandes clubes do futebol mundial, Haaland pode seguir o trilho da Red Bull e transferir-se para do Salzburg para o Leipzig. O norueguês é uma das maiores jovens promessas da atualidade. Erling …

PSD pondera propor fim dos debates quinzenais e torná-los mensais

O PSD está a ponderar apresentar uma proposta para acabar com os debates quinzenais com o primeiro-ministro e torná-los mensais. A proposta passa também pela substituição de um desses "duelos" atuais por um debate temático …

Segunda vítima mortal nos protestos de Hong Kong. Xi Jinping condena manifestações

O quarto dia consecutivo de protestos ficou marcado pela morte de um homem de 70 anos. Esta é a segunda vítima mortal desde o início das manifestações em Hong Kong. De acordo com a imprensa internacional, …

Governo prepara dois novos escalões de IRS para a classe média

O primeiro-ministro afirmou esta quinta-feira que o objetivo do Governo no próximo Orçamento é dar “um primeiro passo” para conferir uma maior progressividade no IRS e diminuir o peso deste imposto sobre os vencimentos da …

Dois procuradores do caso Tancos vão sair do DCIAP

Os procuradores Vítor Magalhães e João Valente, da equipa que investigou o caso Tancos, vão sair do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) no âmbito do movimento de magistrados do Ministério Público (MP), …

Cerca de 40% dos hospitais têm ruturas diárias de medicamentos

Os preços "excessivamente baixos dos medicamentos genéricos" são a causa mais importante identificada pelos hospitais para as ruturas de fornecimento. Quase 40% dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) indicam ter diariamente ruturas no fornecimento …

Secretário de Estado: despenalizações como a que absolveu o Benfica vão terminar. "Será inapelável"

João Paulo Rebelo assegurou que a entrada em vigor da lei de combate à violência no desporto evitará situações como a que levou à recente anulação do castigo imposto ao Benfica. O secretário de Estado da …

Morales quis dialogar. Presidente interina da Bolívia mandou-o calar-se

O ex-Presidente Evo Morales ofereceu-se para regressar à Bolívia para "ajudar a pacificar o país, não para ser candidato", mas Jeanine Añez, que assumiu a presidência interina do país, respondeu que Morales não pode participar …