A justiça espanhola espanhol emitiu duas ordens de “prisão provisória” para dois dos portugueses suspeitos de violarem duas jovens espanholas. Os quatro jovens dizem que as relações sexuais foram consentidas.

O Ministério Público (MP) espanhol pediu para que dois dos portugueses suspeitos de violarem duas jovens espanholas fiquem em prisão preventiva e a justiça espanhola emitiu duas ordens de “prisão provisória”. Os outros dois homens libertados cautelarmente.

Fonte do Tribunal Superior de Justiça das Astúrias disse à agência Lusa que o juiz acaba de emitir duas ordens de “prisão provisória, comunicadas e sem fiança para dois dos detidos” que foram levados esta segunda-feira à justiça para interrogatório.

Para os outros dois detidos, “foi emitida uma ordem de libertação provisória” com uma medida cautelar que restringe e proíbe qualquer comunicação com as duas mulheres que apresentaram queixa.

O pedido de prisão preventiva surge devido à gravidade dos alegados crimes e também por existir o perigo de fuga, escreve o Observador.

No entanto, ouvidos no tribunal de instrução criminal de Gijón no domingo, os quatro portugueses alegaram inocência e garantiram que não usaram força ou violência para subjugar as duas mulheres.

Os jovens foram, este domingo, presentes a uma juíza, onde foram ouvidos durante cerca de três horas na presença de um advogado e de um intérprete.

Segundo o Jornal de Notícias, depois de ouvida a versão dos portugueses, que garantiram que as relações sexuais foram consentidas, o tribunal de instrução criminal de Gijón decidiu prolongar a sua detenção provisória.

O caso já motivou reações de várias personalidades da política espanhola e levou à marcação de várias manifestações, avança o jornal local de Gijón, El Comércio.

Um dos protestos marcados um pouco por toda a Espanha, incluindo Bergara e Gijon, acontece esta segunda-feira, à frente da Câmara Municipal de Gijón, às 19 horas (18h em Portugal Continental).

Os quatro portugueses, entre os 20 e os 30 anos, encontram-se detidos e são suspeitos de violarem duas jovens espanholas de 22 e 23 anos numa pensão em Gijón, no norte de Espanha.

Esta segunda-feira os suspeitos estiveram no Palácio da Justiça de Gijón para que as alegadas vítimas pudessem proceder ao reconhecimento facial.

A juíza encarregue do processo também aguarda pelos testes médicos realizados às duas jovens para avaliar os indícios de violação.

Sofia Teixeira Santos, ZAP //