Portugal é o terceiro país da OCDE com mais abandono escolar

Portugal é o terceiro país da OCDE com mais jovens a abandonar precocemente a escola, logo a seguir ao México e à Turquia, revela o estudo ‘Society at a Glance 2016’.

Na lista dos 35 países que fazem parte da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), Portugal destaca-se negativamente na análise à situação do abandono escolar em 2014, com mais de um em cada três jovens a deixar os estudos antes do tempo.

“Esta é a terceira maior percentagem da OCDE, depois do México e da Turquia“, revela o relatório, que lembra que entre os rapazes a situação é mais grave, com mais de 40% a abandonarem os estudos, ao passo que entre as raparigas a percentagem desce para 30%.

Em média, na OCDE, um em cada seis jovens entre os 25 e os 34 anos não concluiu o ensino secundário, sendo que os jovens com menos educação acabam por ser os mais atingidos pelas crises, alerta o estudo, que este ano decidiu destacar a situação dos jovens.

“Isto é particularmente verdade para Portugal, onde a maioria dos jovens, entre os 15 e os 29 anos, que ficaram desempregados tinham baixos níveis de formação académica”, sublinha o relatório Society at a Glance 2016 – A Spotlight on Youth, que analisou especificamente a situação dos jovens que não estudam nem trabalham (conhecidos como os ‘nem-nem’).

A nível mundial, os nem-nem foram os mais atingidos pela crise financeira de 2007.

A crise aumentou brutalmente o número de desempregados e dificultou o acesso ao trabalho, tendo atingido mais fortemente os jovens, sendo que, “até agora, a recuperação (económica) tem sido demasiado fraca para trazer os jovens de regresso ao mundo laboral”, refere o estudo.

Oito anos após a crise de 2008, ainda há 40 milhões de jovens que não estudam nem trabalham e, segundo o relatório, esta realidade é fruto da falta de qualificações mas também de problemas pessoais e sociais.

A percentagem de jovens entre os 15 e os 29 anos com emprego desceu 8% entre 2007 e 2015, segundo a média dos países da OCDE.

Os países mais atingidos foram a Espanha, Irlanda e Grécia, onde o emprego jovem passou para metade. Seguindo-se Portugal, Eslovénia, Itália e Letónia, onde um terço ou um quarto de todos os empregos jovens foram destruídos.

Já nos países onde os jovens estudam e trabalham, estes não foram, tão atingidos já que se mantém uma tendência para existir mais trabalho jovem, como acontece na Islândia, Suíça ou Holanda, onde mais de metade dos estudantes está empregada.

Em Portugal, à semelhança do que acontece na Grécia, Itália, e na Hungria, apenas um em cada 20 estudantes trabalha.

Até 2007, a percentagem de jovens portugueses sem qualquer ocupação (os “nem-nem”) rondava os 14%, um pouco abaixo da média dos países da OCDE, mas com a crise financeira e o aumento do desemprego este grupo acabou por ser um dos mais afetados: entre 2008 e 2013 aumentou para 19%.

Segundo o relatório da OCDE, no ano passado, os jovens nem-nem já eram menos (15%) mas continuavam acima dos valores registados antes da crise.

Em Portugal, sete em cada dez jovens nem-nem vive em casa dos pais, uma realidade que se repete noutros países do sul da Europa, como a Itália ou a Grécia. Em média, nos restantes países da OCDE, apenas um em cada dois jovens sem atividade permanecem em casa dos pais.

O estudo concluiu ainda que os jovens nem-nem confiam menos nos outros, sentem-se menos satisfeitos, têm menos interesse pela política e defendem mais que deve ser o estado a providenciar as necessidades dos cidadãos.

Em Portugal apenas  4% dos jovens combinam os estudos com algum trabalho, enquanto a média da OCDE que é de 12%.

Sublinhando que “a experiência profissional facilita a transição da escola para o trabalho”, o relatório aponta outra falha ao caso português, onde apenas 5% dos jovens conseguem fazer um estágio. Um valo muito abaixo da média da OCDE, que se situa nos 27%.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Brasil é o país lusófono com mais refugiados. Já Portugal tem as maiores remessas dos emigrantes

Um relatório das Nações Unidas (ONU) revelou que o Brasil é o país lusófono que acolhe mais refugiados, Portugal é o que recebe mais remessas dos emigrantes e Moçambique teve o maior aumento de estrangeiros …

Ryanair deixa de voar entre Porto e Lisboa em outubro (mas fica com base mais reduzida em Faro)

A transportadora aérea irlandesa Ryanair vai deixar de voar entre Porto e Lisboa a partir de 25 de outubro devido a “razões comerciais”. A confirmação foi dada pela empresa ao Jornal de Notícias. Em abril, a …

Frente-a-frente entre Costa e Rio teve menos 633 mil espectadores do que o debate entre Costa e Passos em 2015

O frente-a-frente entre António Costa e Rui Rio, os líderes dos dois maiores partidos, teve menos audiência do que o confronto de há quatro anos, entre António Costa e Pedro Passos Coelho. Cerca de de …

EDP condenada a multa de 48 milhões por abuso de posição dominante na produção de energia

A Autoridade da Concorrência (AdC) condenou a EDP por abuso de posição dominante. A coima de 48 milhões de euros foi aplicada à EDP Produção por manipular a oferta de serviços de sistema que regula …

Há sete anos que a média de secundário dos colocados no Ensino Superior não era tão alta

Há sete anos que a média de secundário dos colocados no ensino superior não era tão alta. Relativamente aos alunos de cursos científico-humanísticos, a média dos colocados tem vindo a aumentar desde 2015, tendo atingido …

Futebolistas internacionais russos Kokorin e Mamayev saíram da prisão

Pavel Mamayev e Alexander Kokorin foram detidos depois de atacarem dois homens, um responsável do governo, num estacionamento de um hotel, e um outro num café. Deixam a prisão por "bom comportamento". Os futebolistas internacionais russos …

Praga de baratas fecha refeitório do hospital Amadora-Sintra

Uma praga de baratas está a afetar o Hospital Amadora-Sintra, provocando sérios transtornos às centenas de trabalhadores desta unidade de saúde. O caso foi denunciado ao Correio da Manhã por funcionários e confirmado pelo hospital. A …

Singapura é a inesperada vencedora da crise em Hong Kong

A instabilidade política está a levar uma crescente instabilidade económica em Hong Kong. Quem beneficia com isto é a Singapura, que surge como alternativa no mercado asiático. Em Hong Kong, o duelo entre os manifestantes contra …

Irão pediu vistos aos EUA para ir à Assembleia Geral da ONU "há meses", mas nenhum foi entregue

O Presidente do Irão ainda não recebeu visto de entrada nos EUA, podendo estar em risco a participação de Hassan Rohani na Assembleia Geral das Nações Unidas, noticiou esta quarta-feira a agência de notícias estatal …

Livre: Aparecer nas sondagens é sair da "invisibilidade"

"Estarmos nas sondagens significa que nós estamos com altas hipóteses de eleger [deputados]", referiu na quarta-feira Joacine Katar Moreira, em declarações à agência Lusa, no Jardim Augusto Monjardino, em frente à Maternidade Alfredo da Costa …