O “rascunho” de Mona Lisa está agora no centro de uma batalha judicial

Um homem diz ser dono de 25% da “Mona Lisa de Isleworth”, que é considerada um estudo de Da Vinci para “Mona Lisa”. O caso vai ser avaliado por um tribunal de Florença.

Há quem pense que se trata de uma cópia sem valor e há quem defenda que se trata de um estudo – uma espécie de rascunho – para o quadro Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, que se encontra exposto no Museu do Louvre, em Paris. Esta “Mona Lisa de Isleworth” parece, afinal, ter algum valor -até há um processo em tribunal a reclamar a sua propriedade.

Conhecida como a “Mona Lisa anterior”, a obra foi descoberta no início do século pelo colecionador Hugh Blaker, numa casa de campo em Isleworth, na Inglaterra. Convencido de que se tratava de um estudo para a célebre pintura de Gioconda, o padrasto de Blaker, John Eeyre, publicou um estudo argumentando que esta era uma obra legítima de Da Vinci que, na verdade, é conhecido por fazer várias versões das suas obras.

Depois da morte de Blake, a obra foi vendida ao colecionador Henry F. Pulitzer, que também a tomou como legítima. Em 1966, o conhecido colecionador publicou o livro Where is the Mona Lisa?, que defendia que esta era, afinal o único retrato que Leonardo tinha feito de Gionconda.

Pulitzer guardou o quadro num cofre num banco na Suíça e, depois da sua morte, passou a pertencer à viúva, Elizabeth Meyer. Quando ela morreu em 2008, a pintura foi então adquirida por um consórcio de colecionadores e tem sido exibida numa série de galerias, nomeadamente em Singapura em 2014 e em Xangai, dois anos depois.

Em junho passado, o quadro esteve esteve exposto no Palazzo Bastogi, em Florença, Itália. Foi a primeira vez que foi mostrado na Europa neste século. Quando a exposição terminou, um homem, cuja identidade não é até agora conhecida, entrou com uma ação legal reclamando a propriedade de um quarto da obra.

O seu advogado, Giovanni Battista Protti, diz ter provas históricas de que Elizabeth Meyer era apenas proprietária de três quartos da obra, uma vez que a Pulitzer Gallery tinha vendido 25% da pintura a Leland Gilbert, um industrial da porcelana estabelecido em Portugal.

O homem que agora reclama a posse de um quarto da obra é herdeiro de Gilbert. O advogado diz ter consigo um documento de 1964 que é uma “ordem de compra” em que a Pulitzer Gallery aceita vender um quarto da pintura por 4 mil libras (mais de 99 mil euros, atualmente).

Para evitar que esta Mona Lisa voltasse para a Suíça, o reclamante pediu a um tribunal de Florença retivesse o quadro em Itália até que termine a investigação sobre os seus proprietários. Esse pedido será avaliado esta segunda-feira.

Uma vez que os proprietários da obra também não são conhecidos, não foi possível contactá-los. A organização Mona Lisa Foundation, situada em Zurique, que foi criada para investigar a história da obra de arte mais conhecida de Leonardo Da Vinci, afirmou à  CNN, que não acredita que a alegação tenha qualquer fundamento. A Fundação vai ser ouvida no tribunal.

No entanto, o advogado garante que a família está determinada em levar este caso até às últimas consequências.

“Isto não tem a ver com dinheiro”, disse à CNN, explicando a família não tem dificuldades financeiras e não está a fazer por dinheiro. “Os objetivos do dono da pintura querem que a pintura seja exibida ao público, não querem mantê-la por mais 40 ou 50 anos em cofres de bancos na Suíça”, explicou. “Isto não tem a ver com o seu valor para um indivíduo mas para a humanidade.”

Por outro lado, os responsáveis da Mona Lisa Foundation consideram que esta alegação só surge agora porque no último ano, devido às comemorações dos 500 anos de Da Vinci, a obra do artista renascentista tem sido muito falada e, por isso, valorizada.

“A obra já é conhecida há tanto tempo, porque é que só se lembraram agora?”, questiona Joel Feldman, diretor da Fundação.

Um estudo de 2015, publicado na revista especializada Conservation Science in Cultural Heritage, concluiu que as pinturas são “duas obras originais, ambas pintadas por Leonardo em dois períodos diferentes”. “O assunto é o mesmo, mas as pinturas variam consideravelmente, tornando-as duas obras por si só e não uma cópia uma da outra”.

Apesar de a família alegar que a ação legal não tem a ver com o dinheiro, a CNN sublinha que os espólios podem ser enormes. De facto, o quadro de Leonardo da Vinci, que mostra Cristo a segurar um globo de cristal, foi vendido por um valor recorde de 450 milhões de dólares (380 milhões de euros) num leilão na quarta-feira, batendo o anterior recorde e tornando-se o quadro mais caro do mundo.

ZAP //

 

 

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …