O “rascunho” de Mona Lisa está agora no centro de uma batalha judicial

Um homem diz ser dono de 25% da “Mona Lisa de Isleworth”, que é considerada um estudo de Da Vinci para “Mona Lisa”. O caso vai ser avaliado por um tribunal de Florença.

Há quem pense que se trata de uma cópia sem valor e há quem defenda que se trata de um estudo – uma espécie de rascunho – para o quadro Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, que se encontra exposto no Museu do Louvre, em Paris. Esta “Mona Lisa de Isleworth” parece, afinal, ter algum valor -até há um processo em tribunal a reclamar a sua propriedade.

Conhecida como a “Mona Lisa anterior”, a obra foi descoberta no início do século pelo colecionador Hugh Blaker, numa casa de campo em Isleworth, na Inglaterra. Convencido de que se tratava de um estudo para a célebre pintura de Gioconda, o padrasto de Blaker, John Eeyre, publicou um estudo argumentando que esta era uma obra legítima de Da Vinci que, na verdade, é conhecido por fazer várias versões das suas obras.

Depois da morte de Blake, a obra foi vendida ao colecionador Henry F. Pulitzer, que também a tomou como legítima. Em 1966, o conhecido colecionador publicou o livro Where is the Mona Lisa?, que defendia que esta era, afinal o único retrato que Leonardo tinha feito de Gionconda.

Pulitzer guardou o quadro num cofre num banco na Suíça e, depois da sua morte, passou a pertencer à viúva, Elizabeth Meyer. Quando ela morreu em 2008, a pintura foi então adquirida por um consórcio de colecionadores e tem sido exibida numa série de galerias, nomeadamente em Singapura em 2014 e em Xangai, dois anos depois.

Em junho passado, o quadro esteve esteve exposto no Palazzo Bastogi, em Florença, Itália. Foi a primeira vez que foi mostrado na Europa neste século. Quando a exposição terminou, um homem, cuja identidade não é até agora conhecida, entrou com uma ação legal reclamando a propriedade de um quarto da obra.

O seu advogado, Giovanni Battista Protti, diz ter provas históricas de que Elizabeth Meyer era apenas proprietária de três quartos da obra, uma vez que a Pulitzer Gallery tinha vendido 25% da pintura a Leland Gilbert, um industrial da porcelana estabelecido em Portugal.

O homem que agora reclama a posse de um quarto da obra é herdeiro de Gilbert. O advogado diz ter consigo um documento de 1964 que é uma “ordem de compra” em que a Pulitzer Gallery aceita vender um quarto da pintura por 4 mil libras (mais de 99 mil euros, atualmente).

Para evitar que esta Mona Lisa voltasse para a Suíça, o reclamante pediu a um tribunal de Florença retivesse o quadro em Itália até que termine a investigação sobre os seus proprietários. Esse pedido será avaliado esta segunda-feira.

Uma vez que os proprietários da obra também não são conhecidos, não foi possível contactá-los. A organização Mona Lisa Foundation, situada em Zurique, que foi criada para investigar a história da obra de arte mais conhecida de Leonardo Da Vinci, afirmou à  CNN, que não acredita que a alegação tenha qualquer fundamento. A Fundação vai ser ouvida no tribunal.

No entanto, o advogado garante que a família está determinada em levar este caso até às últimas consequências.

“Isto não tem a ver com dinheiro”, disse à CNN, explicando a família não tem dificuldades financeiras e não está a fazer por dinheiro. “Os objetivos do dono da pintura querem que a pintura seja exibida ao público, não querem mantê-la por mais 40 ou 50 anos em cofres de bancos na Suíça”, explicou. “Isto não tem a ver com o seu valor para um indivíduo mas para a humanidade.”

Por outro lado, os responsáveis da Mona Lisa Foundation consideram que esta alegação só surge agora porque no último ano, devido às comemorações dos 500 anos de Da Vinci, a obra do artista renascentista tem sido muito falada e, por isso, valorizada.

“A obra já é conhecida há tanto tempo, porque é que só se lembraram agora?”, questiona Joel Feldman, diretor da Fundação.

Um estudo de 2015, publicado na revista especializada Conservation Science in Cultural Heritage, concluiu que as pinturas são “duas obras originais, ambas pintadas por Leonardo em dois períodos diferentes”. “O assunto é o mesmo, mas as pinturas variam consideravelmente, tornando-as duas obras por si só e não uma cópia uma da outra”.

Apesar de a família alegar que a ação legal não tem a ver com o dinheiro, a CNN sublinha que os espólios podem ser enormes. De facto, o quadro de Leonardo da Vinci, que mostra Cristo a segurar um globo de cristal, foi vendido por um valor recorde de 450 milhões de dólares (380 milhões de euros) num leilão na quarta-feira, batendo o anterior recorde e tornando-se o quadro mais caro do mundo.

ZAP //

 

 

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

Fenprof diz que a falta de docentes em algumas escolas se resolvia com oferta de horários completos

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) estima que milhares de alunos continuem sem ter todas as aulas por falta de docentes, um problema que acredita que se resolvia com medidas como completar os horários vagos …

Retirado cartaz em Oeiras por "ofender" Isaltino Morais. Iniciativa Liberal já apresentou queixa

A Câmara Municipal de Oeiras retirou um cartaz da Iniciativa Liberal (IL) que questionava a gestão de Isaltino Morais. O partido liderado João Cotrim Figueiredo já apresentou queixa. De acordo com o semanário Expresso, a …

Cinco inspetores do SEF implicados na morte de Ihor Homenyuk afastados do centro de imigrantes

Cinco inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) implicados na morte de Ihor Homenyuk pela Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) foram afastados do centro de instalação temporária do aeroporto onde ocorreu a homicídio a …

Morreu Reinaldo Teles. Histórico dirigente do FC Porto estava internado com covid-19

Reinaldo Teles faleceu, nesta quarta-feira, aos 70 anos de idade. O histórico dirigente do FC Porto estava internado nos Cuidados Intensivos do Hospital de São João, no Porto, infectado com covid-19. Há algum tempo afastado do …

Mais 71 mortes e 5290 casos de covid-19. 517 doentes nos cuidados intensivos

Portugal regista, esta quarta-feira, mais 71 mortes e 5290 novos casos de infeção por covid-19, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 5290 novos casos, …

Um quarto dos italianos acredita em teorias da conspiração sobre a covid-19

Um quarto dos italianos acredita em teorias da conspiração sobre a covid-19, incluindo que o vírus foi criado em laboratório para alterar equilíbrios mundiais ou que não existe, segundo uma nova sondagem. Um em cada cinco …

Carros importados poderão reaver ISV pago em excesso desde 2017

A Autoridade Tributária foi condenada a devolver parte do Imposto Sobre Veículos (ISV) cobrado sobre dois carros usados importados em 2017. Segundo o jornal Público, esta é a primeira vez que a sentença envolve um imposto …

Juventude Popular suspende congresso do próximo fim de semana

O XXIV Congresso da Juventude Popular, agendado para sábado e domingo, em Braga, foi suspenso e será reagendado 15 dias depois do levantamento do estado de emergência, decidiram esta terça-feira os órgãos da estrutura que …

Novo líder do Aliança reúne-se com Rui Rio (com autárquicas em cima da mesa)

Paulo Bento, recém-eleito presidente do Aliança, e Rui Rio, líder do PSD, vão encontrar-se esta quarta-feira. Em cima da mesa vão estar as eleições autárquicas do próximo ano. De acordo com o Público, o encontro destina-se …

Mais de 60% dos portugueses deixaram de ir a restaurantes. Só 33% considera que o Estado prioriza a saúde

A nível nacional, 63% dos portugueses que continuaram a ir a espaços de restauração indicaram o convívio familiar com principal motivo da deslocação. A nível dos cuidados de saúde apenas 33% dos portugueses consideram que …