O “rascunho” de Mona Lisa está agora no centro de uma batalha judicial

Um homem diz ser dono de 25% da “Mona Lisa de Isleworth”, que é considerada um estudo de Da Vinci para “Mona Lisa”. O caso vai ser avaliado por um tribunal de Florença.

Há quem pense que se trata de uma cópia sem valor e há quem defenda que se trata de um estudo – uma espécie de rascunho – para o quadro Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, que se encontra exposto no Museu do Louvre, em Paris. Esta “Mona Lisa de Isleworth” parece, afinal, ter algum valor -até há um processo em tribunal a reclamar a sua propriedade.

Conhecida como a “Mona Lisa anterior”, a obra foi descoberta no início do século pelo colecionador Hugh Blaker, numa casa de campo em Isleworth, na Inglaterra. Convencido de que se tratava de um estudo para a célebre pintura de Gioconda, o padrasto de Blaker, John Eeyre, publicou um estudo argumentando que esta era uma obra legítima de Da Vinci que, na verdade, é conhecido por fazer várias versões das suas obras.

Depois da morte de Blake, a obra foi vendida ao colecionador Henry F. Pulitzer, que também a tomou como legítima. Em 1966, o conhecido colecionador publicou o livro Where is the Mona Lisa?, que defendia que esta era, afinal o único retrato que Leonardo tinha feito de Gionconda.

Pulitzer guardou o quadro num cofre num banco na Suíça e, depois da sua morte, passou a pertencer à viúva, Elizabeth Meyer. Quando ela morreu em 2008, a pintura foi então adquirida por um consórcio de colecionadores e tem sido exibida numa série de galerias, nomeadamente em Singapura em 2014 e em Xangai, dois anos depois.

Em junho passado, o quadro esteve esteve exposto no Palazzo Bastogi, em Florença, Itália. Foi a primeira vez que foi mostrado na Europa neste século. Quando a exposição terminou, um homem, cuja identidade não é até agora conhecida, entrou com uma ação legal reclamando a propriedade de um quarto da obra.

O seu advogado, Giovanni Battista Protti, diz ter provas históricas de que Elizabeth Meyer era apenas proprietária de três quartos da obra, uma vez que a Pulitzer Gallery tinha vendido 25% da pintura a Leland Gilbert, um industrial da porcelana estabelecido em Portugal.

O homem que agora reclama a posse de um quarto da obra é herdeiro de Gilbert. O advogado diz ter consigo um documento de 1964 que é uma “ordem de compra” em que a Pulitzer Gallery aceita vender um quarto da pintura por 4 mil libras (mais de 99 mil euros, atualmente).

Para evitar que esta Mona Lisa voltasse para a Suíça, o reclamante pediu a um tribunal de Florença retivesse o quadro em Itália até que termine a investigação sobre os seus proprietários. Esse pedido será avaliado esta segunda-feira.

Uma vez que os proprietários da obra também não são conhecidos, não foi possível contactá-los. A organização Mona Lisa Foundation, situada em Zurique, que foi criada para investigar a história da obra de arte mais conhecida de Leonardo Da Vinci, afirmou à  CNN, que não acredita que a alegação tenha qualquer fundamento. A Fundação vai ser ouvida no tribunal.

No entanto, o advogado garante que a família está determinada em levar este caso até às últimas consequências.

“Isto não tem a ver com dinheiro”, disse à CNN, explicando a família não tem dificuldades financeiras e não está a fazer por dinheiro. “Os objetivos do dono da pintura querem que a pintura seja exibida ao público, não querem mantê-la por mais 40 ou 50 anos em cofres de bancos na Suíça”, explicou. “Isto não tem a ver com o seu valor para um indivíduo mas para a humanidade.”

Por outro lado, os responsáveis da Mona Lisa Foundation consideram que esta alegação só surge agora porque no último ano, devido às comemorações dos 500 anos de Da Vinci, a obra do artista renascentista tem sido muito falada e, por isso, valorizada.

“A obra já é conhecida há tanto tempo, porque é que só se lembraram agora?”, questiona Joel Feldman, diretor da Fundação.

Um estudo de 2015, publicado na revista especializada Conservation Science in Cultural Heritage, concluiu que as pinturas são “duas obras originais, ambas pintadas por Leonardo em dois períodos diferentes”. “O assunto é o mesmo, mas as pinturas variam consideravelmente, tornando-as duas obras por si só e não uma cópia uma da outra”.

Apesar de a família alegar que a ação legal não tem a ver com o dinheiro, a CNN sublinha que os espólios podem ser enormes. De facto, o quadro de Leonardo da Vinci, que mostra Cristo a segurar um globo de cristal, foi vendido por um valor recorde de 450 milhões de dólares (380 milhões de euros) num leilão na quarta-feira, batendo o anterior recorde e tornando-se o quadro mais caro do mundo.

ZAP //

 

 

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

RESPONDER

"Quanto mais cedo, melhor". A dona da Marlboro apoia a proibição dos cigarros até 2030

O CEO da Philip Morris Internacional, dona da Marlboro, apoia a proibição da venda de cigarros, mas os activistas anti-tabaco já acusaram a empresa de hipocrisia por tentar comprar uma farmacêutica enquanto lucra com o …

Bezos e Branson não são astronautas, clarifica Administração da Aviação norte-americana

Dúvida instalou-se depois dos voos que levaram os dois bilionários ao espaço. Novas diretrizes da Administração Federal de Aviação vêm esclarecer.  Após os voos que os tornaram nos primeiros turistas espaciais, Jeff Bezos e Richard Branson …

Soldados afegãos buscam refúgio no Paquistão após perderem postos na fronteira

Quase meia centena de soldados afegãos buscaram asilo no Paquistão após perderem para os Talibãs o controle das posições militares na fronteira, informou o exército paquistanês esta segunda-feira. Centenas de soldados do exército afegão e oficiais …

Portugal ultrapassa Estados Unidos em população com vacinação completa

EUA vivem atualmente um planalto no seu processo de vacinação, com pouco mais de meio milhão de cidadãos a serem vacinados diariamente. Desaceleração no ritmo de inoculações é atribuída a motivações pessoais da população e …

Mulher que vestia camisola com capa do Charlie Hebdo ferida em Londres

Uma mulher que vestia uma camisola estampada com uma capa da revista satírica francesa Charlie Hebdo foi ferida levemente com arma branca no domingo em Hyde Park, em Londres, informou a polícia, que pediu colaboração …

Novo Banco. Comissão de inquérito aprova que resolução do BES foi "fraude política"

A comissão de inquérito ao Novo Banco aprovou uma proposta do PCP de alteração ao relatório referindo que a resolução do BES e a sua capitalização inicial, de 4.900 milhões de euros, foi "uma fraude …

BCP prevê saída de mais de 800 trabalhadores e admite despedimento coletivo

O presidente do BCP disse esta segunda-feira que deverão sair do banco mais de 800 trabalhadores, abaixo da meta inicial de 1.000, mas que depende dos funcionários que aceitarem rescindir e mantém a possibilidade de …

Jogos Olímpicos. Ouro e prata para atletas de...13 anos

Pódio muito jovem na estreia do skate feminino. A espreitar o pódio ficou uma norte-americana com quase o triplo da idade. O skate está a "viver" os seus primeiros dias na história dos Jogos Olímpicos. Inserido …

SEF e PSP reforçam fiscalização às regras aplicáveis nas viagens de avião

O SEF e a PSP reforçaram a fiscalização nos aeroportos às regras do tráfego aéreo devido às variantes de covid-19 e ao aumento do número de voos previsto para as próximas semanas, segundo um despacho …

Ramalho Eanes defende que Otelo "tem direito a lugar de proeminência" na História

O ex-presidente da República Ramalho Eanes defendeu esta segunda-feira que Otelo Saraiva de Carvalho, falecido no domingo, tem direito a um "lugar de proeminência histórica", apesar "da autoria" do que considerou "desvios políticos perversos, de …